Escândalo da Serie A 2006

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Escândalo da Serie A (em italiano: Calciopoli ou Moggiopoli) envolveu alguns dos principais clubes do país em um esquema de manipulação de resultados na temporada 2004-05 da Serie A: Juventus, Milan, Fiorentina e Lazio.

Resultado[editar | editar código-fonte]

Em primeira instância, os quatro clubes sofreram drástica perda de pontos. Juventus[1], Fiorentina e Lazio foram punidos com o rebaixamento para a Série B, enquanto o Milan começaria o próximo campeonato com 30 pontos a menos - além de perder o direito de disputar a Liga dos Campeões da UEFA.

Após uma série de apelações, foi abrandada a punição para os times. Só a Juventus ficou na Série B. E além disso, a equipe começaria a competição na Série B com 17 pontos a menos. Lazio e Fiorentina disputaram a Série A, mas com 11 e 19 pontos negativos, respectivamente. O Milan começou a Série A com menos oito pontos e pôde jogar a Liga dos Campeões. [2] Reggina e Siena, embora não envolvidos diretamente no caso, também foram sancionados com perda de pontos (-11 e -1 ponto, respectivamente). Se dúvidas houvesse que havia corrupção no futebol, o levantamento dos castigos destes três últimos clubes não se estabeleceria.

Punições[editar | editar código-fonte]

Dirigentes[editar | editar código-fonte]

  • Claudio Lotito (presidente da Lazio): 4 meses de suspensão;
  • Adriano Galliani (vice-presidente do Milan): 5 meses de suspensão;
  • Luciano Moggi (diretor-geral da Juventus): suspenso por 5 anos - posteriormente, seria banido do futebol;
  • Diego Della Valle (presidente de honra da Fiorentina): 8 meses de suspensão;
  • Andrea Della Valle (presidente da Fiorentina): suspenso por um ano;
  • Sandro Mencucci (delegado-administrador da Fiorentina): suspenso por 1 ano e 5 meses;
  • Antonio Giraudo (delegado-administrador da Juventus): suspenso por 5 anos;
  • Leonardo Meani (delegado arbitral do Milan): suspenso por 2 anos e 3 meses;
  • Pasquale Foti (presidente da Reggina): suspenso por 2 anos e meio, tendo que pagar multa de 30.000 euros[3].

Árbitros[editar | editar código-fonte]

Dirigentes da Federação Italiana[editar | editar código-fonte]

Punições aos clubes[editar | editar código-fonte]

  • Arezzo: rebaixamento à Serie C (revogado posteriormente), com exclusão de 3 pontos, ampliada para -9;
  • Fiorentina: rebaixamento à Serie B (revogado posteriormente), com -12 pontos (punição também revogada); com a permanência na Serie A, perdeu 19 pontos na classificação, mas a punição foi reduzida para -12; a equipe foi excluída da Liga dos Campeões 2006-07, tendo sua vaga repassada ao Chievo, além de jogar 2 partidas em casa com portões fechados.
  • Juventus: rebaixamento à Serie B, com exclusão de 30 pontos (posteriormente diminuída para -17 e -9 pontos na classificação), multa de 50.000 libras e cassação dos títulos de 2004-05 (não atribuído a outro clube) e 2005-06 (repassado à Internazionale)[4].
  • Lazio: rebaixamento à Serie B (cancelado), com perda de 7 pontos (também revogada); mantida na primeira divisão, perdeu 11 pontos (posteriormente diminuída para -3) e foi excluída da Copa da UEFA (vaga repassada ao Livorno), além de jogar 2 partidas sem a presença da torcida.
  • Milan: perda de 30 pontos na classificação (punição diminuída para -15 e -8) e um jogo com portões fechados; os rossoneri perderam também a vaga direta na Liga dos Campeões (a Roma herdou a vaga na fase de grupos e o vice-campeonato), tendo que jogar a terceira fase preliminar.
  • Reggina: embora não fosse envolvida diretamente no caso, foi penalizada com -15 pontos[5][6]. A punição foi reduzida em -11 pontos na classificação, e o clube levou multa de 65.000 libras.

Referências

  1. «Testo della decisione relativa al Comm. Uff. N. 1/C – Riunione del 29 giugno / 3 - 4 - 5 - 6 - 7 luglio 2006» (pdf) (em italiano). Commissione d'Appello Federale – Federazione Italiana Giuoco Calcio. 14 de julho de 2006. p. 58. Consultado em 8 de agosto de 2015 
  2. Justiça volta atrás e só Juventus cai Arquivado em 5 de novembro de 2007, no Wayback Machine. - Gazeta Esportiva, 25 de julho de 2006
  3. «Reggina suffer 15-point deduction». BBC News. 17 de agosto de 2006. Consultado em 19 de agosto de 2006 
  4. «Testo della decisione relativa al Comm. Uff. N. 1/C – Riunione del 29 giugno / 3 - 4 - 5 - 6 - 7 luglio 2006» (pdf) (em italiano). Commissione d'Appello Federale – Federazione Italiana Giuoco Calcio. 14 de julho de 2006. pp. 59–60. Consultado em 8 de agosto de 2015 
  5. «Italy prosecutor wants Reggina relegated». The Guardian. 13 de agosto de 2006. Consultado em 14 de agosto de 2006. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2006  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  6. «Reggina to stay in Serie A». The World Game. 18 de agosto de 2006. Consultado em 19 de agosto de 2006. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2006  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)