Djin Sganzerla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Djin Sganzerla
Nome completo Djin Sganzerla
Nascimento 25 de fevereiro de 1977 (45 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileira
Ocupação atriz e apresentadora
Atividade 2005 - presente[1]
Outros prêmios
Troféu Candango de Melhor Atriz Coadjuvante
2007 – Falsa Loura

Troféu APCA de Melhor Atriz – Cinema
2008 – Meu Nome É Dindi

Indicações
Prêmio Guarani de Melhor Atriz Coadjuvante
2008 – Falsa Loura

Djin Sganzerla (Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 1977) é uma atriz e apresentadora brasileira.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha do cineasta Rogério Sganzerla e da atriz Helena Ignez, em 2009 Djin era apresentadora no Canal Brasil.[1]

Djin Sganzerla é uma atriz que possui uma vasta carreira voltada para o cinema e teatro. Começou su carreira no Rio de Janeiro integrando um grupo de teatro, sendo O Que É Bom em Segredo É Melhor em Público seu trabalho de estreia. Após algum tempo, mudou-se para a Inglaterra para estudar atuação.[3]

Ao voltar para o Brasil, foi morar em São Paulo, quando começou a frequentar o Centro de Pesquisas Teatrais, de Antunes Filho. No início dos anos 2000 começou a participar de curtas metragens, iniciando sua carreira no cinema.[3]

Em setembro de 2019, Djin contracenou com sua mãe no SESC Avenida Paulista na peça de teatro "Fábulas de Terror Titus/Macbeth", espetáculo baseado na obra do bardo inglês William Shakspeare, traduzido e adaptado por Sérgio Roveri e Marcos Daud, sob a direção de André Guerreiro Lopes. Ela representava a cruel Lady Macbeth, que convence seu marido a matar o rei da Escócia para tomar seu posto e instaura um reinado de sofrimento e caos; enquanto sua mãe representava o general Titus, que retorna vitorioso da guerra e se recusa a assumir o cargo de imperador, gerando assim uma guerra involuntária, sangrenta e cruel pela sucessão ao posto.[4]

Em 2020, Djin fez sua estreia em direção com o longa-metragem Mulher Oceano, o qual também é roteirista e interpreta os papéis protagonistas.[5] No filme ela interpreta duas mulheres distintas, Hannah e Ana, uma escritora brasileira que vive em Tóquio e uma mulher que vive no Rio de Janeiro, respectivamente. Ambas possuem uma relação com o oceano que irá influir em suas decisões de vida.[6]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Notas
2005 Um Lobisomem na Amazônia Carol
O Signo do Caos Lolita
2007 Meu Mundo em Perigo Irmã Ísis
Conceição - Autor Bom É Autor Morto
Meu Nome É Dindi Dindi
Canção de Baal Joana
Falsa Loura Brida (Briducha)
2008 Amarar Noemi Curta-metragem
2009 As Sombras Ana
2010 Um Par Ela
Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha Jane
2011 O Gerente
As Doze Estrelas Maria da Fé
2012 Uma Mulher e uma Arma Djin Curta-metragem
2013 Poder dos Afetos Nástia
2015 Ornamento e Crime Kera
2016 O Prefeito Ser fantasmagórico [7]
Ralé
2017 Love Film Festival Ela mesma
2018 A Moça do Calendário Lara
Polaris Laura Curta-metragem
2020 Mulher Oceano Hannah Visser / Ana Bittencourt também direção e roteiro
2022 Capitu e o Capítulo Sancha A ser lançado[8]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Fábulas de Horror Titus/Macbeth - SESC Avenida Paulista (2019) .... Lady Macbeth;[4]
  • Um Sonho - SESC Avenida Paulista (2007);[9]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Festival Categoria Nomeações Resultado
2007 Festival de Cinema Brasília[10] Melhor Atriz Coadjuvante
Falsa Loura
Venceu
Prêmio Guarani de Cinema Brasileiro Melhor Atriz Coadjuvante Indicado
2008 Prêmio APCA de Cinema[11][12] Melhor Atriz
Meu Nome É Dindi
Venceu
Festival de Cinema e Vídeo de Natal Melhor Atriz Venceu
2013 Prêmio Guarani de Cinema Brasileiro Melhor Atuação de Elenco
Luz nas Trevas – A Volta do Bandido da Luz Vermelha
Indicado
2020 Porto Femme Film Festival Melhor Filme
Mulher Oceano
Venceu
Cine PE - Festival do Audiovisual[13] Melhor Filme Venceu
Melhor Atriz em Longa-metragem Venceu
2021 Festival de Cinema de Málaga Melhor Filme Ibero Americano Indicado
Festival SESC Melhores Filmes Melhor Filme Nacional Indicado
Melhor Direção Indicado
Melhor Atriz Nacional Indicado
Melhor Roteiro Indicado
2021 Prêmio Guarani de Cinema Brasileiro[14] Melhor Atriz Pendente

Referências

  1. a b Blanco, Gisela (28 de julho de 2009). «Entrevista com Djin Sganzerla». Revista Claudia. Editora Abril. Consultado em 7 de março de 2012 
  2. «Djin Sganzerla». Adoro Cinema. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  3. a b «Djin Sganzerla». Sincronia Filmes. Consultado em 8 de junho de 2021 
  4. a b Cavalcanti, Bruno (2019). [www.uol.com.br «Helena Ignez contracena com a filha Djin Sganzerla em peça sobre personagens cruéis de Shakespeare»] Verifique valor |url= (ajuda). Uol. Consultado em 8 de setembro de 2020 
  5. Pécora -, Luísa (26 de novembro de 2020). «Djin Sganzerla estreia na direção com 'Mulher Oceano': 'Queria ser criadora total' | Mulher no Cinema». Consultado em 8 de junho de 2021 
  6. «Crítica: 'Mulher Oceano' mostra originalidade de Djin Sganzerla na direção». Folha de S.Paulo. 28 de novembro de 2020. Consultado em 8 de junho de 2021 
  7. «O Prefeito». www.adorocinema.com. Consultado em 20 de maio de 2021 
  8. «Capitu e o Capítulo». globofilmes.globo.com. Consultado em 24 de maio de 2022 
  9. a b Cultural, Instituto Itaú. «Djin Sganzerla». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 8 de setembro de 2020 
  10. «Peça francesa feita para Edith Piaf ganha montagem brasileira». Panorama Brasil. 31 de outubro de 2011. Consultado em 7 de março de 2012 
  11. «Os Melhores da APCA - Premiados de 2008». Associação Paulista de Críticos de Artes. S/data. Consultado em 7 de março de 2012. Arquivado do original em 28 de setembro de 2011 
  12. «Mais um prêmio para Djin Sganzerla, de Meu Nome é Dindi». Cineclick. 10 de dezembro de 2008. Consultado em 7 de março de 2012 
  13. «"Mulher Oceano", de Djin Sganzerla, leva o título de melhor filme do NOVO CINE PE 2020». Cine PE. 9 de maio de 2021 
  14. «26º Prêmio Guarani :: Indicados de 2020». Consultado em 24 de novembro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]