Estrada de Ferro Porto Murtinho a São Roque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Estrada de Ferro Porto Murtinho a São Roque
Info/Ferrovia
Composição partindo de Porto Murtinho com destino a Fazenda São Roque, em 1913.
Informações principais
Sigla ou acrônimo EF Porto Murtinho
Área de operação Sul do Mato Grosso do Sul
Tempo de operação construção: 1898
operação: 1905[1] ou 1906[2]
Portos Atendidos Porto Geral - Porto Murtinho
Extensão 22 a 25 km
Sede Porto Murtinho – atual Mato Grosso do Sul
Ferrovia(s) antecessora(s)
Ferrovia(s) sucessora(s)

Erradicada
Especificações da ferrovia
Bitola 75 cm

Depois de se associar as famílias Murtinho e Mendes Gonçalves a Cia Matte Larangeira, constituída por Thomas Larangeira, transferiu a sua sede da cidade de Concepción, no Paraguai, para a localidade de Porto Murtinho, no estado brasileiro de Mato Grosso do Sul.[3]

Esta ferrovia fazia parte de um complexo sistema logístico, destinado a exportação de erva-mate, principalmente para a Argentina, onde era beneficiada. Esse sistema era composto, por carroças, barcaças, rebocadores a vapor e a Estrada de Ferro Guaíra a Porto Mendes, em Guaíra-PR.

A EF Porto Murtinho realizava além do transporte de erva-mate, transportava madeira, couro e mercadorias diversas.

Construção e operação[editar | editar código-fonte]

A partir de 1892 a erva mate passa a ser embarcada, com destino a Argentina, de um porto construído pela companhia em Porto Murtinho.[4] Desta localidade partiu uma ferrovia, construída para facilitar o transporte de erva desde a localidade de São Roque.

O trecho entre São Roque e Porto Murtinho era pantanoso e cheio de alagações, ocasionando problemas ao transporte, melhorar o transporte, foi planejada e construída a partir de 1898 pelo Dr. Antonio Corrêa da Costa, uma ferrovia.[2]

Apesar da construção da ferrovia, a partir de 1902 a Cia Matte Larangeira se estabelece em Guaíra, Paraná, inicialmente denominada de Porto Monjoli (nome de um dos diretores da empresa).[5]

O projeto inicial previa uma extensão de 42 léguas (231 a 277 km[6]), entretanto a extensão máxima foi de 22[2][3][4] a 25[4] km. A ferrovia atingiu a Fazenda São Roque em 1906.

Fim[editar | editar código-fonte]

Já em 1910 ocorre a transferência do foco principal de exploração de erva mate para o Rio Paraná, reduzindo a sua importância estratégica para a empresa.[2]

Ao contrario de sua co-irmã (Estrada de Ferro Guaíra a Porto Mendes) a EF Porto Murtinho não foi encampada pelo Serviço de Navegação da Bacia do Prata (SNBP),[7] permanecendo seu controle com a Cia Matte Laranjeira até sua erradicação.

A ferrovia recebeu duas locomotivas diesel em 1956 e apresentava indicio de que ainda encontrava-se em operação em 1971.[4]

Foi preservada estática na Praça Central Thomaz Laranjeira[8] em Porto Murtinho a locomotiva nº 2, fabricada pela Orenstein-Koppel (0-6-0-WT+T) na Alemanha, em 1905, assim como vagões gôndola e um guindaste, no Hotel Saladero, material rodante que originalmente pertenceu a ferrovia.[3][4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. PM Porto Murtinho. «Histórico». Consultado em 5 de junho de 2009. Arquivado do original em 2 de maio de 2009 
  2. a b c d Alcimar Lopes Lomba (2002). O transporte ferroviário na Companhia Mate Laranjeira (1906-1944). [S.l.]: Universidade Federal do Mato Grosso do Sul / Dourados 
  3. a b c Flávio R. Cavalcanti (1 de fevereiro de 2004). A primeira ferrovia do Oeste do Paraná. [S.l.]: Centro-Oeste nº 87 
  4. a b c d e Ralph Mennucci Giesbrecht. «E. F. Mate Laranjeira (Município de Porto Murtinho, MS)». Consultado em 25 de maio de 2009 
  5. Prof. Dr. Omar Fedato Aleksiejuk. «Cronologia Histórica de Guairá». Consultado em 6 de março de 2009. Arquivado do original em 2 de março de 2009 
  6. Cesar Rogério Cabral / Markus Hasenack / Rovane Marcos de França. MÓDULO I UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA I (PDF). [S.l.]: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA. Consultado em 4 de junho de 2009. Arquivado do original (PDF) em 10 de junho de 2015 
  7. Prof. Maurício Joppert da Silva (1946). Relatório - Novembro de 1945 - Janeiro de 1946. [S.l.]: Ministério da Viação e Obras Públicas - Serviço de Documentação 
  8. PM Porto Murtinho. «Atrativos Históricos Culturais - Locomotiva». Consultado em 5 de junho de 2009. Arquivado do original em 3 de julho de 2007