Epidendrum proligerum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaEpidendrum proligerum
Epidendrum proligerum (also as Ep. ochrochlorum) - Fl.Br.3-5-039.jpg
Classificação científica
Superdomínio: Biota
Reino: Plantae
Sub-reino: Viridiplantae
Infrarreino: Streptophyta
Superdivisão: Embryophyta
Divisão: Tracheophyta
Subdivisão: Euphyllophyta
Ordem: Asparagales
Família: Orchidaceae
Subfamília: Epidendroideae
Tribo: Epidendreae
Género: Epidendrum
Espécie: Epidendrum proligerum

Epidendrum proligerum é uma espécie de planta do gênero Epidendrum e da família Orchidaceae.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita em 1877 por João Barbosa Rodrigues.[1]

Os seguintes sinônimos já foram catalogados:[2]

  • Epidendrum burgeri Schltr.
  • Epidendrum janeirense Porto & Brade
  • Epidendrum ochrochlorum Barb.Rodr.

Forma de vida[editar | editar código-fonte]

É uma espécie epífita e herbácea.[2]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie faz parte da Lista Vermelha das espécies ameaçadas do estado do Espírito Santo, no sudeste do Brasil.[2]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A espécie é endêmica do Brasil e encontrada nos estados brasileiros de Alagoas, Bahia, Espírito Santo,[3] Minas Gerais,[4] Pernambuco,[5] Paraná,[6] Rio de Janeiro,[7][8] Rio Grande do Sul, Santa Catarina[9][10] e São Paulo.[11][12][2] A espécie é encontrada no domínio fitogeográfico de Mata Atlântica, em regiões com vegetação de floresta ombrófila pluvial.[2]

Referências

  1. «Epidendrum proligerum». www.gbif.org (em inglês). Consultado em 18 de abril de 2022 
  2. a b c d e «Epidendrum proligerum Barb.Rodr.». floradobrasil2020.jbrj.gov.br. Consultado em 18 de abril de 2022 
  3. Guy R. Chiron. «Contribution à la flore d'orchidées d'Espírito Santo (Brésil) : notes taxinomiques dans le genre Epidendrum» (PDF) 
  4. Abreu, Narjara Lopes de; Menini Neto, Luiz; Konno, Tatiana Ungaretti Paleo (março de 2011). «Orchidaceae das Serras Negra e do Funil, Rio Preto, Minas Gerais, e similaridade florística entre formações campestres e florestais do Brasil». Acta Botanica Brasilica: 58–70. ISSN 0102-3306. doi:10.1590/S0102-33062011000100009. Consultado em 26 de abril de 2022 
  5. Pessoa, Edlley; Alves, Marccus (janeiro–março de 2015). «Synopsis of Orchidaceae from Serra do Urubu: an area of montane forest, Pernambuco State, Brazil». Hoehnea (em inglês): 109–133. ISSN 0073-2877. doi:10.1590/2236-8906-35/2014. Consultado em 26 de abril de 2022 
  6. Blum, Christopher Thomas; Roderjan, Carlos Vellozo; Galvão, Franklin (dezembro de 2011). «Composição florística e distribuição altitudinal de epífitas vasculares da Floresta Ombrófila Densa na Serra da Prata, Morretes, Paraná, Brasil». Biota Neotropica: 141–159. ISSN 1676-0611. doi:10.1590/S1676-06032011000400015. Consultado em 26 de abril de 2022 
  7. ROSIANE GARCIA DINIZ. «EPÍFITAS VASCULARES NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO FEDERAIS DE PROTEÇÃO INTEGRAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RIQUEZA, COMPOSIÇÃO E CONHECIMENTO ACUMULADO.» (PDF) 
  8. Barberena, Felipe Fajardo Villela Antolin; Baumgratz, José Fernando Andrade; Barros, Fábio de (30 de abril de 2021). «Subtribe Laeliinae (Orchidaceae) in a large and mature remnant of Brazilian Atlantic Forest». Rodriguésia (em inglês). ISSN 0370-6583. doi:10.1590/2175-7860202172036. Consultado em 26 de abril de 2022 
  9. Mancinelli, Werner Siebje; Esemann-Quadros, Karin (2016). «Orchidaceae Flora of Joinville, Santa Catarina, Brazil». Acta Biológica Catarinense (1): 36–48. ISSN 2358-3363. doi:10.21726/abc.v3i1.428. Consultado em 26 de abril de 2022 
  10. Lenzi, Maurício; Zarur de Matos, Josy; Martins Fraga, Angelo; Crespo, Manuel B. (16 de novembro de 2015). «Orchids of the State Park of Serra do Tabuleiro, Southern Brazil». Anales del Jardín Botánico de Madrid (2): e020. ISSN 1988-3196. doi:10.3989/ajbm.2345. Consultado em 26 de abril de 2022 
  11. Pansarin, Emerson Ricardo; Pansarin, Ludmila Mickeliunas (janeiro–março de 2008). «A família Orchidaceae na Serra do Japi, São Paulo, Brasil». Rodriguésia: 99–111. ISSN 0370-6583. doi:10.1590/2175-7860200859105. Consultado em 26 de abril de 2022 
  12. Lima, Renato Augusto Ferreira de; Dittrich, Vinícius Antonio de Oliveira; Souza, Vinícius Castro de; Salino, Alexandre; Breier, Tiago Böer; Aguiar, Osny Tadeu de (dezembro de 2011). «Flora vascular do Parque Estadual Carlos Botelho, São Paulo, Brasil». Biota Neotropica: 173–214. ISSN 1676-0611. doi:10.1590/S1676-06032011000400018. Consultado em 26 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]