Franc Miklošič

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Franc Miklošič
Nascimento 20 de novembro de 1813
Radomerščak
Morte 7 de março de 1891 (77 anos)
Viena
Sepultamento Cemitério Central de Viena
Cidadania Áustria
Alma mater
Ocupação linguista, bibliotecário, pedagogo, escritor, professor, filósofo, advogado, jurista, eslavista, filólogo, político
Prêmios
Empregador Universidade de Viena, Universidade de Graz

Franc Miklošič (em alemão: Franz Ritter von Miklosich; Radomerščak, 20 de novembro de 1813Viena, 7 de março de 1891) foi um filólogo esloveno.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Miklosich nasceu na pequena vila de Radomerščak, perto da cidade de Ljutomer, na Baixa Estíria, então parte do Império Austríaco. Ele se formou na Universidade de Graz com um diploma de doutor em filosofia.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ele foi professor de filosofia na Universidade de Graz. Em 1838, foi para a Universidade de Viena, onde recebeu o grau de doutor em direito. Durante seus estudos, ele foi influenciado pelas obras do filólogo e linguista esloveno Jernej Kopitar. Ele abandonou a lei, dedicando a maior parte de sua vida ao estudo das línguas eslavas.[1]

Em 1844, obteve um cargo na Biblioteca Imperial de Viena, onde permaneceu até 1862. Em 1844, publicou uma resenha do livro Gramática Comparativa de Franz Bopp, que atraiu a atenção do meio acadêmico vienense. Esta publicação lançou então uma longa série de trabalhos, nos quais Miklosich mostrou uma imensa erudição. Suas obras levaram a uma mudança revolucionária no estudo das línguas eslavas.

Em 1849, Miklosich foi nomeado para a recém-criada cadeira de filologia eslava na Universidade de Viena, e ocupou-a até 1886. Tornou-se membro da Academia de Viena, que o nomeou secretário de sua seção histórica e filosófica, membro da o conselho de instrução pública e da câmara alta, e correspondente da Academia Francesa de Inscrições e Humanidades. Seus numerosos escritos tratam não apenas das línguas eslavas, mas também do romeno, aromeno, albanês, grego e romani.[1][2]

De 1872 a 1880, Miklosich publicou sua pesquisa original dos dialetos Romani, Über die Mundarten und Wanderungen der Zigeuner Europas. Este trabalho incluiu uma discussão sobre suas origens, rotas de migração, uma gramática histórico-comparativa e um léxico. Ele identificou um elemento grego substancial que era compartilhado pelos dialetos romanos, e assim chamou uma "área de língua grega" como a "pátria europeia dos ciganos".[3]

Em 1883, por ocasião do seu 70º aniversário, recebeu uma medalha encomendada pela Academia Austríaca de Ciências.[4]

Engajamento político[editar | editar código-fonte]

Na primavera das nações de 1848, Miklosich, que tinha 35 anos na época, engajou-se ativamente no movimento nacional esloveno. Ele era o presidente da associação política, chamada Slovenija (Eslovênia), organizada por estudantes eslovenos que estudaram em Graz e Viena. Junto com Matija Majar e Lovro Toman, ele estava entre os autores que elaboraram a demanda política por uma Eslovênia Unida. Após o fracasso dos pedidos revolucionários, ele voltou a se dedicar a uma atividade exclusivamente acadêmica.

Bibliografia selecionada[editar | editar código-fonte]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Franz Miklosich (Lemma by Katja Sturm-Schnabl, p. 186–193) in: Marija Mitrović, Die Geschichte der slowenischen Literatur von den Anfängen bis zur Gegenwart. Aus dem Serbokroatischen übersetzt, redaktionell bearbeitet und mit ausgewählten Lemmata und Anmerkungen ergänzt von Katja Sturm-Schnabl. Klagenfurt: Mohorjeva-Hermagoras, 2001. ISBN 978-3-85013-834-5 - hermagoras.at.
  • Walter Lukan (ed.): Franz Miklosich (Miklošič): neue Studien und Materialien anläßlich seines 100. Todestages. Vienna 1991 (= Österreichische Osthefte: Sonderheft 33).
  • Katja Sturm-Schnabl, Der Briefwechsel Franz Miklosich's mit den Südslaven = Korespondenca Frana Miklošiča z Južnimi Slovani, Obzorja, Maribor 1991, XXIV, 855 S., ISBN 86-377-0565-0.
  • Katja Sturm-Schnabl, Franz Miklosich als Wegbegleiter bei der Entstehung der ukrainischen Schriftsprache. In: Juliane Besters-Dilger, Michael Moser, Stefan Simonek (eds.), Sprache und Literatur der Ukraine zwischen Ost und West – Мова та література України між сходом і заходом. Bern: Lang 2000, 195–209.
  • Katja Sturm-Schnabl, Franz Miklosich – ein "Europäer" im 19. Jahrhundert. Short version inst.at
  • Katja Sturm-Schnabl, Fran Miklošič, An Early Visionary of European Integration in Philological Studies. The Difficult Path Towards the Acceptance of the Concept of Diversity and Plurality. cf.hum.uva.nl
  • Katja Sturm-Schnabl, Aktualnost Miklošičevega znanstvenega dela in misli. In: Jezikoslovni zapiski. Glasilo Inštituta za slovenski jezik Frana Ramovša ZRC SAZU 10.2 (2004), 19–46.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b One or more of the preceding sentences incorporates text from a publication now in the public domain: Chisholm, Hugh, ed. (1911). "Miklosich, Franz von". Encyclopædia Britannica. 18 (11th ed.). Cambridge University Press. p. 437
  2. Štefe, Tomaž (2009). "Veliki Slovenci: Franc Miklošič" [Great Slovenes: Franz Miklosich]. Moja Slovenija [My Slovenia] (in Slovenian). Archived from the original on 2011-06-25
  3. «ROMANI Project - Manchester». romani.humanities.manchester.ac.uk. Consultado em 7 de março de 2021 
  4. hdl.handle.net S. Krmnicek und M. Gaidys, Gelehrtenbilder. Altertumswissenschaftler auf Medaillen des 19. Jahrhunderts. Begleitband zur online-Ausstellung im Digitalen Münzkabinett des Instituts für Klassische Archäologie der Universität Tübingen, in: S. Krmnicek (Hrsg.), Von Krösus bis zu König Wilhelm. Neue Serie Bd. 3 (Tübingen 2020), 32–34.


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.