Celso Luft

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Celso Luft
Nome completo Celso Pedro Luft
Nascimento 28 de maio de 1921
Poço das Antas,  Rio Grande do Sul
Morte 4 de dezembro de 1995 (74 anos)
Porto Alegre,  Rio Grande do Sul
Nacionalidade  Brasilleiro
Cônjuge Lya Luft (1963-1985, 1992-1995)
Filho(s) 3
Ocupação Professor, gramático, filólogo, linguista e dicionarista

Celso Pedro Luft (Poço das Antas, 28 de maio de 1921Porto Alegre, 4 de dezembro de 1995) foi um professor, gramático, filólogo, linguista e dicionarista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Celso Luft nasceu numa cidade habitada por descendentes de imigrantes alemães. Era filho de um professor que lhe inculcou o gosto pela música e pelas letras. Adolescente, entrou para o seminário dos Irmãos Maristas, no Instituto Champagnat, em Porto Alegre.

Era formado em Letras Clássicas e Vernáculas pela PUC-RS e fez curso de especialização em Portugal. Foi professor na UFRGS e na Faculdade Porto-Alegrense de Ciências e Letras.

Em 1954, Celso foi para a França, para fazer um curso de reciclagem profissional. Entre 1955 e 1956, realizou cursos ao lado de Lindley Cintra, em Lisboa, e curso de especialização em filologia portuguesa e linguística, na Universidade de Coimbra. Em 1957 ao Brasil.

Em 1963, com quarenta anos, Celso casou-se com Lya Fett, com vinte e cinco anos, e que viria a tornar-se a escritora Lya Luft. Eles se conheceram durante uma prova de vestibular e, posteriormente, ela foi sua aluna. Celso, então conhecido como Irmão Arnulfo, abandonou a batina para casar.[1] Eles tiveram três filhos: Suzana (1965), André (1966) e Eduardo (1969).

De 1970 a 1984, manteve uma coluna diária no jornal Correio do Povo, chamada Mundo das palavras, sobre questões de linguagem. No ano seguinte, publicou Língua e Liberdade.

Em 1985, Celso e Lya se separaram, e ela passou a viver com o psicanalista e também escritor Hélio Pellegrino, falecido em 1988. Em 1992, Celso e Lya voltaram a casar. Ele morreu em dezembro de 1995, após dois anos de enfermidade.

É autor de obras largamente usadas no ensino fundamental e ensino médio.

Obras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Veja on-line
  2. FERNANDES, Francisco; LUFT, Celso Pedro; GUIMARÃES, F. Marques (org.). Dicionário Brasileiro Globo. Rio de Janeiro: Globo, 1952