Conquista francesa da Argélia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Conquista francesa da Argélia
Parte das guerras coloniais francesas
La prise de Constantine 1837 par Horace Vernet.jpg
La prise de Constantine de Horace Vernet
Data 1827–1857[1][notas 1]
  • Invasão francesa de 1830 a 1857
Local Regência de Argel (atual Argélia)
Desfecho Vitória francesa
Pacificação da Argélia
Beligerantes
Reino da França  Império Otomano Bandeira do Emirado de Abdelkader Emirado de Abdelkader
Bandeira do Reino de Ait Abbas Reino de Ait Abbas
Bandeira do Sultanato de Tuggurt Sultanato de Tuggurt
Bandeira de Kel Ahaggar Kel Ahaggar

Suporte:
Bandeira da Dinastia Alauita de 1666 Sultanato de Marrocos
Comandantes
Monarquia de Julho Bertrand Clauzel
Monarquia de Julho Pierre Berthezène
Monarquia de Julho Duque de Rovigo
Monarquia de Julho Théophile Voirol
Monarquia de Julho Conde de Erlon
Monarquia de Julho Conde de Damrémont 
Monarquia de Julho Sylvain Charles Valée
Monarquia de Julho Thomas Robert Bugeaud
Império Otomano Hussein Dey
Drapeau Ahmed Bey de Constantine.jpg Ahmed Bey
Dz flag-Abdelkader.png Emir Abdalkader
Lalla Fatma N'Soumer
Beni Abbas Kingdom2 Cheikh Mokrani
Bandeira de Sultanato de touggourt Salaman IV
Bandeira de Kel Ahaggar Mohammed Ag Bessa

Suporte: Flag of Morocco 1666 1915.svg Abderramão ibne Hixeme
Forças
Força de invasão: Desconhecido
Baixas
150.000–200.000 perdas militares[5][6][7][8][9]

Mais de 480.000 mortos (civis e soldados).[10]
Desconhecido[11][12][13][14]

A Conquista francesa da Argélia ocorreu entre 1830 e 1847. Usando uma diplomacia ligeira em 1827 por Hussein Dey, o governante otomano da Regência de Argel, contra o seu cônsul como pretexto, a França invadiu e prontamente tomou Argel em 1830, e rapidamente assumiu o controle de outras comunidades costeiras. Em meio a conflitos políticos internos na França, as decisões foram tomadas várias vezes para manter o controle sobre o território e forças militares adicionais foram trazidas ao longo dos anos seguintes para acabar com a resistência no interior do país.

As forças de resistência argelinas foram divididas entre as forças sob Ahmed Bey em Constantina, principalmente no leste, e as forças nacionalistas em Cabília e no oeste. Os tratados com os nacionalistas sob Abd El-Kader permitiram que os franceses concentrassem primeiramente na eliminação da ameaça otomana restante, alcançada com a captura de Constantina de 1837. El-Kader continuou a dar uma dura resistência no oeste. Finalmente dirigiu-se para o Marrocos em 1842 por uma ação militar francesa em grande escala, continuou a travar uma guerra de guerrilha até que o governo marroquino, sob pressão diplomática francesa na sequência da sua derrota na Primeira Guerra Franco-Marroquina, conduziu-o para fora de Marrocos. Ele se rendeu às forças francesas em 1847.

Esta conquista terminou com a anexação da Argélia à República Francesa, com a criação dos departamentos franceses na Argélia em 1848.

Em 1830, a conquista da Argélia é acompanhada por um assentamento colonial: os soldados franceses se tornaram colonos no estabelecimento e ajustamento do território conquistado. Os pioneiros foram gradualmente acompanhados por colegas vizinhos como os corsos ou os habitantes da região da Alsácia-Lorena que foi anexada pela Alemanha em 1870, e também por imigrantes estrangeiros que chegam em ondas sucessivas dos países costeiros do Mediterrâneo, especialmente da Espanha, mas também da Itália e Malta, uma possessão britânica desde 1814. Os cidadãos da Alemanha e da Suíça também são incentivados a participar da colonização.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. "A conquista foi concluída quando os franceses derrotaram as confederações berberes independentes na Cabília em 1857."[2]

Referências

  1. Lorcin, Patricia M. E. (1999). Imperial Identities: Stereotyping, Prejudice and Race in Colonial Algeria. [S.l.]: I.B.Tauris. p. 18. ISBN 978-1-86064-376-7 
  2. Appiah, Anthony; Gates, Henry Louis (2010). Encyclopedia of Africa. [S.l.]: Oxford University Press. p. 90. ISBN 978-0-19-533770-9 
  3. Tucker (2009), p. 1154.
  4. Tucker (2009), p. 1167.
  5. Taking Power: On the Origins of Third World Revolutions, John Foran p94 [1]
  6. The Making of Contemporary Algeria, 1830-1987 - Mahfoud Bennoune, p42
  7. Law, Territory, and the Legal Geography of French Rule in Algeria, p87
  8. An Economic History of the Middle East and North Africa - Charles Issawi, p211 [2]
  9. The Precarious Balance: State and Society in Africa- Donald S. Rothchild, Naomi H. Chazan - Westview Press, 1988 - 357 pages, p42 [3]
  10. "Urbain states in 1862 that the previous 32 years had killed, at a conservative estimate, over 480,000 people, not just soldiers." The Military and Colonial Destruction of the Roman Landscape of North Africa ... - Michael Greenhalgh, p. 366 [4]
  11. Kamel Kateb, Européens, "indigènes" et juifs en Algérie (1830-1962) : représentations et réalités des populations, INED, 2001, 386 p. [5]
  12. Diana K. DAVIS, Les mythes environnementaux de la colonisation française au Maghreb, Paris, Editions Champ Vallon, 2007
  13. Bertrand Taithe, The 1866-1868 Famine in Algeria
  14. Pour en finir avec la repentance coloniale, Daniel Lefeuvre

Outras leituras[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jacques Philippe Laugier de Tassy, Histoire du royaume d'Alger, Du Sauzet, Amsterdam, 1775.
  • William Shaler (Consul des États-Unis à Alger), Esquisse de l'État d'Alger considéré sous le rapport politique, historique et civil(Rapport officiel de 1825), Ladvocat, Paris, 1825.
  • Professeur Jacques Heers, Les Négriers en terre d'Islam, Perrin Ed., Paris 2008.