Invasão francesa de Argel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Invasão de Argel
Conquista francesa da Argélia
Attaque d Alger par la mer 29 Juin 1830 par Theodore Gudin.jpg
Ataque de Argel pelo mar, em 29 de junho de 1830, por Théodore Gudin.
Data 14 de Junho – 7 de Julho de 1830
Local Argel, Regência de Argel
Desfecho
  • Vitória francesa decisiva
  • Anexação de Argel pela França
Beligerantes
Royal Standard of the King of France.svg Reino da França Flag of the Ottoman Empire (1453-1844).svg Regência de Argel
Comandantes
Almirante Duperré
Louis Auguste Victor, Count de Ghaisnes de Bourmont
Hussein Dey
Hassan Agha
Bey Haj Ali
Forças
103 navios de guerra
464 transportes
37,612 combatentes
27,000 marinheiros
Artilharia pesada: 83
10,000 combatentes
tropas regulares: 3,000 janízaros
1,000 mouros
voluntários: 3,000 árabes e 2,000 berberes
Outros: 1,000
Artilharia : 20
Baixas
415 desconhecido (Estimado: entre 600 e 1500)

A invasão francesa de Argel foi uma operação militar em larga escala pelo qual o Reino da França, governado por Carlos X, invadiu e conquistou a Regência Otomana de Argel. Argel havia sido vassalo do Império Otomano desde a captura de Argel em 1529 por Barba Ruiva.

Um incidente diplomático, o chamado Caso Fan serviu em 1827 como um pretexto para iniciar um bloqueio contra o porto de Argel. Após três anos de paralisação e de um incidente mais grave em que um navio francês que levava um embaixador ao dey com uma proposta para negociações foi bombardeado, os franceses determinaram que uma ação mais enérgica era necessária.[1] Carlos X viu também a necessidade de desviar a atenção dos turbulentos assuntos domésticos franceses, que culminou com sua deposição durante os últimos estágios da invasão na Revolução de Julho.

A invasão de Argel começou em 5 de julho de 1830 com um bombardeio naval por uma frota sob o Almirante Duperré, e um desembarque de tropas sob Louis Auguste Victor de Ghaisne, conde de Bourmont. Os franceses rapidamente derrotaram as tropas de Hussein Dey, o governante otomano, mas a resistência nativa foi generalizada. Isto resultou em uma campanha militar prolongada, com duração de mais de 45 anos, para acabar com a oposição popular à colonização. A chamada "pacificação" foi marcada pela resistência de figuras como Ahmed Bey, Abd El-Kader e Lalla Fatma N'Soumer.

A invasão marcou o fim de vários séculos de domínio otomano na Argélia e no início da Argélia francesa. Em 1848, os territórios conquistados em torno de Argel foram organizados em três departamentos, definindo os territórios da Argélia moderna.

Referências

  1. Abun-Nasr, Jamil (1987). A history of the Maghrib in the Islamic period. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 250. ISBN 9780521337670