Estágio oral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Fixação oral)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Uma criança alimentando-se no peito da mãe.

Fixação oral, fase oral,[1] ou ainda estágio oral[2] na psicanálise de Sigmund Freud é o primeiro estágio do desenvolvimento psicossexual humano, no qual a boca é sua primeira zona erógena. A fase oral é caracterizada pela urgência das necessidades, extrema dependência, nenhuma consideração pelos outros e baixa tolerância à frustração e à ansiedade de separação.[1]

Além disso, como é a primeira relação humana do bebê - biológica (nutritiva) e psicológica (emocional) - sua duração depende dos hábitos de criação dos filhos da sociedade materna. Sociologicamente falando, a duração da amamentação infantil é determinada normativamente; em algumas sociedades, é comum que uma criança seja amamentada por sua mãe por vários anos, mas em outros esse período é muito mais curto.

Conceito[editar | editar código-fonte]

Segundo a teoria freudiana, a zona erógena privilegiada na fase oral é a esfera oral e esofágica, sustentada pela atividade motora da sucção. O prazer oral obviamente excede a simples satisfação da fome, sendo a sucção o protótipo do comportamento masturbatório na fase oral.[3]

Freud distingue duas fases pré-genitais, oral/canibal e sádico-anal. Na primeira fase, o propósito sexual está na incorporação do objeto. O ego elege um objeto que ele gostaria de incorporar. Freud identifica a sucção infantil como o ato mais importante da vida infantil, porque satisfaz sua fome e prazer sexual. O segundo estágio sádico-oral está ligado ao desenvolvimento da dentição. Mais tarde a sucção é revivida no beijo e em práticas sexuais, no prazer de fumar e beber ou, se reprimidas, dá origem à desordens alimentares.[3]

Karl Abraham dividiu o estágio oral em dois sub-estágios:[4]

  • O estágio oral inicial ou pré-ambivalente, onde o prazer está relacionado à sucção.
  • O estágio sádico oral-canibal ou oral, onde o prazer está ligado à mordida.

O propósito do impulso oral é a incorporação, que fornece o modo de identificação adequado a essa organização libidinal: as fantasias orais giram em torno de comer ou ser comido.

Os psicanalistas da escola da relação objetal estavam particularmente interessados no estágio oral, Melanie Klein teorizou a mama como objeto oral bom ou ruim (a clivagem anaclítica) e as fantasias associadas a essa organização libidinal.[5] O "fruto social" desse estágio oral é a linguagem, a fala. Ou seja, a criança "sai" desse estágio quando ele pode falar.

Fixação no estágio oral[editar | editar código-fonte]

Enquanto o crescimento físico ocorre de maneira constante, o crescimento psicológico não ocorre sem momentos de estresse e ansiedade. Quando um momento de mudança se aproxima e começa a produzir ansiedade, o ego pode recorrer à estratégia de permanecer no estágio de desenvolvimento presente. Essa defesa é denominada por "Fixação".

Assim, a fixação é o apego permanente da libido a um estágio inicial e mais primitivo de desenvolvimento.[6]

Psicologicamente, Freud (1856-1939) propôs que, se o apetite da criança amamentada fosse frustrado durante qualquer estágio de desenvolvimento libidinal, a ansiedade persistiria na idade adulta como uma neurose (distúrbio mental funcional).[7] Portanto, uma fixação oral infantil (desejo oral) se manifestaria como uma obsessão pela estimulação oral; no entanto, se desmamado cedo demais ou tarde demais, o bebê pode não conseguir resolver os conflitos emocionais do primeiro estágio oral do desenvolvimento psicossexual e pode desenvolver uma fixação oral mal-adaptativa.

A criança que é negligenciada (insuficientemente alimentada) ou que é superprotegida (superalimentada) durante o período de amamentação, pode se tornar uma pessoa com fixação oral. A fixação na fase oral pode ter dois efeitos:

  • A criança negligenciada se torna um adulto psicologicamente dependente que procura a estimulação oral negada na infância, tornando-se uma pessoa manipuladora para garantir o cumprimento de suas necessidades, em vez de amadurecer para a independência;
  • A criança superprotegida pode resistir ao amadurecimento e voltar à dependência de outros para garantir o cumprimento de suas necessidades.

Teoricamente, as fixações na fase oral manifestam-se como tagarelice, tabagismo, estímulo oral contínuo (comer, mastigar objetos) e alcoolismo. Psicologicamente, os sintomas incluem uma personalidade sádica, roer as unhas, práticas sexuais orais (felação, cunilíngua, anilíngua, irrumação), etc.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Desde a apresentação de Freud da teoria do desenvolvimento psicossexual em 1905, nenhuma evidência foi confirmada de que a amamentação prolongada poderia levar a uma fixação na fase oral, nem que ela contribuísse para uma pessoa ficar desajustada ou para desenvolver vícios (psicológicos, fisiológicos). O pediatra Jack Newman propõe que amamentar a criança até que ela escolha desmamar (entre os 2 e os 4 anos de idade) geralmente produz uma pessoa mais segura do ponto de vista psicológico e independente.[8] Contradizendo o conceito freudiano de desenvolvimento psicossexual da fixação na fase oral, o estudo "Duração da Amamentação e Incidência do Tabagismo" (2003), com 87 participantes não relatou relação causal entre o período de amamentação e se uma criança vira ou não uma pessoa que fuma.[9]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Jerald Kay; Allan Tasman; Jeffrey A. Lieberman (2002). Psiquiatria. Editora Manole. p. 49. ISBN 978-85-204-1165-0.
  2. Calvin S. Hall; Gardner Lindzey; John B.Campbell (2000). Teorias da personalidade - 4ed. Artmed. p. 65. ISBN 978-85-363-0789-3.
  3. a b Sigmund Freudm index thematique, Alain Delirieu, page 805-806
  4. Abraham, Karl (1927). A Short Study of the Development of the Libido, Viewed in the Light of Mental Disorders (em inglês). Londres: Hogarth Press. pp. 442–453 
  5. Klein, Melanie (1952). Some Theoretical Conclusions regarding the Emotional Life of the Infant (em inglês). Londres: Hogarth Press. p. 206 
  6. Jess Feist; Gregory J. Feist (2008). Teorias da Personalidade - 6.ed.. p. 36. ISBN 978-85-8055-000-9.
  7. Felluga, Dino. «Modules on Freud: On Psychosexual Development». Purdue University College of Liberal Arts (em inglês). Introductory Guide to Critical Theory. Consultado em 22 de abril de 2019 
  8. Newman, Jack (2005). «Toddler nursing». Handout (em inglês) (21). Consultado em 22 de abril de 2019 
  9. Raith, Erin C. (12 de outubro de 2003). «Duration of Breast-feeding and the Incidence of Smoking» (em inglês). Loyola University New Orleans. Consultado em 22 de abril de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.