Forte do Baixio de Vila Franca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Forte do Tagarete)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Forte do Tagarete, ilha de São Miguel.
Forte do Tagarete.

O Forte do Baixio de Vila Franca, também designado como Forte do Tagarete, Forte da Areia e Castelo do Baixio, localiza-se no cais do Tagarete, na cidade e concelho de Vila Franca do Campo, na costa sul da ilha de São Miguel, nos Açores.

Em posição dominante sobre este trecho do litoral, constituiu-se em uma fortificação destinada à defesa deste ancoradouro contra os ataques de piratas e corsários, outrora frequentes nesta região do oceano Atlântico. É o último exemplar que subsiste das demais fortificações que integraram a defesa da vila.

História[editar | editar código-fonte]

No contexto da Guerra da Sucessão Espanhola (1702-1714) encontra-se referido como "O Forte de Tagarete." na relação "Fortificações nos Açores existentes em 1710".[1]

No contexto da instalação da Capitania Geral dos Açores, o seu estado foi assim reportado em 1767:

"14.°— Forte do Baxio. Tem 10 canhoneiras e 6 peças, 5 de ferro incapazes e 1 de bronze boa; precisa 9."[2]

Ao final do século XVIII, a Relação dos Castelos e mais Fortes da Ilha de S. Miguel do seu estado do da sua Artelharia, Palamentas, Muniçoens e do q.' mais precizam, pelo major engenheiro João Leite de Chaves e Melo Borba Gato, informava:

"Castelo do Baxio - No meio da V.a, p.a defença do Porto da mesma, chamado o Tagarete, q.' defende com tiros rectilinios, flanquea 2 praias lateraes, auxilia defença do boquete do Ilheo com tiros razantes a sua entrada; conserva-se em bom estado, tem 10 canhoneiras, e 3 peças, hua das q.es só montada: palamentas e munições nada."[3]

SOUSA (1995), em 1822, ao descrever o porto de Vila Franca do Campo refere: "(...) A defesa do porto é de um castelo de 10 peças, e dum Regimento de Milícia Nacional, que toma o nome da vila. (...).".[4]

Com uma parte das muralhas aberta e o seu terrapleno utilizado como abrigo para embarcações de boca do porto de pesca,[5] a estrutura chegou aos nossos dias em relativo estado de conservação.

O projeto de recuperação[editar | editar código-fonte]

Em 2012 a Câmara Municipal de Vila Franca do Campo pretende recuperar o antigo forte, requalificando-o como "Centro de Interpretação do Ilhéu de Vila Franca do Campo". O projeto está orçado em 2 milhões de euros, assinado pelo arquiteto Manuel Aires Mateus. Para financiá-lo, a Câmara pretende candidatar-se a fundos comunitários do programa PROCONVERGÊNCIA, assim como busca parcerias que garantam a sua parte no financiamento.[6][7]

Características[editar | editar código-fonte]

De planta pentagonal, em aparelho de pedra irregular, apresenta dois pequenos torreões de planta circular pelo lado do mar. Em seus muros rasgavam-se, primitivamente, dez canhoneiras.

Referências

  1. "Fortificações nos Açores existentes em 1710" in Arquivo dos Açores, p. 179. Consultado em 8 dez 2011.
  2. JÚDICE, 1981:410.
  3. BORBA GATO, 2000.
  4. Op. cit., p. 73.
  5. CYMBRON, 1991:533-534.
  6. MELO, Ana Carvalho. "Forte acolhe futuro centro de interpretação do ilhéu". in Açoriano Oriental, 12 dez 2011, p. 3.
  7. Recuperação do Forte do Tagarete in SIA arquitectura. Consultado em 14 jan 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BORBA GATO, João Leite de Chaves e Melo. "Proposta de Plano Defensivo de São Miguel, e Situação da Fortificação e da Artilharia da Ilha" (Arquivo Histórico Ultramarino). in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. LVIII, 2000.
  • CASTELO BRANCO, António do Couto de; FERRÃO, António de Novais. "Memorias militares, pertencentes ao serviço da guerra assim terrestre como maritima, em que se contém as obrigações dos officiaes de infantaria, cavallaria, artilharia e engenheiros; insignias que lhe tocam trazer; a fórma de compôr e conservar o campo; o modo de expugnar e defender as praças, etc.". Amesterdão, 1719. 358 p. (tomo I p. 300-306) in Arquivo dos Açores, vol. IV (ed. fac-similada de 1882). Ponta Delgada (Açores): Universidade dos Açores, 1981. p. 178-181.
  • CYMBRON, José Carlos M., "A situação actual do património histórico-militar dos Açores", in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. XLIX, 1991, pp. 529–536.
  • JÚDICE, João António. "Relatório do Engenheiro João António Júdice, sobre as fortificações da ilha terceira e da ilha de S. Miguel" (Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Papéis do Ministério do Reino, Maço 611). in Arquivo dos Açores, vol. V (ed. fac-similada de 1883). Ponta Delgada (Açores): Universidade dos Açores, 1981. pp. 407–418.
  • SOUSA, João Soares de Albergaria de. Corografia Açórica: Descrição Física, Política e Histórica dos Açores. Ponta Delgada (Açores): Jornal de Cultura, 1995. 142p. ISBN 972-755-013-4
  • VIEIRA, Alberto. "Da poliorcética à fortificação nos Açores: introdução ao estudo do sistema defensivo nos Açores nos séculos XVI-XIX". in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. XLV, tomo II, 1987.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]