Experiência de Milgram

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
A experiência de Milgram. E=Experimentador, S=Sujeito, A=Ator

A Experiência de Milgram foi uma experiência científica desenvolvida e realizada pelo psicólogo Stanley Milgram[1] . O experimento pretendeu inquirir de que forma os indivíduos observados tendem a obedecer às autoridades, mesmo que estas contradigam o bom-senso individual. A experiência pretendia inicialmente explicar os crimes bárbaros do tempo do Nazismo. Em 1964, Milgram recebeu por este trabalho o prêmio anual em psicologia social da American Association for the Advancement of Science[2] . Os resultados da experiência foram apresentados no artigo Behavioral Study of Obedience no Journal of Abnormal and Social Psychology (Vol. 67, 1963 Pág. 371-378) e posteriormente no seu livro Obedience to Authority: An Experimental View 1974.

No final da Segunda Guerra Mundial, muitos no Ocidente foram surpreendidos pelo fato de que pessoas aparentemente saudáveis e socialmente bem-ajustadas poderiam cometer assassinato, tortura e outros abusos contra civis durante o Holocausto e outros crimes contra a humanidade. O objetivo do experimento de Milgram foi verificar a obediência e autoridade, no efeito sobre a capacidade do sujeito para prejudicar outro ser humano. Os experimentos começaram em julho de 1961, três meses após o julgamento de Adolf Eichmann começar em Jerusalém. O experimento foi concebido para responder à pergunta: "Pode ser que Eichmann e milhões de seus cúmplices estavam apenas seguindo ordens? Será que devemos chamá-los todos de cúmplices?"

Depois, Milgram resume a experiência:

Os aspectos jurídicos e filosóficos da obediência têm enorme significado, mas dizem muito pouco sobre como as pessoas realmente se comportam em uma situação concreta e particular. Eu projetei um experimento simples em Yale para testar quanta dor um cidadão comum estaria disposto a infligir em outra pessoa porque um simples cientista deu a ordem. Autoridade total foi imposta à cobaia [ao participante] para testar suas crenças morais de que não deveriam prejudicar os outros, e, com os gritos de dor da vítima ainda zumbindo nas orelhas das cobaias [dos participantes], a autoridade falou mais alto na maior parte das vezes. A extrema disposição de pessoas adultas de seguir cegamente o comando de uma autoridade é o resultado principal do experimento, e que ainda necessita de explicação.


Milgram fez mais do que uma experiência - ele realizou 18 variações de seu estudo. Tudo o que ele fez foi alterar a situação para ver como o participante era afetado[3] .

A experiência[editar | editar código-fonte]

  • Objetivo:

Milgram estava interessado em pesquisar como pessoas desconhecidas iriam obedecer uma instrução se esta envolvia ferir outra pessoa. Stanley Milgram estava interessado em saber o quão facilmente pessoas comuns poderiam ser influenciadas em cometerem atrocidades, por exemplo, os alemães na Segunda Guerra Mundial.

Um dos anúncios de divulgação do experimento
  • Procedimento:

Os voluntários foram recrutados para um experimento de laboratório. Os participantes foram 40 homens, com idades entre 20 e 50 anos, cujos postos de trabalho variava entre não qualificados a profissionais. Eles foram pagos US$ 4,50. No início do experimento, eles foram apresentados para outro participante, que na verdade era um cúmplice do experimentador (Milgram). Eles sorteavam quais papéis exercerem (o de aluno ou o de professor), embora o cúmplice acabava sempre sendo o aluno. Havia também um "pesquisador" vestido com um jaleco cinza, interpretado por um ator. Duas salas do Laboratório de Interação na Universidade de Yale foram usados - um para o aluno (com uma cadeira elétrica) e outro para o professor e pesquisador com um gerador de choque elétrico. O "aprendiz" (o cúmplice) foi amarrado a uma cadeira com eletrodos. Depois que ele tivesse aprendido uma lista de pares de palavras que lhes foram dadas para aprender, o "professor" testá-lo-ia, falando o nome de uma palavra e pedindo para o aluno lembrar qual era seu par de uma lista de quatro possíveis escolhas.

O professor (o voluntário) é instruído a administrar um choque elétrico cada vez que o aluno erra, aumentando o nível de choque a cada vez. Havia 30 chaves no gerador de choque, que variava de 15 volts (ligeiro choque) a 450 (choque grave). O aluno errava a resposta propositalmente na maioria das vezes, e, em cava vez, o professor deu-lhe um choque elétrico. Quando o professor se recusava a administrar um choque, o experimentador (o ator) lhe repetia uma série de frases de estímulo para garantir que eles continuassem. Havia quatro frases, e se a primeira frase de estímulo não fosse seguida, o experimentador lia a segunda frase, e assim por diante.

Estímulo 1: Por favor, continue.
Estímulo 2: O experimento requer que você continue.
Estímulo 3: É absolutamente essencial que você continue.
Estímulo 4: Você não tem outra escolha a não ser continuar.

Caso o participante se negasse a fazê-lo depois da quarta frase, o experimento era interrompido. Caso contrário, o experimento só era interrompido ao chegar na voltagem mais alta. Ao final do experimento, Milgram era chamado na sala como um auxiliar do "pesquisador" para fazer algumas perguntas ao professor (participante), como o porque de ter continuado mesmo quando escutava os gritos de dor do outro ou quando o outro não emitia mais nenhum ruído ou respondia as questões.

  • Resultados:

65% (dois terços) dos participantes continuou até o mais alto nível de 450 volts. Todos os participantes continuaram até 300 volts[4] .

Avaliação Crítica[editar | editar código-fonte]

Ao analisar números brutos do experimento de Milgram, o revisor concluiu que a experiência mostra que as ações dos participantes não demonstram que os participantes tendem a obedecer às ordens da autoridade; mas ao invés disso, eles mostram que decidiram continuar a aumentar a voltagem dos choques por outro motivo. O pesquisador explica que as frases de estímulo de 1 a 3 não são ordens. Ele diz que "Por favor, continue." é uma solicitação; "O experimento requer que você continue" é apenas uma explicação sobre os critérios de experiência; e "É absolutamente essencial que você continue" não pode ser tomado como uma ordem direta. É apenas o pesquisador informando ao professor fatos sobre a importância da experiência.

Ele afirma que a revisão dos dados, estabelece que somente o estímulo 4, "Você não tem outra escolha, a não ser continuar", pode ser tomado como uma ordem dada por uma autoridade, e os dados mostram que cada vez que a ordem foi dada, todos os pesquisados se recusaram a seguir a ordem. Assim, os resultados da experiência demonstram que, quando uma ordem era dada por uma autoridade, 100% das vezes, a ordem foi desobedecida pelos participantes do experimento[5] [6] .

Muitos pesquisadores apontam que os estudos de Milgram foram conduzidos em condições de laboratório e, por isso, dizem que temos de perguntar se isto nos diz muito sobre situações da vida real. Eles concluem que nós obedecemos em uma variedade de situações da vida real que são muito mais sutis do que as instruções para dar choques elétricos em outras pessoas, e seria interessante ver quais fatores operam em obediência todos os dias. Cientistas afirmam que o experimento de Milgram seria mais adequado para um contexto militar, onde obediência faz parte do dia-a-dia da vida[7] .

Orne & Holland, em 1968, acusou o estudo de Milgram de falta de "realismo experimental", ou seja, os participantes não poderiam ter acreditado na montagem experimental em que se encontravam e sabiam que o aluno realmente não estava recebendo choques elétricos[8] .

Referências

  1. «Pessoas comuns em atos atrozes: experimento de Milgram faz 50 anos». Terra Networks (São Paulo [s.n.]). 31 de agosto de 2011. Consultado em 5 de maio de 2016. 
  2. Milgram, Stanley. «AAAS Archives & Records Center». Some Conditions of Obedience and Disobedience to Authority. 1965. Consultado em 5 de maio de 2016. 
  3. Milgram, S. (1974). Obedience to authority: An experimental view. Harpercollins.
  4. Milgram, S. (1963). Behavioral study of obedience. Journal of Abnormal and Social Psychology, 67, 371-378.
  5. Shanab, M. E., & Yahya, K. A. (1978). A cross-cultural study of obedience. Bulletin of the Psychonomic Society.
  6. Smith, P. B., & Bond, M. H. (1998). Social psychology across cultures (2nd Edition). Prentice Hall.
  7. McLeod, Saul (2007). «The Milgram Experiment» [O Experimento Milgram]. Consultado em 5 de maio de 2016. 
  8. Orne, M. T., & Holland, C. H. (1968). On the ecological validity of laboratory deceptions. International Journal of Psychiatry, 6(4), 282-293.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Experiência de Milgram