Estação de Recolha da Boavista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Estação de Recolha da Boavista, igualmente conhecida como Remise da Boavista, foi uma das principais infra-estruturas de apoio ao sistema de transporte de carros eléctricos e americanos da cidade do Porto, em Portugal.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Apresentava-se como um edifício de grandes dimensões, construído junto à Rotunda da Boavista, no local onde se encontra agora a Casa da Música.

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Eléctricos do Porto
Depósito dos eléctricos da Boavista em 1909, aquando de uma reunião sobre a greve dos funcionários.

Desde a sua construção até aos últimos anos antes da sua demolição, foi o ponto central do sistema de transportes públicos sobre carris do Porto, situando-se junto da Estação Ferroviária da Boavista.[1]

Foi edificada em 1874 para servir de sede e oficina da Companhia Carris de Ferro do Porto, que abriu ao serviço, em 14 de Agosto, a linha desde a Praça de Carlos Alberto até à Foz (Cadouços), via Boavista e Fonte da Moura; a 3 de Novembro do ano seguinte, este edifício foi destruído num incêndio.[2]

Em 28 de Fevereiro de 1928, é novamente atingido por um incêndio, sendo 23 carros eléctricos, quatro atrelados e duas zorras perdidas, e seis carros eléctricos muito danificados. Foi posteriormente construída uma nova remise neste local, com novas oficinas, totalizando 20 vias. Inicialmente, também se localizavam aqui as oficinas dos autocarros e troleicarros.[2]

Em 1988, com a redução dos serviços de eléctricos, a Remise da Boavista perdeu importância, passando a recolha a ser efectuada nas instalações de Massarelos; as oficinas foram, no entanto, mantidas na Boavista, e foram aqui albergados os eléctricos e fora de serviço[2], tendo alguns sido aqui restaurados, para serem exibidos no Museu do Carro Eléctrico, em Massarelos.[3] Ainda foi utilizada para guardar os eléctricos de serviço entre Março a Julho de 1991, Junho a Novembro de 1998 e Fevereiro a Maio de 1999, devido a obras. Em Maio de 1998, foi aqui realizado um desfile de moda, no âmbito do festival Porto de Moda '98.[4] Em Agosto de 1999, este edifício foi evacuado e demolido, para ser construído, no seu lugar, a Casa da Música.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. a b c d KERS, Ernst (traduzido para o português por Luís Almeida). «Boavista». The Trams of Porto. Consultado em 21 de Março de 2011.. Arquivado do original em 6 de Outubro de 2009 
  3. PORTAS, António (1994). «Museo de Massarelos». Maquetren (em espanhol). 3 (24). 103 páginas 
  4. «Nos Trilhos da Estação». Público. 9 (2999). Lisboa: PÚBLICO Comunicação Social S. A. 32 de Maio de 1998. 36 páginas  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a estação de Recolha da Boavista
Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.