Exército Russo de Libertação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Exército Russo de Libertação

O general russo Andrey Vlasov com suas tropas.
Subordinação  Alemanha
KONR
Tipo de unidade Infantaria
Força Aérea
Denominação Vlasovtsy (Власовцы)
Período de atividade 1942 (Wehrmacht)
1944 – 1945 (oficialmente)
Patrono Andrey Vlasov
Marcha Nós marchamos por campos largos
História
Guerras/batalhas Segunda Guerra Mundial
Logística
Efetivo Corpo de Exército,
120,000–130,000
(abril de 1945)
Insígnias
Distintivo
Bandeira naval
Bandeira do ROA
Comando
Comandantes
notáveis
Andrey Vlasov
Vladimir Pozdnyakov
Sergei Bunyachenko
Mikhail Meandrov

O Exército Russo de Libertação (em russo: Russkaya osvoboditel'naya armiya, Русская освободительная армия, abreviado em cirílico para РОА; também chamado de Exército de Vlasov) foi uma força militar formada por russos subordinados ao alto-comando dos exércitos da Alemanha Nazista durante a Segunda Guerra Mundial.[1][2]

Vlasov, um general soviético, concordou em colaborar com a Alemanha Nazista depois de ter sido capturado na Frente Oriental. Os soldados sob seu comando eram principalmente ex-prisioneiros de guerra soviéticos, mas também incluíam emigrantes russos brancos, alguns dos quais eram veteranos do Exército Branco anti-comunista da Guerra Civil Russa (1917-1923). Em 14 de novembro de 1944, foi oficialmente renomeado como Forças Armadas do Comitê para a Libertação dos Povos da Rússia, com o KONR sendo formado como um corpo político ao qual o exército jurou lealdade. Em 28 de janeiro de 1945, foi oficialmente declarado que as divisões russas não faziam mais parte do exército alemão, mas estariam diretamente sob o comando do KONR.[3]

Perto do fim da guerra, em 1945, muitas de suas unidades haviam mudado de lado e passaram a combater com os Aliados até a rendição da Alemanha. Em maio de 1945, membros do ROA mudaram de lado e se juntaram ao levante anti-nazista de Praga. Ainda assim, Vlasov e outras lideranças deste movimento foram presos pelos soviéticos e posteriormente executados por traição.

Origens[editar | editar código-fonte]

Voluntários do Exército Russo de Libertação no Flandres, perto da fronteira franco-belga. Eles usam o distintivo de ombro do ROA, e são uniformizados e equipados pelos alemães.

Quando a Alemanha Nazista e seus aliados invadiram a União Soviética, milhões de cidadãos soviéticos - incluindo muitos eslavos - receberam os invasores como libertadores e se voluntariaram para ajudar.[4] Por causa da ideologia racista do nazismo, o Alto Comando alemão inicialmente recusou essa mão-de-obra disponível,[4] mas ainda assim centenas de milhares de eslavos foram recrutados nas primeiras semanas da campanha.[4]

Esses voluntários foram chamados "Hiwi"; um acrônimo para Hilfswilliger, que significa "auxiliares voluntários".[4] Muitos desses recrutas serviram em formações na Waffen-SS, em milícias locais e em forças de polícia; sendo usados primordialmente em operações anti-partisan. Os demais foram usados em pequenos grupos para trabalhos auxiliares como motoristas, cozinheiros, enfermeiros e quaisquer outros trabalhos mundanos que pudessem liberar mais soldados alemães para a linha de frente.[4] Inicialmente, esses voluntários usaram seus uniformes soviéticos com as insígnias removidas, identificados apenas por braçadeiras com os dizeres "Im Dienst der Deutsche Wehrmacht" ("Em serviço da Wehrmacht alemã").[5]

Soldados russos se divertindo com danças tradicionais durante um momento de folga no treinamento.

Outra formação foram os Osttruppen ("Tropas Orientais"), incluindo todos os cidadãos soviéticos agrupados em formações de combate incorporadas a unidades alemãs.[6] Oficialmente, estas eram batalhões chamados Ostbataillonen (singular, Ostbataillon), significando "Batalhões Orientais". Essas primeiras unidades foram iniciativas de comandos locais desafiando as ordens de Berlim, e a maioria dos seus homens eram cidadãos não-russos: bálticos, ucranianos, cossacos, caucasianos etc.[6] Estes consideravam-se povos oprimidos pelos "Grandes Russos" da terra-coração sediada em torno de Moscou.[6] Em novembro de 1941, o Grupo de Exércitos Centro organizou os primeiros seis batalhões desse tipo, usando o termo "Osttruppen"; cuja função primária era a segurança da retaguarda alemã, ocupando postos e patrulhando as linhas de comunicação internas.[6] Pouco depois, o Alto Comando autorizou mais formações, porém com uma série de restrições - batalhões não poderiam conter mais de 200 e serviriam apenas na retaguarda.[6] Nessa época, foram formados os seguintes batalhões russos:[7]

  • Ostbataillon 263;
  • Ostbataillon 308
  • Ostbataillonen 601-620;
  • Ostbataillon 627-650;
  • Ostbataillon 653;
  • Ostbataillon 661-666;
  • Ostbataillon 674.

Estes batalhões também contavam com ucranianos e bielo-russos para recompletamento, formando um total de 54 batalhões russos. No final de 1941, o Alto Comando criou as legiões asiáticas e caucasianas - Ostlegionnen - com um tamanho tão importante que tentativas de uniformização, incluindo insígnias, foi feita já no verão de 1942.[6] Em 14 de julho de 1942, foi criada a Medalha de Bravura e Condecoração de Mérito para Povos Orientais (Tapferkeits und Verdienstauszeichnung für Ostvölker),[8][9] conhecida como Ostvolkmedaille (Medalha dos Povos Orientais) e podia ser usada no estilo russo, em fileira.[10]

A primeira unidade nacional da Osttruppen russa foi a milícia anti-partisan da região de Orel-Kursk, que era conhecida por sua brutalidade sob a liderança de Bronislav Kaminski.[7] Esta milícia era uma turba violenta de várias nacionalidades que se autodenominava Exército Popular de Libertação Russo (Russkaya Osvoboditelnaya Narodnaya Armiya, RONA), mas eram conhecidos como Brigada Kaminski.[7] Essa brigada foi incorporada na Waffen-SS como Volksheer-Brigade, Waffen-Sturm-Brigade der SS RONA, e depois expandida na 29º Divisão SS,[7] sempre servindo em ações anti-partisan e se destacando mais por matar civis. Outra tentativa mais séria foi o Exército Nacional Popular Russo (Russkaya Natsional'naya Narodnaya Armiya, RNNA), criado pelo Grupo de Exércitos Centro em 1942.[7] Designado pelos alemães também como "Unidade Experimental Centro", por ser uma unidade de teste do Grupo de Exércitos Centro, e como "Brigada Ostindorf" pela cidade onde estava acantonada,[7] o RNNA possuía seis batalhões sob o comando do ex-general soviético Boiarsky e era incomum dentre as Osttruppen no fato de todos os graduados e oficiais serem russos.[7] Seu uniforme consistia no velho uniforme soviético com as insígnias do Exército Vermelho removidas.[7] Em dezembro de 1942, foi decidido que o RNNA seria enviado para a linha de frente mas, devido à desconfiança alemã, os batalhões foram dispersados separadamente. Essa decisão causou um grande desapontamento nos russos que sonhavam com uma força nacional lutando ao lado do Terceiro Reich contra a União Soviética.[7]

Referências

  1. «Vlasov and the Russian Liberation Army». A Journey Through Slavic Culture (em inglês). 22 de junho de 2010. Consultado em 6 de outubro de 2022 
  2. «Russian Volunteers in the German Wehrmacht in WWII». Feldgrau (em inglês). 4 de agosto de 2020. Consultado em 6 de outubro de 2022 
  3. Jurado, Carlos Caballero (1999) [1983]. Foreign Volunteers of the Wehrmacht 1941-45. Col: Men-at-Arms (MAA) (em inglês). Kevin Lyles. Londres: Osprey Publishing. p. 28. ISBN 0-85045-524-3. OCLC 13216649 
  4. a b c d e Jurado, Carlos Caballero (1999) [1983]. Foreign Volunteers of the Wehrmacht 1941-45. Col: Men-at-Arms (MAA) (em inglês). Kevin Lyles. Londres: Osprey Publishing. p. 12. ISBN 0-85045-524-3. OCLC 13216649 
  5. Jurado, Carlos Caballero (1999) [1983]. Foreign Volunteers of the Wehrmacht 1941-45. Col: Men-at-Arms (MAA) (em inglês). Kevin Lyles. Londres: Osprey Publishing. p. 12-13. ISBN 0-85045-524-3. OCLC 13216649 
  6. a b c d e f Jurado, Carlos Caballero (1999) [1983]. Foreign volunteers of the Wehrmacht 1941-45. Col: Men-at-Arms (MAA) (em inglês). Kevin Lyles. Londres: Osprey Publishing. p. 13. ISBN 0-85045-524-3. OCLC 13216649 
  7. a b c d e f g h i Jurado, Carlos Caballero (1999). Foreign Volunteers of the Wehrmacht 1941-45 (em inglês). Kevin Lyles. Londres: Osprey Publishing. p. 27. ISBN 0-85045-524-3. OCLC 13216649 
  8. Littlejohn, David (1968). Orders, Decorations, Medals and Badges of the Third Reich (Including the Free City of Danzig). Colonel C. M. Dodkins. Califórnia: R. James Bender Publishing. p. 200-201. ISBN 978-0854200801 
  9. «Tapferkeits- und Verdienstauszeichnung für Angehörige der Ostvölker». TracesOfWar.com (em inglês). Consultado em 6 de outubro de 2022 
  10. Amaral, Filipe (31 de outubro de 2020). «FOTO: Soldado russo da Wehrmacht». Warfare Blog. Consultado em 6 de outubro de 2022 
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.