Eugenio C

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eugenio C
Carreira Naval Ensign of Italy.svg
Proprietário Costa Crociere S.p.A.
Estaleiro Cantieri Riuniti Dell Adriatico
Comissionamento 21 de novembro de 1964 (51 anos)
Porto de registo Genova  Itália
Estado desmontado [1]
Outro(s) nome(s) Edinburgh Castle, The Big Red Boat II
Características gerais
Tonelagem 32 753 tons brutas [2]
Largura 29,4 m
Comprimento 217,3 m
Velocidade 27 nós (velocidade de cruzeiro) 28,4 nós (velocidade máxima)
Passageiros 1 636 passageiros, 424 tripulantes
356 cabines

Eugenio C foi um navio, ícone de um período da navegação transatlântica, que durante 40 anos percorreu os mares com seu nome original e com outros três similares, que se alternaram até ser desmontado em um estaleiro de Alang, na Índia [3] .

Houve uma tentativa de manter o navio como museu no porto de Gênova, na Itália mas o projeto não foi posto em prática.

História[editar | editar código-fonte]

Lançado ao mar em novembro de 1964, o Eugenio C fez a viagem inaugural com membros da família Costa, italianos donos da companhia Linea C. Em 23 de maio de 1966 o Eugenio C partiu do porto de Gênova com destino a Buenos Aires em viagem inaugural, durante 20 anos percorreu a rota entre Europa e América do Sul.

Em 1986 a partir de uma reestruturação nasce a Costa Crociere S.p.A. A partir desse momento, a palavra COSTA aparece nas partes laterais dos navios.

Em 1987 nos estaleiros Mariotti, Genoa foi adicionado um teatro e melhoras nas suas turbinas. Permaneceu como Eugenio Costa durante 10 anos, até a viagem final em 1996 pela companhia italiana.

Edinburgh Castle[editar | editar código-fonte]

Em 1997 foi vendido para a armadora britânica Union-Castle Line e rebatizado como Edinburg Castle.

The Big Red Boat II[editar | editar código-fonte]

Em 1999, comprado pela Premier Cruise, teve um final infeliz, com a falência da empresa. O casco foi pintado de vermelho e ganhou nome de The Big Red Boat II .

Em 2000 ficou parado em Freeport (Bahamas). O navio deteriorou de vez, perdeu o mobiliário e acabou vendido para sucata no final de 2005. Em 2006 começou a ser cortado em pedaços na Índia.

Referências

  1. Laire José Giraud (22 de maio de 2006). «O fim dos gigantes dos mares: sucata!». Consultado em 14 de janeiro de 2012. 
  2. Reuben Goossens. «S.S. Eugenio C» (em inglês). ssMaritime. Consultado em 14 de janeiro de 2012. 
  3. Ian Boyle. «Eugenio C» (em inglês). Consultado em 14 de janeiro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Eugenio C