Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Estrada União e Indústria"

25 bytes adicionados ,  21h00min de 24 de dezembro de 2007
sem resumo de edição
O surgimento da estrada foi definitivo para esta última, transformando Juiz de Fora, ainda em desenvolvimento, numa importante rota comercial entre os dois estados. Deu origem também ao primeiro guia de viagens do Brasil, escrito pelo [[Alemanha|alemão]] Revert Henrique Klumb, [[fotógrafo]] do imperador, e intitulado "Doze Horas em Diligência - Guia do Viajante de Petrópolis a Juiz de Fora". Editado em [[1872]], o livro descrevia com textos e imagens a fantástica viagem.
 
Com o tempo a estrada original foi sendo absorvida e alterada em diversos trechos. Entre [[Petrópolis]] e [[Itaipava]], e entre [[Areal]] e [[Alberto Torres]], novas estradas foram abertas na metade do século XX, e em [[1980]] toda a estrada foi substituída pela [[BR-040]] no trecho entre o Rio-Juiz de Fora]], rodovia moderna de pistas duplas, que absorveu partes das estradas antigas, deixando a antiga União-Indústria apenas para o tráfego local.
 
Da antiga União-Indústria ainda restam várias construções e pontes, destacando-se a Ponte de Santana em [[Alberto Torres]], restaurada pelo governo. Ainda existem também a Ponte das Garças em [[Três Rios]] e a antiga Estação de Paraibuna em Mont'Serrat, município de [[Comendador Levy Gasparian]], construída em [[1856]] para a troca das [[mula]]s durante as diligências (procedimento realizado várias vezes na viagem entre Petrópolis e Juiz de Fora). Situada em um bonito chalé em estilo francês, a Estação abriga atualmente o [[Museu Rodoviário]], onde é possível vislumbrar em detalhes a história da União e Indústria e do rodoviarismo brasileiro. O Museu foi inaugurado em 23 de junho de [[1972]].
119

edições