Francisco Martins Sarmento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francisco Martins Sarmento
Martins Sarmento.
Nascimento 9 de março de 1833
Guimarães, Portugal
Morte 9 de setembro de 1899 (66 anos)
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Escritor e arqueólogo

Francisco Martins de Gouveia de Morais Sarmento (Guimarães, 9 de março de 1833 — Guimarães, 9 de agosto de 1899) foi um notável arqueólogo e escritor português.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Francisco Joaquim de Gouveia de Morais Sarmento e de sua mulher Joaquina Cândida de Araújo Martins da Costa, tia materna do 1.° Visconde de Margaride e 1.° Conde de Margaride.

Formado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, dedicou-se com grande paixão ao estudo da arqueologia. Fez a exploração intensa e metódica da citânia de Briteiros e Sabroso, perto de Guimarães (1874-1879), junto à Casa da Ponte, onde morou.[1]

Cultivou também a poesia e colaborou em revistas e jornais científicos. Encontra-se colaboração da sua autoria nas revistas Renascença [2] (1878-1879?) e O Pantheon[3] (1880-1881) e no semanário Branco e Negro [4] (1896-1898).

Entre as suas obras contam-se: Os Argonautas; Ora Marítima; Lusitanos, Lígures e Celtas.

No museu da Sociedade Martins Sarmento em Guimarães conserva-se uma grande parte dos objectos arqueológicos por si encontrados.

Existe uma escola secundária com o seu nome em Guimarães. Em 1933 a Câmara Municipal de Lisboa homenageou o escritor dando o seu nome a uma rua na Penha de França.[5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Monumento a Martins Sarmento (Guimarães)
  • José Ramiro PIMENTA (2007) - O Lugar do Passado em Martins Sarmento. Geo-historiografia do programa de investigação arqueológica da *Cultura Castreja (1876-1899). Tese de doutoramento apresentada à Universidade do Minho (12 de Novembro de 2007) *link.
  • José Ramiro PIMENTA (2008) - O Lugar do Passado em Martins Sarmento. Porto: Figueirinhas.

Referências

  1. a b «Paróquia de Briteiros (São Salvador)». Arquivo Municipal Alfredo Pimenta. Consultado em 26 de Março de 2014. 
  2. Helena Roldão (03 de outubro de 2013). «Ficha histórica: A renascença : orgão dos trabalhos da geração moderna» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 31 de março de 2015. 
  3. Helena Roldão (25 de Maio de 2013). «Ficha histórica: O pantheon: revista de sciencias e lettras (1880-1881)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 09 de Fevereiro de 2015. 
  4. Rita Correia (01 de Fevereiro de 2012). «Ficha histórica: Branco e Negro : semanario illustrado (1896-1898)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 21 de Janeiro de 2015. 
  5. https://www.facebook.com/423215431066137/photos/pb.423215431066137.-2207520000.1448289668./768016736586003/?type=3&theater

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.