Fernando Pinto do Amaral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernando Pinto do Amaral
Nome completo Fernando José Branco Pinto do Amaral
Nascimento 12 de maio de 1960 (57 anos)
Lisboa,  Portugal
Prémios Prémio P.E.N. Clube Português de Ensaio (1992)

Grande Prémio de Tradução Literária (1993)
Prémio Goya (2008)

Género literário Romance, conto
Magnum opus O segredo de Leonardo Volpi

Fernando José Branco Pinto do Amaral (Lisboa, 12 de Maio de 1960) é um professor de Literatura, tradutor e poeta português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É filho de António Pinto do Amaral (Estarreja, Beduído, 22 de Janeiro de 1910 - Lisboa, 6 de Maio de 1977), Médico, e de sua segunda mulher Maria Eugénia Rodrigues Branco (Lisboa, 1 de Abril de 1927), popular actriz da década de 1940.

Frequentou a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa entre 1979 e 1982, mas desistiu do curso em prol das letras. Licenciado em Línguas e Literaturas Modernas e doutorado em Literatura Românica, lecciona desde 1987 no Departamento de Literaturas Românicas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

  • Da sua obra poética salientam-se Acédia (1990, Poesia), A Escada de Jacob (1993, Poesia), Às Cegas (1997, Poesia), O Mosaico Fluido — Modernidade e Pós-Modernidade na Poesia Portuguesa Mais Recente (1991, Prémio de Ensaio Pen Club), Na Órbita de Saturno (1992, Ensaio) e Poesia Reunida (2000). Em 2004 editou o livro de poemas Pena Suspensa e A Aventura no Game Boy (infantil). Mais recentemente, publicou o conjunto de contos Área de Serviço e Outras Histórias de Amor (2006) e A Luz da Madrugada (poesia, 2007).

Além disso, tem colaborado nas revistas LER, A Phala, Colóquio/Letras, Relâmpago e fez crítica literária nos jornais Público e JL. Traduziu As Flores do Mal, de Baudelaire, que lhe valeu o Prémio do Pen Club e o Prémio da Associação Portuguesa de Tradutores, e Poemas Saturnianos de Verlaine. Traduziu ainda toda a poesia do argentino Jorge Luís Borges.

Em 2009 publicou o romance O Segredo de Leonardo Volpi (Dom Quixote) e o livro para crianças A Minha Primeira Sophia (Dom Quixote).

Em Fevereiro de 2008 recebeu, em Madrid, o Prémio Goya, na categoria de Melhor Canção Original pelo seu Fado da Saudade, interpretado por Carlos do Carmo no filme Fados, de Carlos Saura.

Em 2009 foi nomeado comissário do Plano Nacional de Leitura [1], cargo que ocupou até Abril de 2017.

Em 2012 publicou a colectânea de poesia Paliativos, numa edição de tiragem reduzida, e em 2016 veio a lume o seu mais recente livro de poesia Manual de Cardiologia (Dom Quixote)

Tem uma filha da escritora Inês Pedrosa, Laura Maria Pereira Pedrosa Pinto do Amaral (Lisboa, 21 de Janeiro de 1998). É primo-irmão do imunologista António A. Coutinho.

Referências

  1. Diário da República, 2.ª série — N.º 251 — 30 de Dezembro de 2009 (http://dre.pt/pdf2sdip/2009/12/251000000/5256952569.pdf)

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]