Discussão:Ordem dos Templários

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

== lendas de lutas contra demonios == <----Que Isso?

Untitled[editar código-fonte]

queremos saber sobre lendas de lutas travadas contra demonios pelos templarios

Guerra de edições - solução[editar código-fonte]

Protegi a página, até a solução do conflito de edições que está ocorrendo. Peço às partes envolvidas para exporem suas razões aqui, a fim de que o problema possa ser solucionado. Cordialmente, Conhecer Digaê 09:28, 13 Fevereiro 2007 (UTC)

Provisóriamente, entre as fontes passíveis de citação, referem-se as do próprio verbete, entre as quais:
Complementarmente, refere-se ainda:
Sds, Carlos Luis M C da Cruz 10:10, 13 Fevereiro 2007 (UTC)
Há aqui duas dúvidas da minha parte...
  • Parece claro que foram acusados de Heresia, o que não parece tão claro é as outras acusações e/ou confissões. Foram de facto acusados "à cabeça"? Confessaram sob tortura? Há dados concretos sobre isto?
  • Partindo do princípio que as acusações foram detalhadas, o caso seria de "sodomia" e não de "homossexualidade". Parecem ser a mesma coisa mas não o são.
Nada que valha a pena fazer uma guerra ;) ... Apenas pretendo esclarecer a coisa. Portugalgay.pt 15:19, 13 Fevereiro 2007 (UTC)
Se não valia a pena uma "guerra", ela não deveria ter sido iniciada com uma reversão apenas pela reversão... sem explicações na área de discussão apropriada. Fatos ou argumentos novos deveriam ter sido acrescentados e não simplesmente omitidos, o que aparentemente trai uma homofobia que supostamente se desejaria evitar. As dúvidas são naturais, uma vez que nem todos são obrigados a conhecer aspectos técnicos da distinção entre homossexualidade e sodomia, até por que, no meu melhor entendimento acadêmico em História, à época dos fatos em tela, esse tipo de nuance não era compreendido. Objetivamente, neste ponto da discussão, necessito de mais do que o disponho em minha biblioteca sobre Idade Média / Ordem do Templo para revisar adequadamente a polêmica que se suscitou. Solicito ao administrador pelo menos duas semanas, a partir desta data, para re-examinar o assunto e propor um novo texto, revisado. Grato, Carlos Luis M C da Cruz 22:26, 14 Fevereiro 2007 (UTC)
  • Desprotegi a página. Espero que as razões e contra-razões tenham levado ao entendimento. Conhecer Digaê 05:51, 16 Fevereiro 2007 (UTC)

=[editar código-fonte]

Algumas informações interessantes aqui:

"Pergaminho de Chinon"descoberto em 2002 no Arquivo Secreto do Vaticano [1]

The Parchment of Chinon [2]

Arquitectura Militar Templária [3]

A Regra dos Templários de J. M. Upton-Ward . Primeiras páginas:[4] Ega 11:40, 13 Fevereiro 2007 (UTC)

Os Templários não possuíam os bens, tinham voto de pobreza....[editar código-fonte]

O empenho em não entregar os bens sob sua guarda era para evitar que o vaticano os tomasse.... muitos relatos têm um cunho religioso/político, existe um historiador inglês (hoje à noite posto o nome do livro e autor) que, à parte destas influências, pesquisou o seguinte:

Algumas famílias de peregrinos vinham sendo assaltadas no percurso a Jerusalém. Com a criação de uma guarda que os acompanharia, o problema parecia sanado. No entanto, eventos em que todo grupo desaparecera, levou o Papa a crer que a própria guarda houvesse saqueado seus protegidos. Uma solução viera a tona: o uso então de uma guarda de monges com voto de pobreza, assim os peregrinos estariam protegidos militarmente por alguém sem interesses financeiros ou por seus bens. Estes cavaleiros seriam treinados militarmente, obrigatoriamente religiosos católicos, e com votos de castidade e pobreza. Mesmo tendo sido um sucesso nas primeiras viagens, ainda existia a cobiça dos assaltantes pelos bens transportados pelas famílias, e o perigo era iminente. Como saída, os Templários criaram um sistema de cartas de crédito, onde uma espécie de vale nominal era expedido na cidade de origem do peregrino, e poderia ser trocado em uma igreja ou templo na cidade-destino, e vice-versa.

Com os passar das décadas, a confiança da população em um grupo tão correto permitiu que se usasse a instituição para guarda de valores, em troca destes vales, acreditando-se que fosse este o primórdio do sistema bancário. Agora o peregrino poderia viajar levando consigo um vale-nominal, e retirar o valor em Jerusalém. Seus bens poderiam estar guardados na sua cidade natal, também mediante um vale. O sucesso deste sistema, a honestidade dos monges templários, a confiança que veio a suscitar entre a população e a Igreja, por incrível que pareça, seria também a causa de uma das maiores perseguições políticas da história. O motivo: acredita-se que no ano de 1300, mais de 80% do dinheiro europeu se encontrava sob a guarda dos templários.

Até então os Templarios tinham uma ficha de serviços impecável. Uma bula do Papa Clemente V, que basicamente levava a entender que "todos bens em solo sagrado pertencem ao Vaticano", no entanto, levou o Grão Mestre da Ordem a um terrível pressentimento: não queria o Papa apoderar-se dos bens das pessoas que haviam confiado seus bens e valores à Ordem? Neste momento, Jaques deMolay decidira que os Cavaleiros Templários ficariam fiéis ao compromisso moral que haviam assumido, e enviou ao Papa uma sugestão de correção da Bula, excetuando das posses do Vaticano os bens de peregrinos e outros confiados aos Templários - insinuando que o Papa talvez não tivesse lembrado que aqueles valores não eram posse da Igreja. O Papa, pressentindo uma resistência à sua idéia de apossar-se dos valores guardados pelos Templários, associou-se ao Rei Felipe O Belo, da França e expediu uma nova Bula, extinguindo a Ordem. Os Templários, na tentativa de salvar os bens sob sua guarda, fugiram para países tipicamente protestantes, como a Escócia, Inglaterra e outros.

Alguns historiadores consideram o evento de caça aos Templários, sua prisão e tortura como o Início da Inquisição.

Rodrigo Boos (discussão) 16h38min de 21 de Janeiro de 2008 (UTC)

Apenas lembrando a necessidade de fontes para a teoria acima, além de que a Reforma Protestante só se iniciou no século XVI... Para o suposto início da Inquisição, ver a Cruzada contra os Cátaros (a chamada Cruzada albigense) no Languedoc no século XIII. Carlos Luis Cruz (discussão) 09h22min de 22 de Janeiro de 2008 (UTC)

Essa Guerra dura Séculos...

apenas uma observação: não havia nada contra a homoxessualidade, nem tão pouco contra a mulher, apenas e tão somente é que os bravos solados e posteriormente valorosos viajantes queriam ir a um lugar reservado somente ao homem, e qualquer traço de feminilidade por menor que seja impede essa possibilidade.

...Recolhido ao quarto confortável e espaçoso, orei ao Senhor da Vida agradecendo-lhe a bênção de ter sido útil. A "proveitosa fadiga" dos que cumprem o dever não me deu ensejo a qualquer vigília desagradável. Daí a instantes, sensações de leveza invadiram-me a alma toda e tive a impressão de ser arrebatado em pequenino barco, rumando a regiões desconhecidas. Para onde me dirigia? Impossível responder. A meu lado, um homem silencioso sustinha o leme. E qual criança que não pode enumerar nem definir as belezas do caminho, deixava-me conduzir sem exclamações de qualquer natureza, extasiado embora com as magnificências da paisagem. Parecia-me que a embarcação seguia célere, não obstante os movimentos de ascensão. Decorridos minutos, vi-me à frente de um porto maravilhoso, onde alguém me chamou com especial carinho: -André!... André!... Desembarquei com precipitação verdadeiramente infantil. Reconheceria aquela voz entre milhares. Num momento, abraçava minha mãe em transbordamentos de júbilo.

Versão diferente[editar código-fonte]

A parte que descreve a suposta "visão" do papa está em confronto com a história real. Também trata a Igreja e os Templários como duas instituições rivais que disputavam a soberania, quando na verdade o Templo era uma ordem dentro da própria Igreja.

Templo de Salomão[editar código-fonte]

No artigo, a planta octogonal a vermelho, indicada como sendo a planta do Templo de Salomão, é na realidade a planta do Santuário da Rocha, situado na esplanada das mesquitas juntamente com a mesquita de Al-Aqsa, onde outrora se encontrava o Templo de Salomão.


Tudo expeculações! Meramente expeculações!!!!


Correção Ortográfica[editar código-fonte]

Fiz uma correção ortográfica no artigo. Havia um lugar onde estava escrito "monje".

Texto[editar código-fonte]

Vou recomendar para as pessoas não lerem wikipedia em portugues por que ´e uma vergonha, você vê o abismo entre o nivel das informações em portugues e em inglês. falta muito profissionalismo nesse artigo, e também seriedade e ceticismo.

Ligação com Maçonaria[editar código-fonte]

Meu amigo, do geito que o texto foi feito dá se a impressão de que a ligação maçonico templária é real, na verdade pouquissimos historiadores sustentam essa teoria, claro que os conspiratórios estão entre eles. existem por demais duvidas quanto a isso, e tem-se quase certeza que uma descendenciatemplários-Maçonaria e muito provavelmente uma fraude publicitária. Para você ter uma idéia essas teorias entre semelhanças entre simbolos maçônicos e catedrais é muito fraca, maçons também usam simbolos Judaicos, pagãos e egipcios e nem por isso nos devemos dizer que a sociedade deles é descendente de egipcios babilônios, etc. O fato é que o maçons tentam de forma pouco justa se apropriar de simbolos antigos e conhecimento mistico secular e dizer que aquilo foi passado diretamente a eles, ou que são os unicos herdeiros legítimos dessas tradições, mas o fato é que são tão ignorantes a elas quanto a maioria das pessoas, digo eles não tem realmente como comprovar que os rituais e as doutrinas deles são as mesmas de grupos como egípcios e templários. Essa estória de templários irem a escócia, pelo amor de Deus é algo que se vê em canais baratos e de baixissima qualidade como history channel, discovery channel ou mesmo national geographic(nem tudo nesses canais é desprezivel mas eles tem um apresso enorme por teoria da conspiração). Mas sabe-se que o rito maçonico de York se apropriou de simbologia e conceitos templários, existe até o grau de cavaleiro templário(para vocês terem uma idéia do altissimo nivel de qualidade da wikipedia inglesa, esse é o unico fato de comprovada trelação entre templários e maçons e é o unico citado na página sobre templários). Por isso apoio a higienização e esterilização deste artigo(tirar as pragas e os parasitas nele).

citação mal feita[editar código-fonte]

Na parte de ligação entre templ´rios e maçons a fonte foi mal colocada, deveria ter sido posta na forma de índice link, para o fim da página.

Nome de Hugo[editar código-fonte]

Hugo de Payns Ou: Hugo de Payens; Hugo de Payus; Hugo de Paganis (Hugo dos Pagãos);

Excelente! Basta aditar a informação ao verbete do próprio. Sds, Carlos Luis Cruz (discussão) 15h30min de 7 de janeiro de 2010 (UTC)

Contradições quanto à execução dos templários[editar código-fonte]

O texto diz que "Ele (Felipe, o Belo) encarcerou os Superiores dos Templários, e, depois de um processo iníquo, os fez queimar vivos, pois obtivera deles confissões sob tortura, que eram consideradas nulas pelas leis da Igreja e da Inquisição, (...)", enquanto a moldura de uma figura diz "Templários condenados à fogueira pela Santa Inquisição".

Afinal, foi Felipe ou a Inquisição que executou os templários?

Remover o spam/propaganda de grupos contemporâneos desta página[editar código-fonte]

Concordo com a ideia transmitida no texto supra (Ligação com a maçonaria), não assinado.
Verifico que estes devaneios de relacionar instituições históricas já extintas com grupos, ordens ou seitas contemporâneas é habitual aqui na wikipédia, neste artigo e em muitos outros.
Concordo com a expressão fraude publicitária, porque aparentemente é isso que passa, uma necessidade de auto-afirmação das seitas modernas (templárias, maçonaria, rosa-cruz, etc, etc, etc) de "construírem" uma história não comprovada, baseada em suposições, que validem as suas teses existenciais.
Removi da secção "Ligações externas" três links de puro spam/propaganda a três grupos neo-templários contemporâneos. Isto é uma enciclopédia, não um directório de organizações.
Este artigo necessita uma revisão imparcial.
Abç Álvaro de Azevedo Moura (discussão) 23h07min de 18 de fevereiro de 2011 (UTC)