Eu Me Lembro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Eu me lembro
 Brasil
2005 •  pb •  108 min 
Direção Edgard Navarro
Produção Moises Agusto Sylvia Abreu
Roteiro Edgard Navarro
Elenco Arly Arnaud
Dalton Melo
Fernando Fulco
Lucas Valadares
Nélia Carvalho
Victor Porfirio
Gênero Drama
Música Tuzé Abreu
Direção de fotografia Hamilton Oliveira
Lançamento 2005
Idioma Português

Eu me lembro é um filme de drama brasileiro de 2005. O roteiro é de Edgard Navarro e conta a história de Guiga, um menino que vai descobrindo “um novo mundo”. O filme se constrói através do crescimento do personagem Guida, nascido em Salvador. O longa acompanha Guida desde o seu nascimento até a sua vida adulta, que ocorre entre os acontecimentos históricos no Brasil nas décadas de 50, 60 e 70. No decorrer da história, Guida vai descobrindo um novo mundo, com questionamentos sobre religião e sexualidade.[1] [2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme acompanha a vida de Guiga, junto com os acontecimentos históricos no Brasil, nas décadas de 50,60,70. Guida nasceu numa família com dois lados. Aurora (mãe) mostra um novo lado da vida, a vida que ele não conhecia. Já seu pai, Guilherme, tem um gênio puritano, que causa conflitos em Guiga, a respeito desse novo mundo que ele está descobrindo e conhecendo. O filme se passa num período regado por mudanças políticas e sociais. Guida acaba se tornando politicamente ativo.[1][2]

Críticas[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu criticas positivais, principalmente sobre a visão do diretor. Cássio Starling Carlos, critico da Folha de S.Paulo, disse: "Navarro procura estabelecer, antes de tudo, uma empatia com o espectador por meio da identificação com seu protagonista, o garoto Guiga, que se transformará sob nosso olhar em adolescente rebelde, jovem libertário e adulto em crise. É em particular na primeira parte dessa história que o filme de Navarro é mais feliz porque se distingue por um encanto lírico típico da nostalgia. No prólogo dessa vida condenada, como a de milhões de nós, é que se encontra mais do que se chama comum".[1][2]

O critico Federico Fellini, também da Folha de S.Paulo, elogia o envolvimento do filme com os fatos históricos: "Quando sai dessa vertente, o filme se torna menos interessante. É o que acontece quando avança no tempo e tenta deixar claro o efeito traumático das mutações históricas. Um ponto de ruptura dramático o reconduz para um eixo demasiado explicativo e, a partir daí, o destino do protagonista passa a rimar mais com os desatinos sociais do país".[1][2]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Arly Arnaud Aurora/Mãe de Guiga
Dantlen

en Melo || Guiga

Fernando Fulco Pedro/Tio de Guiga
Lucas Valadares Guiga/Adulto
Nélia Carvalho Maria Maluca
Victor Porfirio Guiga/ 11 anos

Exibição[editar | editar código-fonte]

Lançado no dia 29 de Setembro em 2008, o longa foi distribuído pela Pandora Filmes e foi exibido em vários festivais, principalmente no Première Brasil, no Festival do Rio 2006.

Premiações[editar | editar código-fonte]

Premiações
Melhor Filme
Melhor Direção
Melhor Atriz ( Arly Arnaud)
Melhor Ator Coadjuvante( Fernando Neves)
Premio de melhor Atriz Coadjuvante ( Valderez Freitas Teixeira)
Premio de melhor roteiro no Festival de Brasília

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Lila Foster. «Eu Me Lembro, de Edgard Navarro (Brasil, 2005)». Revista Cinética. Consultado em 20 de abril de 2016.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. a b c d CÁSSIO STARLING CARLOS (29 de setembro de 2006). «Encanto lírico garante boas passagens a filme de Edgard Navarro». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de abril de 2016.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)