Discussão:Lógica

    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    Estética do artigo[editar código-fonte]

    -O texto está ótimo, mas torna-se cansativo ler o artigo. Imagens, além de fundamentais, são necessarias assim como um texto limpo, o que não está ocorrendo por enquanto nessa página. De resto, excelente. Abraços, --Fernando (Auréola) (discussão) 16h53min de 28 de Novembro de 2007 (UTC)

    Lógica enquanto ciência[editar código-fonte]

    De acordo com qualquer pessoa que já tenha estudado o mínimo de Lógica. Caso querias ter uma confirmação podes ter através da Wikipédia em Inglês. Para citar um nome, o maior lógico brasileiro e um dos maiores do mundo, Newton C. A. da Costa, afirma na orelha do livro 'Introdução à Lógica' escrito pelo Prof. Cezar Mortari, que a Lógica é uma ciência viva. Obviamente, Mortari afirma em seu livro que a lógica é uma Ciência, pois isto é uma unanimidade entre os lógicos, os matemáticos e os filósofos.

    Cordialmente, Sérgio Farias.

    Sérgio Farias 18:43, 25 Março 2006 (UTC)

    A lógica não é um ramo da Filosofia ou Mátemática, embora a esteja intimamente ligada à essas áreas! A Lógica é uma CIÊNCIA! Sérgio Farias 18:43, 25 Março 2006 (UTC)
    Prezado usuário, assine suas mensagens e, por favor, cite suas fontes. A Lógica é uma ciência de acordo com quem? Só você pensa assim? Sturm 18:38, 25 Março 2006 (UTC)
    Gostaria de saber sua definição de ciência. Para ter uma idéia, embora eu acho que não seja muito diferente disto, segundo o Wikitionario um ramo da matemática é uma ciência. Não vejo porque a "exclamação". Thiago Schiavo (discussão) 16h31min de 26 de Julho de 2007 (UTC)

    Testes de lógica[editar código-fonte]

    Os três testes de lógica do fim do artigo tem todos uma solução? O primeiro eu resolvi, mas e os outros? Não seria melhor colocar as respostas deles no artigo?

    Mateus xD 15h27min de 26 de Outubro de 2007 (UTC)

    Embora não seja estudioso de lógica, não posso concordar com a resposta do primeiro desafio. Não foi informado na pergunta que os guardas tinham conhecimento se o outro mentia ou dizia a verdade. A premissa que o guardas sabem entre sim quem mente e quem diz a verdade é ausente, por conseguinte resta impedido a dedução da conclusão:
    O mentiroso apontaria a porta da morte como sendo a porta que o seu companheiro (o sincero) diria que é a porta da liberdade. E o sincero, sabendo que seu companheiro sempre mente, diria que ele apontaria a porta da morte como sendo a porta da liberdade.
    Esta resposta (argumento) não é válida.
    comentário não assinado de Átila Muniz Ferreira (discussão • contrib) 00h59min de 6 de abril de 2009 (UTC)[responder]

    Crítica ao artigo[editar código-fonte]

    Pessoal, acredito que há um erro muito grande neste artigo e que está levando a conclusões inválidas. Primeiro, lógica não é uma ciência. Essa afirmação por si só já é delicada, pois vários filósofos vem tentando delimitar o que é ciência sem um acordo definitivo, como pode ser consultado no livro "O que é ciência afinal" do Alan Chalmers. A lógica é um instrumento de raciocínio, e só. Ela é muito usada na ciência, mas isso não a faz uma ciência em si.

    Outra falha do artigo é que a lógica não fala sobre nem conclui verdades. Ela apenas faz um indivíduo chegar a conclusões válidas logicamente, não fazendo jus à veracidade das suas premissas. Por exemplo:

    • Premissa 1: Todo ser humano tem exatamente cinco dentes.
    • Premissa 2: Eu sou um ser humano.
    • Conclusão: Logo eu tenho cinco dentes, nem mais, nem menos.

    Apesar de não ser "verdade" que todo ser humano tem exatos cinco dentes, a conclusão desse jogo de premissas, chamado silogismo, é logicamente válida. Espero ter contribuído com o leitor. Caio Padoan de Sá Godinho às 22h32min de 25 de julho de 2011 (UTC)

    Agradeço seus comentários, Caio. Existem algumas observações: muitos consideram a lógica como "ciência formal", que é diferente da definição de ciência no livro de Alan Chamers, onde ele aborda a ciência em seu sentido mais comum e a trata de uma forma bastante epistemológica. Porém, a palavra "ciência" é ainda mais amplo: temos a ciência guiada pelo método científico e temos outras "ciências", que muitos dizem que "não são ciências". Astrologia e aritmancia, neste ponto de vista, são "ciências", embora não sejam regidos pelo método científico, mas não deixam de ser um conjunto de saberes. Neste ponto de vista também, lógica é uma "ciência" de cunho formal.
    Entretanto, o artigo realmente necessita de uma revisão e vou marcá-lo assim. Saudações. -Ramissés DC 00h27min de 26 de julho de 2011 (UTC)[responder]

    Erros conceituais[editar código-fonte]

    O Prof. Dr. Décio Krause, que é um importante pesquisador brasileiro da lógica, fez uma dura crítica a este artigo: https://groups.google.com/a/dimap.ufrn.br/forum/#!msg/logica-l/sRoeXJeQeDI/x8v66w76ftIJ apoiada por um outro lógico https://groups.google.com/a/dimap.ufrn.br/d/msg/logica-l/sRoeXJeQeDI/1KFcfDKglzEJ e eu manifestei que este artigo deve ser apagado imediatamente https://groups.google.com/a/dimap.ufrn.br/d/msg/logica-l/sRoeXJeQeDI/3EYQP8vSEb4J

    A lista de discussão citada agrupa à quase totalidade dos pesquisadores e professores de lógica do Brasil e ninguém, ainda, está defendendo o artigo.--Carlos Gonzalez (discussão) 04h06min de 31 de março de 2014 (UTC)[responder]

    @Gonzalcg: Não há razão pra apagar o artigo. Se algo está errado, basta melhorá-lo, reescrever com base em boas fontes.—Teles«fale comigo» 18h09min de 28 de setembro de 2014 (UTC)[responder]

    O que pode ser melhorado neste artigo?[editar código-fonte]

    Gonzalcg, Décio Krause e demais interessados, poderiam explicitar aqui nesta seção uns dois ou três trechos específicos que não estejam de acordo com o que dizem as referências sobre o assunto? Na lista de lógica foi mencionado o trecho

    A Lógica Formal lida com a relação entre conceitos e fornece um meio de compor provas de declarações.

    que Rosana traduziu da versão de 2003 do artigo da Wikipédia inglesa, onde constava

    Formal logic deals with the relationships between concepts and provides a way to compose proofs of statements.

    Seria bom se pudessem indicar uma versão adequada desta frase, ou aprimorá-la tal como CSTAR fez (em 2004) na versão em inglês. Helder.wiki (discussão) 12h13min de 31 de março de 2014 (UTC)[responder]

    Lógica paraconsistente[editar código-fonte]

    @Décio Krause e Gonzalcg: em [Logica-l] Meu deus... também está sendo criticado o seguinte trecho (essencialmente o que foi introduzido em 2007 por Fábio Soldá, sem dizer de onde tirou as informações ou citar qualquer fonte confiável):

    Lógica paraconsistente: É uma forma de lógica onde não existe o princípio da contradição. Nesse tipo de lógica, tanto as orações afirmativas quanto as negativas podem ser falsas ou verdadeiras, dependendo do contexto. Uma das aplicações desse tipo de lógica é o estudo da semântica, especialmente em se tratando dos paradoxos. Um exemplo: "fulano é cego, mas vê". Pelo princípio da lógica clássica, o indivíduo que vê, um "não-cego", não pode ser cego. Na lógica paraconsistente, ele pode ser cego para ver algumas coisas, e não-cego para ver outras coisas

    Poderiam sugerir um parágrafo que descreva esse tipo de lógica de forma mais apropriada, preferencialmente indicando uma (ou mais) fonte confiável que suporte tal descrição? Helder 13h56min de 28 de setembro de 2014 (UTC)[responder]

    Observo ainda que o mesmo parágrafo já havia sido criticado em 2009, na mesma lista. Os artigos argumentação e discurso também foram mencionados no mesmo tópico, como exemplos de artigos ruins nesta área (mas é melhor tratar os problemas deles nas páginas específicas, Discussão:Argumentação e Discussão:Discurso#Discurso lógico). Helder 20h24min de 28 de setembro de 2014 (UTC)[responder]