Forte da Prainha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura um forte na ilha do Pico, veja Forte da Prainha (São Roque do Pico).

36° 09′ 05,29054″ N, 25° 10′ 07,9187″ O

Forte da Prainha: vista do terrapleno.

O chamado Forte da Prainha localiza-se em uma ponta na extremidade oeste da baía da Praia, no lugar da Prainha, na freguesia da Almagreira, concelho da Vila do Porto, a SSO na ilha de Santa Maria, nos Açores.

Em posição dominante sobre este trecho do litoral, constituiu-se em uma fortificação destinada à defesa deste ancoradouro contra os ataques de piratas e corsários, outrora frequentes nesta região do oceano Atlântico. Cruzava fogos com o Forte de São João Baptista da Praia Formosa.

História[editar | editar código-fonte]

No contexto da Guerra da Sucessão Espanhola (1702-1714) pode ser um dois redutos na baía da Praia sob a designação "O Forte (...), da Praya, e os dous Redutos." na relação "Fortificações nos Açores existentes em 1710".[1]

FIGUEIREDO (1960) assim refere o local e a sua fortificação em 1815: "Logo se segue a Prainha onde fica uma grota e um castello com porto de varar barcos de pesca, aparecem algumas lagostas neste porto."[2] E complementa: "- Dito [forte] na Prainha com duas peças de ferro."[3]

A "Relação" do marechal de campo Barão de Bastos em 1862 informa que se encontra arruinado.[4]

Relativamente preservado pelo seu isolamento, foi ocupado em tempos recentes - possivelmente como vigia à época da Segunda Guerra Mundial, conforme atestam os vestígios de uma estrutura em blocos de cimento no seu terrapleno.

Características[editar | editar código-fonte]

Apresenta planta retangular, em alvenaria de pedra argamassada. Em seus muros rasgam-se cinco canhoneiras. No interior do terrapleno erguia-se uma pequena casa para a guarnição, atualmente desaparecida.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Fortificações nos Açores existentes em 1710" in Arquivo dos Açores, p. 180. Consultado em 8 dez 2011.
  2. FIGUEIREDO, 1960:222.
  3. FIGUEIREDO, 1960:223.
  4. BASTOS, 1997:269.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BASTOS, Barão de. "Relação dos fortes, Castellos e outros pontos fortificados que se achão ao prezente inteiramente abandonados, e que nenhuma utilidade tem para a defeza do Pais, com declaração d'aquelles que se podem desde ja desprezar." in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. LV, 1997. p. 267-271.
  • CASTELO BRANCO, António do Couto de; FERRÃO, António de Novais. "Memorias militares, pertencentes ao serviço da guerra assim terrestre como maritima, em que se contém as obrigações dos officiaes de infantaria, cavallaria, artilharia e engenheiros; insignias que lhe tocam trazer; a fórma de compôr e conservar o campo; o modo de expugnar e defender as praças, etc.". Amesterdão, 1719. 358 p. (tomo I p. 300-306) in Arquivo dos Açores, vol. IV (ed. fac-similada de 1882). Ponta Delgada (Açores): Universidade dos Açores, 1981. p. 178-181.
  • FIGUEIREDO, José Carlos de. "Descripção da Ilha de Sancta Maria por José Carlos de Figueiredo, Tenente Coronel d'Engenheiros, que em 1815 ali foi em Comissão". in revista Insulana, vol. XVI (2º semestre), 1960. p. 205-225.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]