Ducado de Bulhão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Duché de Bouillon
Ducado de Bulhão
LuikVlag.svg
1456 – 1794 Flag of Bouillon.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Bulhão
Continente Europa
Capital Bulhão
Língua oficial francês
Governo Monarquia
História
 • 1456 Elevação do senhorio a ducado
 • 1794 Proclamação da República Bulhonesa
Membro de: Sacro Império Romano-Germânico

O Ducado de Bulhão (em francês: duché de Bouillon) era uma entidade política centrada na cidade de Bulhão, hoje localizada na Bélgica. Primeiro constituída como um senhorio dependente do Principado-Bispado de Liège, Bulhão foi elevado a ducado em 1456 e, posteriormente adquiriu uma autonomia crescente, com o apoio da França.

O ducado acaba por se tornar independente em 1676 pelos tratados de Nimega.

A República é proclamada em 1794. A anexação à França revolucionária ocorre em 1795.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lista de soberanos de Bulhão

Idade Média : o Senhorio[editar | editar código-fonte]

Bulhão ocupa uma região de fronteira estratégica, junto ao rio Semois, que foi objeto de trocas, disputas e reivindicações, em particular entre a Casa de Marck, o Principado-Bispado de Liège e a França. O senhorio de Bulhão, formalmente incluído no estado de Liège, compunha-se, como de costume no contexto feudal, dum conjunto complexo e evolutivo de direitos e territórios.

Idade Moderna : o Ducado[editar | editar código-fonte]

Em 1415, o senhorio de Bulhão ficou na posse da Casa de Mark e o Príncipado de Liège eleva-o à categoria de ducado em 1456 outorgando-o a Roberto I de Mark. No entanto, esse ducado mantem-se dependente do principado de Liège.

No início do século XVI, apesar do ducado de Bulhão ser formalmente dependente do principado de Liège (e consequentemente do Sacro-Império) estava ligado por interesses vários à França: Roberto III de Mark combatera na Itália nos exércitos franceses; Roberto IV de Mark é nomeado marechal de França em 1547; Henrique Roberto de Mark era, pelo lado materno, neto de Diana de Poitiers.

Pouco depois de 1506, Roberto III de Mark, que oferecera o castelo de Bulhão ao principado de Liège[1], retoma a fortaleza com a ajuda das tropas de Francisco I de França. Bulhão é tomada em 1552 por Henrique II de França, que a outorga a Roberto IV de Mark. Por fim, com o apoio do rei Henrique IV de França, é Henrique de La Tour de Auvérnia, descendente dos duques da Aquitânia, Marechal de França, príncipe de Sedan e visconde de Turenne que, em 1591, casa com Carlota de Mark única herdeira do ducado de Bulhão.

Assim, Bulhão passa a ser governado por uma família francesa, os de La Tour de Auvérnia, que controlavam também o Principado de Sedan e que se encontravam sob proteção do rei de França. Daí em diante os conflitos não cessaram dada a interferência constante da França na vida daquela região de crescente valor estratégico.

Em 1676, durante a Guerra Franco-Holandesa, a França ocupa militarmente Bulhão, mas restitui o ducado a Godofredo Maurício de La Tour de Auvérnia, Duque de Bulhão. Apesar de estado soberano no âmbito do Sacro-Império, Bulhão era na prática um protetorado francês, situação ratificada em 1678 pelos Tratados de Nimega.

A revolução Francesa e a República de Bulhão[editar | editar código-fonte]

1787: em grená o ducado de Bulhão, em cinzento escuro o principado de Liège, e em cinzento claro os Países Baixos Austríacos.
Ver artigos principais: República bulhonesa e República Irmã

Por um édito de 24 de fevereiro de 1790, o duque (Godofredo III) demonstra o seu interesse pelos ideais da Revolução francesa dando o seu apoio à Assembleia Geral (o parlamento local) quando ela decide abolir os Direitos senhoriais e feudais em maio de 1790.

Por uma constituição de 23 de março de 1792, o ducado de Bulhão torna-se uma monarquia constitucional, mas o território é ocupado por tropas francesas da guarnição de Sedan no dia 16 de novembro seguinte.

Jaime Leopoldo de La Tour de Auvérnia, apesar de duque de Bulhão e de chefe de um Estado Soberano, era cidadão da jovem República francesa, tendo sido preso durante o período do Terror em 7 de fevereiro de 1794. Constatando a impossibilidade do seu soberano em reinar, a Assembleia Geral (parlamento) do ducado decretou a república em 24 de abril de 1794. Certos historiadores permanecem indecisos sobre o alcance exato desse texto e da existência jurídica duma república bulhonesa e o território permanece como protetorado francês. O duque morre em 1802 como cidadão Leopoldo La Tour d'Auvergne.

Anexação à França (1795)[editar | editar código-fonte]

O território é anexado em 26 de outubro de 1795 (4 de brumário do ano IV)[2], apesar dos protestos públicos da Assembleia Geral bulhonesa. A lei francesa de 3 de vindemiário do ano V (24 de setembro de 1796) refere a distribuição definitiva das comunas que formavam o até agora ducado de Bulhão, entre os departamentos das Ardenas, Forêts e Sambre-et-Meuse dá uma perspetiva dos territórios que compunham o ducado no momento da sua anexação[3].

Do Século XIX aos nossos dias[editar | editar código-fonte]

Após a queda de Napoleão, o território é alvo de negociações entre a França, o Grão-Ducado do Luxemburgo, os Países Baixos e a Bélgica[4]. Os territórios do ducado de Bulhão foram incorporados na Bélgica pelo Tratado dos XVIII artigos, celebrado em Londres a 15 de novembro de 1831.

O título de duque de Bulhão é restabelecido pelo Congresso de Viena (1815) [5], que o outorga hereditariamente à Casa de Rohan, descendentes de Maria Luísa de La Tour de Auvérnia.

Atualmente (2016) os territórios fazem parte do Luxemburgo belga, umas das províncias da Região da Valónia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. como agradecimento pela nomeação do seu irmão como Príncipe-Bispo de Liège
  2. Decreto de 4 de brumário do ano IV que reune à França o até agora ducado de Bulhão e as suas dependências. Ver : Jean Baptiste Duvergier, 1835. Collection complète des lois, décrets, ordonnances, règlemens, avis du Conseil d'État. Tomo 8. Guyot & Scribe, Paris, p. 443.
  3. Em particular os artigos 2 a 5. Ler aqui.
  4. Vários tratados debruçam-se sobre os territórios: Tratado de Paris de 30 de maio de 1814, Congresso de Viena de 30 de junho de 1815, o segundo tratado de Paris de 20 de novembro de 1815 e, por fim, a declaração do rei Guilherme I dos Países Baixos de 9 de maio de 1818 : « Art. 2. — Os cantões de Walcourt, Florennes, Beauraing e Gedinne com o país de Couvin, Marienbourg e Philippeville, tal como haviam sido definidos sob o governo francês, continuaram a pertencer à província de Namur ». Em 20 de julho de 1819 o território é definitivamente atribuído a Guilherme I dos Países Baixos, enquanto Grão-Duque do Luxemburgo
  5. como ducado honorário e não como ducado soberano

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Pierre Bodard, La formation territoriale du duché de Bouillon, Bulhão, 1993.
  • Édouard Poncelet, Les droits souverains de la principauté de Liège sur le duché de Bouillon, Bulletin de la Commission royale d'histoire, 1943, 58:127-267.
  • Documents relatifs au duché de Bouillon, Heraldica (ler aqui).
  • Adelin Vermer, La révolution Bouillonnaise et ses lendemains : contribution à l'histoire des révolutions de la fin du XVIIIe siécle, edições Uga, 1975
  • Michel-Jean-François Ozeray, Histoire des pays, château et ville de Bouillon depuis l'origine du duché jusqu'à la Révolution de 1789, Luxemburgo, Imprimerie J. Lamort, 1827, in-8°, 348 p. ([1]).
  • Pierre Bodard, Histoire de la Cour souveraine du duché de Bouillon sous les La Tour d'Auvergne, Bruxelas, 1967.
  • André Uyttlebroeck, « Une confédération et trois principautés » em La Wallonie, le Pays et les Hommes, Bruxelas, La Renaissance du livre, 1975, p. 215-244.
  • Jacques Marsollier, Histoire du maréchal duc de Bouillon ; où l'on trouve ce qui s'est passé de plus remarquable sous les regnes de François II, Charles IX, Henry III, Henry IV, la minorité & les premières années du regne de Louis XIII, 1726, 3 vol.: vol. 1, vol. 2, vol. 3).
  • Karl Salomo Zachariä von Lingenthal, De iure succedendi in ducatum Bullonii mortuo Jacobo Leopoldo Carolo duce stirpis suae ultimo, Heidelberga, 1818.