Catch-22

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Catch-22 (desambiguação).
Catch-22
Artigo 22 (PT)
Ardil-22 (BR)
Autor (es) Joseph Heller
Idioma inglês
País  Estados Unidos
Género Sátira
Ficção histórica
Editora Simon & Schuster
Páginas 443 (primeira edição)
ISBN ISBN 0-684-83339-5
Edição portuguesa
Tradução Elsa Ferreira
Editora Palirex
Lançamento 1971
Formato 19 cm.
Páginas 619
Edição brasileira
Tradução Pinheiro de Lemos
Editora Record
Lançamento 1995
Formato 23 cm.
Páginas 461
ISBN 8501009261
Cronologia
Último
Something Happened
Próximo

Catch-22 (Ardil-22 (título no Brasil) ou Artigo 22 (título em Portugal)) é um romance satírico-histórico do autor norte-americano Joseph Heller, publicado originalmente em 1961. O livro, situado durante os estágios finais da Segunda Guerra Mundial de 1944 em diante, é frequentemente citado como uma das maiores obras literárias do século XX.[1]

O romance gira em torno de Yossarian, um bombardeador de B-25 da Força Aérea Americana, enquanto ele e os demais membros do "256.° Esquadrão" encontram-se baseados na ilha de Pianosa, na Itália.

Conceito[editar | editar código-fonte]

Devido a seu uso específico no livro, a frase "Catch-22" passou a ter um significado idiomático para uma situação sem saída, uma armadilha. No livro, "Catch-22" é uma lei militar, a lógica auto-contraditória circular que, por exemplo, previne que alguém tente fugir das missões de combate. Nas próprias palavras de Heller:

Cquote1.svg Só havia um ardil e este era o Ardil 22, que dizia que a preocupação com a própria segurança, em face de perigos reais e imediatos, era o processo de uma mente racional. Orr estava doido e podia ter baixa. Tudo o que ele tinha a fazer era pedir. Mas, assim que pedisse, não estaria mais doido e teria que voar em novas missões. Orr seria doido se voasse em novas missões e são se não o fizesse. Mas se estivesse são, teria que voar novamente em missões de combate. Se voasse, então estaria doido e não teria que fazê-lo. Mas, se ele não quisesse fazê-lo, então estaria são e teria que fazê-lo. Cquote2.svg

Grande parte da prosa de Heller em Catch-22 é circular e repetitiva, exemplificando em sua forma a estrutura do livro. Heller usa de paradoxos, por exemplo: "O texano mostrou-se afável, generoso e simpático. Em três dias, ninguém mais conseguia suportá-lo". Ou ainda, "O caso contra Clevinger foi aberto e encerrado. A única coisa que faltava era algo com que acusá-lo". Essa atmosfera de aparente irracionalidade lógica prevalece durante todo o livro.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Lista dos principais personagens:

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Catch-22 foi adaptado para o cinema em um filme homônimo dirigido por Mike Nichols e lançado em 1970. Heller também dramatizou seu próprio livro em 1971 para uma versão teatral e escreveu outra peça, Clevinger's Trial, baseada em partes de Catch-22. A companhia Aquila Theatre produziu outra adaptação para os palcos, dirigida por Peter Meinekc e baseada na peça de Heller. Esta produção excursionou os EUA durante 2007 e 2008.

Notas e Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]