Convento do Carmo de Angra dos Reis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Igreja e Convento do Carmo e Igreja da Ordem Terceira
Convento do Carmo de Angra dos Reis
Fachada do conjunto carmelita de Angra dos Reis. Da direita para a esquerda: Igreja dos Terceiros do Carmo, torre sineira, Igreja do Carmo, vista parcial do Convento do Carmo.
Tipo
Estilo dominante barroco, rococó
Início da construção século XVII
Fim da construção século XVIII
Geografia
País  Brasil
Cidade Angra dos Reis,  Rio de Janeiro
Coordenadas 23° 0' 24" S 44° 18' 55" O

O Convento do Carmo de Angra dos Reis está situado na cidade de Angra dos Reis, no estado do Rio de Janeiro, Brasil. O conjunto arquitetônico abrange o edifício do convento, a Igreja do Carmo e a Igreja da Ordem Terceira, ambas igrejas separadas por uma torre sineira. Localiza-se na Rua do Comércio, ao lado da Praça General Osório, no centro da cidade.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Os carmelitas chegaram a Angra dos Reis cerca de 1593.[2] Inicialmente ocupando instalações muito modestas, os carmelitas construíram um convento entre 1613 e 1617, seguido de uma nova ampliação a partir de 1621.[2] Em setembro de 1710, a torre foi destruída durante o bombardeio da cidade pelos navios do corsário francês Jean-François Duclerc.[carece de fontes?]

O conjunto que existe hoje data basicamente do século XVIII. O atual edifício do convento começou a ser construído em 1722 e foi inaugurado parcialmente em 1726, enquanto que a atual igreja conventual data da segunda metade daquele século.[2] Os altares internos da igreja, já removidos, foram realizados em 1751.[2] A capela da Ordem Terceira do Carmo, separada da igreja conventual pela torre sineira, foi fundada em 1620 mas a atual capela também data do século XVIII.[2]

No século XIX, apesar da crise da vida religiosa provocada em parte pelo fechamento dos noviciados em 1855 por parte do governo imperial, o convento jamais esteve abandonado. No final do século XIX, porém, nele vivia apenas o frade carmelita frei Inácio da Conceição Silva.[carece de fontes?]

Dada sua importância histórica e cultural, o convento foi tombado pelo IPHAN em 1944, seguida da igreja dos terceiros do Carmo em 1950.

Interior da igreja conventual.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

O Convento do Carmo localiza-se em uma zona de muito trânsito, junto à principal via do centro de Angra, sendo o conjunto monumental mais visível da cidade. O conjunto encontra-se voltado para o mar, próximo à Praça General Osório e antigos sobrados do século XIX, tendo em frente um largo - o Largo do Carmo.

O complexo é composto pela capela da Ordem Terceira do Carmo, a torre sineira, a Igreja Conventual e o convento, todas alinhadas.[2][3] Ambas igrejas tem fachadas de organização similar, dotadas de frontões animados com volutas e coruchéus, sendo a fachada dos terceiros uma versão simplificada da conventual.[3] Os interiores das igrejas revelam plantas retangulares muito simples. Os altares atuais da igreja conventual datam do século XIX, mas a maioria das imagens são ainda os do século XVIII. Os altares da igreja dos terceiros datam de cerca de 1825.[carece de fontes?]

A torre sineira, localizada entre as igrejas, é parcialmente revestida com azulejos e é decorada com coruchéus e uma cúpula.[3] O edifício do convento possui um claustro de dois pisos, com arcos de cantaria no primeiro piso e uma varanda em parte do piso superior.[3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MENDES, Alípio. O convento de Nossa Senhora do Carmo da Ilha Grande: apontamentos para a história dos frades carmelitas em Angra dos Reis; Rio de Janeiro, Gráfica Olímpica Editora Ltda, 1980.

Referências

  1. Convento de Carmo no sítio oficial TurisAngra de Angra dos Reis
  2. a b c d e f Convento de Nossa Senhora do Carmo e Capela da Ordem Terceira do Projeto Angra 500 Anos Arquivado em 3 de março de 2016, no Wayback Machine..
  3. a b c d José Simões Belmont Pessôa. Igreja e Convento de Nossa Senhora do Carmo e Igreja da Ordem Terceira no sítio Património de Influência Portuguesa da Fundação Gulbenkian