Elisa Queiroz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde junho de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox important.svg
Este artigo ou seção parece estar escrito em formato publicitário ou apologético
Por favor ajude a reescrever este artigo para que possa atingir um ponto de vista neutro, evitando assim conflitos de interesse.
Para casos explícitos de propaganda, em que o título ou todo o conteúdo do artigo seja considerado como um anúncio, considere usar {{ER|6|2=~~~~}}, regra nº 6 da eliminação rápida.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Elisa Queiroz
Nome completo Elisa Maria Moreira Queiroz
Nascimento 30 de setembro de 1970
Macaé, RJ
Morte 16 de abril de 2011 (40 anos)
Vitória, ES
Nacionalidade brasileira
Ocupação artista plástica e cineasta
Principais trabalhos Comelância (2005)
Macarrão aos frutos do Mar (2002)
Namoradeira (2000/2002)

Maria Elisa Moreira Queiroz (Macaé, 30 de setembro de 1970 - Vitória, 16 de abril de 2011) foi uma artista plástica brasileira[1].

Formou-se em artes plásticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Destacou-se[carece de fontes?] pela exploração do corpo feminino, muitas vezes o seu próprio, em obras que questionavam os padrões de beleza da sociedade contemporânea. Foi assim, por exemplo, na exposição Objeto obeso (1998), em que estampou sobre tecidos fotos de partes do corpo.

A instalação Namoradeira (1999) consistiu de duas cadeiras, esculpidas em madeira com o formato de corpos obesos masculino e feminino[2].

Experimentou também a linguagem cinematográfica, em curtas como A Novilha Rebelde (The Sound of Mu) (2005), que dirigiu em parceria com o cineasta Erly Vieira[3].

No dia 8 de março de 2011 a artista plástica foi internada[onde?], onde[vago] lutou contra uma infecção generalizada. Elisa tinha diabetes, o que complicou o quadro. Morreu no dia 16 de abril e foi enterrada no Cemitério Jardim da Paz, em Laranjeiras, na Serra. [4]

Obras[editar | editar código-fonte]

Entre as suas obras mais marcantes estavam as instalações A namoradeira e Wonderbra, o videoinstalação Comelância e os curtas A novilha rebelde (2005) e Free Williams.

A instalação A namoradeira, segundo o artista Erly Vieira, consistia no conjunto de imagens em que as figuras de Elisa e de pessoas obesas ligadas a ela (amantes, ex-amantes, amigos) eram utilizadas em releituras irônicas de obras clássicas da história da arte, devidamente fotografadas e transferidas para suportes comestíveis e, portanto, tão perecíveis quanto o corpo humano. Já a instalação Wonderbra, realizada na Galeria Homero Massena (Vitória, 2003) explorava uma conjugação de dois fatores predominantes no imaginário popular brasileiro: mulher e futebol. [5]

Exposições individuais[editar | editar código-fonte]

  • 1992 - Macaé - Tokio Jazz - Bar Galeria
  • 1995 - Macaé - Bali Brasil - Bar Galeria
  • 1996 - Vitória - Espaço de Arte da Condesa
  • 1996 - Linhares - Instituto Histórico e Geográfico
  • 1967 - Vitória - Raiz Quadrada - Bar Galeria
  • 1997 - Vitória - Beco do Blues
  • 1997 - Vitória - Galeria É
  • 1998 - Vitória - Galeria de Arte Espaço Universitário/Ufes
  • 1998 - Vitória - Degas
  • 1998 - Linhares - Guararema Clube
  • 2001 - Vitória - Espaço Cultural da Ilha
  • 2001 - Vitória - Oficina da Massa[6]

Referências

  1. Morre a artista plástica Elisa Queiroz. A Gazeta, 17/04/2011
  2. Arte para degustar. Overmundo, 27 de abril de 2007
  3. A Novilha Rebelde Arquivado em 6 de junho de 2014, no Wayback Machine.. Cinema de Bordas
  4. [1]. A Gazeta, 17/04/2011
  5. [2]Overmundo, 27 de abril de 2007
  6. QUEIROZ, Elisa. Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais

Ligações externas[editar | editar código-fonte]