Franco Berardi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Franco Berardi
Nome completo Franco Berardi
Nascimento 1949
Bolonha
Nacionalidade Flag of Italy.svg italiano
Ocupação escritor

Franco Berardi, mais conhecido por Bifo (Bolonha, 1949), é um filósofo, escritor e agitador cultural italiano. Oriundo do movimento operaísta, foi professor secundário em Bolonha e sempre se interessou sobre a relação entre o movimento social anticapitalista e a comunicação independente.

História[editar | editar código-fonte]

Aos quatorze anos, Bifo inscreve-se na Federazione Giovanile Comunista Italiana (FGCI), da qual é expulso três anos depois, sob a alegação de "fracionismo". Participa do movimento de 1968 na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Bolonha, onde se graduou em Estética sob a supervisão de Luciano Anceschi.

Adere ao grupo extraparlamentar Potere Operaio (PO) do qual se torna uma figura destacada em nível nacional e na década de 1960 e no início dos anos 1970, participa do movimento anarco-sindicalista italiano.

Tendo abandonado o PO antes da fragmentação do movimento, entre 1973 e 1974, Berardi passou a fazer parte da ala mais criativa do movimento Autonomia Operaia, voltada a experimentos com mídia e produção cultural.

Em 1976, foi um dos fundadores da Radio Alice em Bolonha, a primeira rádio livre italiana, considerada um marco dos movimentos autonomistas. A rádio foi fechada em 1977 com o apoio do PCI.

Entre 1976 e 1981, Berardi foi um dos editores da revista A/traverso, que combinava maoísmo e surrealismo numa crítica cultural antiautoritária.

Com a repressão ao movimento autonomista, em fins da década de 1970, Bifo refugiou-se em Paris, onde trabalhou com Felix Guattari e colaborou com o periódico Chimeres.

Na década de 1980, retorna por curto período à Itália e muda-se para Nova York, tendo desde então colaborado com com ensaios para várias publicações, tais como as revistas Semiotext[e] e Musica 80 de Milão. Neste período, viajou por México, Índia, China e Nepal e especulou sobre a explosão da telemática e seu impacto social e cultural.

No fim dos anos 1980, retorna a Bolonha e, em 1991, participa como protagonista do documentário Il trasloco de Renato De Maria, produzido pela RAI.

Em 2000, funda, com Matteo Pasquinelli, o "ambiente de rede" Rekombinant e, em 2002, cria a Orfeo TV, a primeira tv comunitária italiana, sobre a qual sairia o livro Telestreet-Macchina imaginativa non omologata.

Atualmente leciona no Istituto Aldini Valeriani, uma instituição de ensino médio de Bolonha, e na Academia de Belas Artes de Brera, Milão, além de escrever regularmente para o jornal Liberazione, órgão oficial da Rifondazione Comunista, e produzir o list-blog Rekombinant .

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Contro il lavoro. 1970.
  • (ed.). Primavera ’77. Roma, Stampa Alternativa, 1977.
  • Chi ha ucciso Majakovskij. Milão, Squi/libri, 1977.
  • L'ideologia francese: contro i nuovi filosofi. 1977.
  • Finalmente il cielo è caduto sulla terra. Milão, Squi/libri, 1978.
  • Dell’innocenza: interpretazione del '77. Bolonha, Agalev, 1987.
  • Presagi. L'arte e l'immaginazione negli anni ottanta. 1988.
  • Come si cura il nazi. Castelvecchi, 1993. ISBN 9788886232005.
  • Mutazione e cyberpunk. Immaginario e tecnologia negli scenari di fine millennio. Costa & Nolan, 1994. ISBN 9788876481604.
  • Come si cura il nazi. Castelvecchi, 1994.
  • Neuromagma. Lavoro cognitivo e infoproduzione. Castelvecchi, 1995. ISBN 9788886232494.
  • Ciberfilosofia. 1995.
  • Dell'innocenza. 1977: l'anno della premonizione. Verona, Ombre Corte, 1997. ISBN 9788887009033.
  • Exit. il nostro contributo all'estinzione della civiltà. Costa & Nolan, 1997. ISBN 9788876482885.
  • La nefasta utopia di Potere operaio. Castelvecchi, 1998. ISBN 888210057X.
  • Franco Berardi Bifo, E. "Gomma" Guarneri (eds.). Alice è il diavolo. storia di una radio sovversiva, 2002. (+ CD com as gravações originais de 1976 e 1977), Shake edizioni.
  • La fabbrica dell'infelicità: new economy e movimento del cognitariato. Roma, DeriveApprodi, 2001. ISBN 9788887423518.
  • Felix. Narrazione del mio incontro con il pensiero di Guattari, cartografia visionaria del tempo che viene. Luca Sossella Editore, 2001. ISBN 9788887995169.
  • Franco Berardi; Veronica Bridi (eds.). 1977, l'anno in cui il futuro incominciò. Fandango Libri, 2002. ISBN 9788887517262.
  • Un'estate all'inferno. Luca Sossella Editore, 2002. ISBN 9788887995350.
  • Franco Berardi; Marco Jacquemet; Giancarlo Vitali. Telestreet. Macchina immaginativa non omologata. Baldini Castoldi Dalai, 2003. ISBN 9788884904676.
  • Il sapiente, il mercante, il guerriero. Dal rifiuto del lavoro all'emergere del cognitariato. Roma, DeriveApprodi, 2004. ISBN 9788888738321.
  • Da Bologna (serie A) a Bologna (serie B). 2005.
  • Skizomedia. Trent'anni di mediattivismo. Roma, DeriveApprodi, 2006. ISBN 9788889969007.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Documentário[editar | editar código-fonte]

  • Il Trasloco (1991), dirigido por Renato De Maria.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]