Cruz coroada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Cruz Coroada num vitral de uma Igreja Católica.

A Cruz e Coroa, ou Cruz Coroada é um símbolo tradicional Cristão (uma cruz atravessando uma coroa por dentro), aparecendo em muitas igrejas (principalmente na católica romana), onde também tem sido usado em heráldica.[1] Muitas vezes, é interpretada como simbolizando a recompensa no céu (a coroa) após os próximos julgamentos nesta vida (a cruz), com base em Tiago 1:12.

O símbolo aparece no selo da Igreja de Cristo, onde está rodeada pelas palavras "Curar o doente, limpar os leprosos, ressuscitar os mortos, expulsar os demônios" (Mateus 10:8).

Uso do símbolo[editar | editar código-fonte]

Na Maçonaria[editar | editar código-fonte]

O símbolo está associado à Maçonaria por ser o emblema dos Cavaleiros Templários,[2] que representam o mais elevado grau no Rito de York.[3] Trata-se de um símbolo do grupo moderno de Cavaleiros Templários (que não reivindicam uma herança da ordem medieval). Tal grupo, diferente de outros ramos na Maçonaria, é composto exclusivamente por maçons cristãos, daí as razões para adotarem um símbolo que remeta apenas ao Cristianismo.[4]

Na Ciência Cristã

A Igreja da Ciência Cristã, ou simplesmente "Ciência Cristã", fundada por Mary Baker Eddy, também utiliza a Cruz coroada como símbolo de identificação.[5]

No movimento dos Estudantes da Bíblia[editar | editar código-fonte]

No final do século XIX a Cruz Coroada também foi usada como insígnia dos Estudantes da Bíblia, um grupo religioso formado em Pittsburgh nos EUA e que é precursor das modernas Testemunhas de Jeová. Dentre o grupo original, o símbolo, rodeado por folhas de louro, era usado na forma de broches, e também podia ser encontrado em suas publicações, como na capa da revista Zion's Watch Tower ("Torre de Vigia de Sião") nos anos de 1891 a até 1931.[6]

A Sociedade Torre de Vigia, que cuidava dos interesses dos Estudantes da Bíblia, foi deixando de utilizar a Cruz Coroada após a morte de seu fundador Charles Taze Russell. A organização passou a adotar o conceito de que Cristo foi pregado em uma estaca (madeiro) simples, sem vigas cruzadas, vendo a cruz tradicional (com duas vigas) como um símbolo pagão. Por essa razão, na edição de 15 de Outubro de 1931 da revista “Zion's Watch Tower”, o símbolo não mais aparecia em sua capa.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Página da "Roman Catholic Diocese of Helena" (em inglês), abaixo do título: "The Coat of Arms Arquivado em 18 de junho de 2006, no Wayback Machine.". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  2. Página da "Grand Commandery of Knights Templar of Pennsylvania"(em inglês), abaixo da página introdutória: "Welcome". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  3. Página da "Grand Lodge of British Columbia and Yukon"(em inglês), sob o título: "Masonic orders and degrees" e abaixo do sub-tópico "York Rite". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  4. Página oficial do "Grande Acampamento dos Cavaleiros Templários" (em inglês), abaixo do sub-tópico: "The Templar Membership Today Arquivado em 15 de agosto de 2011, no Wayback Machine." (A Filiação Templária Hoje). Acessado em 12 de Agosto de 2011.
  5. Página oficial da "Ciência Cristã" (em inglês), abaixo do título: "How to get permission to use the Cross and Crown seal". Acessado em 15 de Agosto de 2011.
  6. Livro: "Testemunhas de Jeová — Proclamadores do Reino de Deus" (1993), pg. 200.
  7. Livro: "Anuário das Testemunhas de Jeová de 1976", p. 148.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]