Francisco de Portugal, 8.º conde de Vimioso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde fevereiro de 2014). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Disambig grey.svg Nota: Se procura outro nobre português com o mesmo nome, veja Francisco de Paula de Portugal e Castro.

D. Francisco de Paula de Portugal e Castro (Lisboa, 25 de Janeiro de 1679 - 10 de Setembro de 1749) foi um nobre português, 8.° Conde de Vimioso e 2.° Marquês de Valença. O seu nome completo ora aparece como D. Francisco de Paula de Portugal e Castro ora como D. Francisco Paulo de Portugal e Castro. Para obviar dificuldades melhor optar, seguindo nobiliários e referências académicas, por nomea-lo D. Francisco de Portugal; igualmente, tendo em conta que o 1º marquês de Valença foi o embaixador D. Afonso de Portugal em 1451 de quem descendiam os condes de Vimioso, também o consideramos 2º marquês, ainda que verdadeiramente D. Francisco seja o 1º em tempos modernos. Era filho de D. Miguel de Portugal (1631-1681) 6º conde de Vimioso em 1655, casado com sua prima D. Maria Margarida de Castro de Albuquerque, senhora de Basto, filha de D. Joana de Castro e de Duarte de Albuquerque Coelho, senhor da Capitania de Pernambuco, mas não deixaram geração. D. Miguel teve de D. Antonia de Bulhão, «donzela nobre e limpa que depois foi freira em Santa Ana de Lisboa, dois bastardos legitimados, um deles justamente D. Francisco de Portugal. Tais dados constam da «Historia Genealógica da Casa Real Portuguesa», tomo 10 página 457 e não são nada fantasiosos, aliás.

Casou-se com D. Francisca Rosa de Menezes Coutinho (n. 3 de Setembro de 1686), filha de Manuel Teles da Silva, 1º marquês de Alegrete. Desde cedo se dedicou aos clássicos e à história. Trabalhava na sua livraria seis horas diárias e dedicava-se à assistência no Paço, não tendo desamparado D. João V de Portugal durante a doença, ao exercício da caridade e às devoções religiosas, sobretudo à do Desagravo do Sacramento, o que não o impedia de de ser grande apreciador da comédia espanhola. No seu palácio havia representações numerosas, e levava as suas predileções e generosidade ao ponto de pagar 600 mil réis por um original.

A linha essencial no seu espírito, entretanto, era a de moralista, "português velho": prova bastante a «Instrução para o filho» 1745, notável pela qualidade do estilo; o «Elogio fúnebre de Belchior Rego de Andrade» 1738. O amor pelas comédias e a hostilidade ao espírito francês na linha que vem de Descartes o fez publicar em 1747 a «Crítica à famosa tragédia do Cid composta por Pedro Cornelli e reparos feitos a ela», já tendo composto em 1739 um «Discurso apologético em defesa do teatro espanhol». À crítica respondeu Alexandre de Gusmão e o Marquês publicou em 1748 sua «Resposta do Marquês de Valença aos reparos de um anônimo à critica que fez à famosa tragédia do Cid».

Gusmão iniciava, dizendo que «enquanto a eloquência do Senhor Marquês de Valença se contentava com ser defensora do Teatro Espanhol, protestando que não seria acusadora do Francês, contentava-me eu com ver ir nascendo na nossa terra um gosto menos depravado do que o que Sua Excelência defendia», «mas ao ver que o marquês insiste que aquela nação não tem poesia, devo-lhe dizer com sinceridade de Português Velho que o teatro espanhol é hoje o mais defeituoso, os favorecidos castelhanos cheios de puerilidades e que mil jogos de palavras desacreditam os sentimentos de todos os seus heróis; e que o francês se pode comparar com os de Atenas e da antiga Roma. Nas obras de teatro os Poetas devem observar as três unidades da ação, lugar e tempo; devem seguindo sempre a Natureza como mestre representar-nos ao vivo as paixões humanas; acomodar às idades e aos sexos o que só lhes convem; fazer um retrato natural dos costumes; proporcionar a frase com as diferentes situações de alegria, esperança, aflição, terror, desesperação, etc; devem tratar os assuntos cômicos com o jocoso do Socco e os trágicos com a dignidade de Coturno», etc.

Precedido por:
Miguel I, 7º conde de Vimioso
8.º Conde de Vimioso
?-1749
Sucedido por:
José I, 3º marquês de Valença
Precedido por:
Afonso de Bragança
Armas duques cadaval.png
2.° Marquês de Valença

?-1749
Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.