Família Accioli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde outubro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Armas da família Acciaiuoli, em baixo relevo, no exterior da igreja de Santa Maria Novella, em Florença.

Acciaiuoli é um nome de família de origem italiana, presente em Portugal e no Brasil.

A família Acciaiuoli (também Acciaioli, Acciajuoli e, no Brasil, Accioli, Acyoly, Accioly ou Accadrolli) foi, durante o Renascimento, uma das mais importantes famílias de Florença. Um ramo da família teve numerosos feudos e foi muito influente no Reino de Nápoles. Além disso, alguns dos seus expoentes se tornaram soberanos do Ducado de Atenas.

Origens[editar | editar código-fonte]

Trata-se, na origem, de uma proeminente família guelfa de Florença. Uma narrativa semi-lendária, mas repetida nas principais genealogias conta que, em 1160, certo Gugliarello Acciaiuoli, diante de um iminente ataque de Barbarossa a Brescia, foge da cidade e se fixa em Florença, onde se torna comerciante de lã e banqueiro. Como havia sido armeiro em Brescia, toma o nome Acciaiuoli (acciaiuolo em italiano é o artesão que trabalha o aço), e adota como insígnia heráldica as armas de Brescia. Tal narrativa pode ser lendária: o nome familiar pode também derivar de accia ('meada', em italiano), e os Acciaiuoli podem ter sido, na origem, cardadores de lã. A grafia Azzaroli é também atestada em diversos documentos, de modo que o nome pode também derivar de azzaruolo ('azarola'), sugerindo uma origem camponesa. Versões outras do nome familiar em língua italiana, são também Acciaiuoli ou Acciajuoli; em latina, Acciai(u)olus.

Ao longo dos séculos, o nome da família foi registrado com diversas outras grafias, como Accioli, Acioli,Aciole, Accioly, Acioly, Achioli, Achaioli, Acceyoli, Accyoli, Axioules ou Axioli. No Brasil, o nome assumiu predominantemente as formas Acyoly, Accioli , Accioly ou Accadrolli.

Palazzo Acciaiuoli, em Florença.

No século XIII, Acciaiuoli é uma família de banqueiros guelfos e de letrados, como messer Leone degli Acciaiuoli, dado como doutor em leis em 1258. Este Leone funda o Banco Acciaiuoli, ou seja, a Compagna di Ser Leone degli Acciaiuoli e de' suoi compagni, logo com filiais da Grécia à Tunísia, até Londres. Leone torna-se, em 1282, o primeiro membro de sua família a ter funções no governo da cidade, sendo eleito prior e membro da Signoria de Florença em maio de 1282.

Armas da família Acciaiuoli (de prata com um leão de azul armado e linguado de vermelho), no Palazzo dei Priori de Volterra. A legenda refere-se ao humanista Donato Acciaiuoli (1428-1478).

Outros membros notáveis desta família são: Nicola Acciaiuoli (1310-1365), grão-senescal de Nápoles, o primeiro indivíduo não ligado a casas reais a receber a Rosa de Ouro, prêmio dado pelos pontífices romanos a personagens de destaque; Neri Acciaiuoli, † 1398, senhor de Corinto, na Grécia, e depois Duque de Atenas, fundador de uma dinastia que persistiu até 1460; Donato Acciaiuoli (1428-1478), humanista, companheiro de Lorenzo de' Medici o Magnífico, tutor e pai adotivo dos filhos de Donato. Do casamento de Laudomia Acciaiuoli com Pierfrancesco de' Medici descendem os grãos-duques da Toscana e várias casas reais.

Passagem a Portugal[editar | editar código-fonte]

Simone Acciaiuoli,1 falecido em 1544, fixou-se na ilha da Madeira antes de 1512, onde se tornou conhecido como Simão Achioly ou Accioly. Teve, até antes de 1529 o cargo de almoxarife régio na Madeira. Em c. 1530, casou-se com Maria Pimentel, que faleceu em 1541, deixando vasta descendência. De suas relações com a Coroa portuguesa vem a sua inserção no Brasil colonial, dando origem a vários ramos da família, sobretudo no Ceará, Pernambuco e Alagoas. Persistiram também os ramos português e madeirense. Um descendente masculino deste último ramo, Jacinto Acciaiuoli de Vasconcellos, passou a Florença no século XVIII, onde se casou com Marianna Acciaiuoli Torriglione, herdeira do ramo florentino. O filho de ambos, Nicola Diacinto Acciaiuoli de Vasconcellos, nascido em 1753, faleceu em 1834, em Veneza.2 Nicola Diacinto tinha os títulos de Marquês de Novi e Conde del Cassero.

Castelo de Montegufoni, pertencente aos Acciaiuolis do século XII ao XIX, visto da entrada para a Via Volterrana, Toscana..

Ramo português[editar | editar código-fonte]

O ramo português descende de Genebra Acciaiuoli, dada como filha natural de Simão Achioli e casada com Pedro Folgado, associado comercial de Simão, na Madeira. Deu origem às famílias Fonseca Acciaiuoli e Acciaiuoli de Sá Nogueira; dele descende o Conde de Avilez, Jorge de Avilez, militar português que, no Brasil, rebelou-se contra a independência em 1822, e os Condes das Galvêas.

O ramo madeirense persiste até hoje, numa linha masculina e em linhas femininas.

Ramos brasileiros[editar | editar código-fonte]

Gaspar Acciaiuoli de Vasconcellos3 , filho de Zenóbio Acciaiuoli e de Maria de Vasconcelos, neto de Simão e de Maria Pimentel e Drummond, passa ao Brasil em 1618 e se casa, em Pernambuco, com Ana Cavalcanti de Albuquerque, neta de Filippo Cavalcanti - pertencente a outra nobre família guelfa de Florença, os Cavalcanti -, de quem diz-se, sem fundamento, que por motivos políticos teria fugido para Portugal e depois emigrado para o nordeste do Brasil. Na verdade Filippo Cavalcanti, filho de Giovanni Cavalcanti, rico mercador com negócios na corte de Henrique VIII, e de Ginevra Mannelli, herdeira de uma família de fabricantes e negociantes de seda de Florença, passou a Portugal e ao Brasil munido de uma certidão de nobreza assinada pelo próprio Grão-Duque da Toscana, Cosimo II de' Medici. Os Accioli têm ligação de parentesco, tanto em Florença como no Brasil, com os Cavalcanti.

Dos filhos de Gaspar Acciaiuoli descendem os principais ramos que persistem hoje, da família Accioli.

Ascendência de Simone Acciaiuoli (ou Simão Achioli)[editar | editar código-fonte]

Em resumo, é a que se segue:

  1. Gugliarello Acciaiuoli - passa de Brescia a Florença em 1160; inscreve-se na Arte del Cambio. É banqueiro. C.c. ... Riccomanni. Referido num documento de 1237. Pais de:
  2. Riccomanno Acciaiuoli - citado em 1237, casou com uma Guidalotti? Pai de:
  3. Acciaiolo Acciaiuoli - do Sesto di Borgo e do povoado da S.S. Trinità, onde, na igreja dos S. S. Apostoli está sua sepultura. Entre outros teve o filho:
  4. Lotteringo Acciaiuoli - enterrado em frente ao altar-mor da igreja de’ S.S. Apostoli em Florença. Atestado entre 1260 e 1293; está entre os que, em 1280, assinam a paz intermediada pelo cardeal latino. Casou-se com Bella di Guido Mancini. Pais de:
  5. Leone Acciaiuoli do Consiglio de' Priori em 1311. Pai de:
  6. Zanobi Acciaiuoli, que se casou em 1352 com Lena d'Uberto di Lando (Orlando) degli Albizzi. Pai de:
  7. Michele Acciaiuoli - dos priores em 1396 e em 1409. Casou com Lisa di Paolo di Cino de' Nobili. Tiveram a:
  8. Zanobi Acciaiuoli - inimigo acérrimo dos Médicis, ao contrário de seus filhos e demais parentes, esteve em 1433 na assembleia que determinou o exílio de Cosimo de' Medici, “il Vecchio.” Foi prior em 1418 e 1430, e casou com Lia Lapaccini. Pais de:
  9. Benedetto Acciaiuoli, †1506, prior em 1470, podestà de Civitella (1488). De Nanna d'Ormanozzo Dati, teve:
  10. Zanobi Acciaiuoli - nascido em 26 de setembro de 1476, e casou com Ginevra Amadori, filha de Benozzo Amadori, † 1512 na ilha da Madeira, preso devido a dívidas; neta de Niccolò Amadori e bisneta de Angiolo Amadori, casado com Lucia Acciaiuoli, irmã de Neri II, † 1453, e Antonio II, ambos Duques de Atenas. Pais de:
  11. Simone Acciaiuoli ou Simão Achioli, n.c. 1497, †15 de fevereiro de 1544, tronco dos Acciaiuolis e Acciolis no Brasil e em Portugal. Passou à Madeira antes de 1512, onde até 1530 foi almoxarife régio. Casou com Maria Pimentel, filha de Pedro Rodrigues Pimentel e de Isabel Ferreira Drummond.

Membros ilustres[editar | editar código-fonte]

  • Ana Paula Kaled Accioly Rodrigues da Costa - Juíza de Direito no Estado do Paraná

Antônio Pinto Nogueira Accioly - presidente do Ceará por três mandatos durante a República Velha

Elizabeth Accioly Rodrigues da Costa - Advogada Doutora em Direito Internacional pela USP e Professora da Universidade de Lusíadas (Lisboa) Francisco Accioly Rodrigues da Costa Neto - advogado e professor, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná

Ronald Accioly Rodrigues da Costa - desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Família Accioli