Chott Melrhir

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Chott Melrhir
شط ملغيغ
O lago visto em imagem de satélite. Note-se que à época, boa parte do lago já havia secado
Localização
Coordenadas 34° 20' N 6° 20' E
País Argélia
Características
Tipo endorreico salino
Área * 6 700 km²
Bacia hidrográfica 68 750 km²
Chott Melrhir está localizado em: Argélia
Chott Melrhir
Localização na Argélia
* Os valores do perímetro, área e volume podem ser imprecisos devido às estimativas envolvidas, podendo não estar normalizadas.

Chott Melrhir, Chott Melghir ou Chott Melhir (em árabe: شط ملغيغ) é um lago endorreico de água salgada (chott) no nordeste da Argélia. Na parte mais ocidental consiste numa série de depressões, que se estendem do golfo de Gabès até o Saara. Elas foram criadas entre o Mioceno e o Calabriano como resultado de uma compressão que acompanhou a formação da cordilheira do Atlas.[1] Com uma área máxima de aproximadamente 6700 km2,[2][3] Chott Melrhir é o maior lago da Argélia.[4] Situa-se quase totalmente abaixo do nível do mar e contém o ponto mais baixo do país, -40 metros.[5] O seu tamanho varia ao longo do ano e seu comprimento é de aproximadamente 130 quilômetros (81 mi) de leste a oeste.[6] As cidades mais próximas são Biskra (60 km a nordeste), Uede e Tugurte (85 km ao sul).[7]

Hidrologia, geologia e geografia[editar | editar código-fonte]

Durante o inverno, a estação chuvosa na região, o lago é preenchido pelos numerosos uádis (cursos de água intermitentes), na grande maioria vindos do norte e do noroeste. Os principais são chamados Djedi e Arab[3][8] que correm de oeste a leste pelas encostas das Montanhas de Aurès.[9] Outros cursos incluem Abiod, Beggour Mitta, Biskra, Bir Az Atrous, Cheria, Demmed, Dermoun, Derradj, Djedeida, Djemorah, Halail, Horchane, Ittel, Mechra, Melh, Mzi, Messad, Oum El Ksob, Soukies, Tadmit e Zeribet.[10] Durante o verão, o lago e a maioria dos cursos d'água que nele deságuam secam totalmente e o Chott Melrhir torna-se um deserto de sal.[4][11] A evaporação anual varia entre 9,6 e 20 km3 e a evaporação do solo à volta do lago pode chegar a 14 km3.[3]

O Chott Melrhir é separado de um lago vizinho, denominado Chott Meorouane, que fica a sudoeste, por uma faixa de terra permanentemente seca que chega a um mínimo de 4 quilômetros de largura em alguns pontos.[12] O fundo do lado é composto principalmente de gipsita e lama, ficando coberto por sal durante o verão. O lago possui um odor que remete a alho.[13] Embora o solo seco no lago e à sua volta pareça ser arável, na prática ele é praticamente estéril em função da alta concentração de sal. Pela mesma razão, o solo absorve muita da condensação noturna que o mantém um pouco úmido durante boa parte do dia[14]

Clima[editar | editar código-fonte]

Houbara-africana (Chlamydotis undulata)

O clima no Chott Melrhir é quente e desértico, com alta evaporação e baixa precipitação. A média das temperaturas mais baixas e mais altas é de 11,4 e 34,2 °C, respectivamente, e a temperatura mínima alcança por volta de 0 °C. A precipitação anual fica abaixo dos 160 mm. Os ventos têm velocidade média entre 2,7 e 5,3 m/s e seguem majoritariamente na direção sudoeste entre junho e setembro e na direção noroeste entre outubro e abril. Tempestades de areia são mais frequentes no inverno e no início do verão, perdurando por 39 dias por ano em média.[3]

Flora e fauna[editar | editar código-fonte]

As águas rasas do lago abrigam vegetação escassa, composta por 72 espécies de plantas que se adaptaram à água salgada: Arthrocnemum subterminale, Limonium, juncos (Juncus), salicórnia (Salicornia), Sarcocornia, papiros (Scirpus) e Suaeda. Algumas espécies existem somente na Argélia e 14 são endêmicas, tais como Fagonia microphylla, Oudneya africana, Zygophyllum cornutum, Limoniastrum feii e Ammosperma cinerea.[3] Elas crescem até 30 cm de altura e fornecem alimento para a relativamente rica avifauna: patos, cortiçóis, houbara-africana (Chlamydotis undulata) e o flamingo-comum (Phoenicopterus roseus).[12][15] As águas do lago têm alta saturação salina, com concentrações que atingem 400 g/L[3] e que sustentam pouquíssimas espécies animais, tais como a artêmia.[16] Javalis selvagens, chacais-dourados, lebres e raposas também foram observados à volta do lado.[3] Em junto de 2003, o Chott Melrhir foi incluído na lista das terras úmidas de importância internacional.[17][18]

Referências

  1. Andrew Goudie (2002) Great Warm Deserts of the World: Landscapes and Evolution, Oxford University Press, ISBN 0-19-924515-0, p. 113
  2. Benkhaled A.; Bouziane M.T.; Achour B. (Junho de 2008). «Detecting trends in annual discharge and precipitation in the Chott Melghir basin in Southeastern Algeria» (PDF). Larhyss Journal. 7: 103–119. ISSN 1112-3680. Cópia arquivada (PDF) em 14 de junho de 2010 
  3. a b c d e f g Chott Melghir Arquivado novembro 23, 2009, no Wayback Machine, Ministere de l'Agriculture. Direction Generale des Forets (in French)
  4. a b В. М. Котляков Мельгир (Chott Melrhir), Словарь современных географических названий (Dictionary of modern geographical names), 2003–2006
  5. CIA World Factbook 2010 ISBN 1-60239-727-9, p. 10
  6. Chott Melrhir, Encyclopædia Britannica on-line
  7. Robert Mepham, R. H. Hughes, J. S. Hughes (1992) A Directory of African Wetlands, IUCN, ISBN 2-88032-949-3 pp. 23–24
  8. Chott Melhrir Arquivado 2011-04-05 no Wayback Machine
  9. Jean-Louis Ballais. Des oueds mythiques aux rivières artificielles: l'hydrographie du Bas-Sahara algérien. [S.l.: s.n.] 
  10. Annales des mines: Mémoires, Cadrilian-Gœury et Vor. Dalmont, 1880 pp. 154, 159, 172
  11. Algérie. États et Territoires (in French)
  12. a b Robert Mepham, R. H. Hughes, J. S. Hughes (1992) A Directory of African Wetlands[3], IUCN, ISBN 2-88032-949-3 pp. 23–24
  13. The Annals and Magazine of Natural History: Including Zoology, Botany, and Geology, Taylor and Francis (1871) p. 377
  14. Henry Woodward Geological Magazine, Volume 1, Cambridge University Press., 1864, p. 28
  15. Erik Carp (1980) Directory of Wetlands of International Importance in the Western Palearctic, IUCN, ISBN 2-88032-300-2, p. 28
  16. «Large branchiopods (Branchiopoda: Anostraca, Notostraca and Spinicaudata) from the salt lakes of Algeria» (PDF). J. Limnol. 65 
  17. The List of Wetlands of International Importance, p. 5
  18. «Chott Melghir». Ramsar Sites Information Service. Consultado em 25 de abril de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Chott Melrhir