Dinastia salomónica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Dinastia Salomônica foi a antiga Casa Imperial da Abissínia (Etiópia), seus membros alegam descendência linear de Salomão de Israel e da Rainha de Sabá[1], esta última segundo afirma a tradição deu à luz Menelik I depois de sua visita biblicamente descrita a Salomão, em Jerusalém. Estas reivindicações de ascendência salomônica tornam a casa real da Etiópia entre as duas mais antigas do mundo (a outra é a Casa Imperial do Japão).

Os reis salomônicos são conhecidos pelo ritual de coroação, que os reis axumitas não possuíam. Pelo contrário, a realeza posterior explorou o prestígio religioso e histórico da Igreja de Santa Maria de Sião axumita, tornando-o seu local de coroação cerimonial. [2]

Sabemos que Ámeda-Sion I foi nomeado Gabra Masqal. Depois que o sufixo Nan foi usada como o nome real durante o tempo do sucessor do rei Davi I (1380-1412). O terceiro filho de Davi (Tacla-Mariam), que reinou por quatro anos, recebeu o nome do trono Hezb Nan. O primeiro filho e sucessor de Hezb Nan foi Sarué-Jesus. O seu nome de trono era Meherka Nan. Ámeda-Jesus, o segundo filho de Herb Nan, recebeu o nome de Badel Nan.[2]

A dinastia salomônica governou a Etiópia com poucas interrupções até 1974, quando o último imperador, Haile Selassie I, foi deposto. [3]

Referências

  1. Ian Sansom (9 de outubro de 2010). «Great dynasties of the world: The Ethiopian royal family». The Guardian 
  2. a b Tefera, Amsalu (19 de junho de 2015). The Ethiopian Homily on the Ark of the Covenant:. Critical Edition and Annotated Translation of Dǝrsanä Ṣǝyon (em inglês). [S.l.]: BRILL, p. 76 
  3. «Solomonid Dynasty». Encyclopædia Britannica 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um(a) historiador(a) é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.