Franz Welser-Möst

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Franz Welser-Möst conduzindo a Orquestra de Cleveland

Franz Welser-Möst (16 de agosto de 1960) é um maestro austríaco, atual diretor musical da Orquestra de Cleveland e da Ópera Estatal de Viena.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Franz Leopold Maria Möst nasceu em Linz, Áustria e estudou com o compositor Balduin Sulzer. Enquanto jovem, em Linz, ele estudou violino e desenvolveu interesse em regência. Após sofrer um acidente automobilístico, que o deixou com problemas em um nervo, ele parou seus estudos de violino e dedicou-se integralmente aos estudos de regência[1] .

Em 1985, Möst assumiu o nome Welser-Möst em sugestão do seu mentor, Barão Andreas von Bennigsen de Liechtenstein, fazendo referência a cidade onde ele cresceu: Wels[2] [3] . Em 1986, ele foi adotado por von Bennigsen. Em 1992, Welser-Möst casou-se com a filha de Bennignse, Angelika[4] [5] [6] . Suas maiores estreias foram no Festival de Salzburgo em 1985, seguida de uma atuação com a Filarmônica de Londres em 1986 e com a Orchester Musikkollegium Winterthur em 1988. Outras aparições como maestro convidado, que marcaram seus cinco primeiros anos de carreira foram: sua estreia americana com a Orquestra Sinfônica de Saint Louis em 1989, performances com a Orquestra Sinfônica de Boston, Orquestra Sinfônica de Atlanta, Filarmônica de Nova Iorque e Orquestra Sinfônica de Chicago, retornando com frequência a Filarmônica de Londres. Em 1990, Welser-Möst tornou-se o Maestro Residente da Filarmônica de Londres[7] . Sua gestão com a orquestra foi marcada por controvérsias, com críticas londrinas fazendo referência ao seu nome "Frankly Worse thans Most"[4] . Ele concluiu seus trabalhos em 1996.

De 1995 a 2000 ele foi o Diretor Musical da Casa de Ópera de Zurique. Lá, ele conduziu 27 novas performances como também reviveu inúmeros trabalhos. Seu mais notável trabalho inclui o Der Ring des Nibelungen de Richard Wagner. Ele tornou-se o Diretor Musical Geral da Ópera de Zurique em setembro de 2005, com um contrato original até 2011. Mas Welser-Möst retirou-se da companhia antes, em julho de 2008, após ter aceito o mesmo cargo com a Ópera Estatal de Viena.

Welser-Möst tornou-se o Diretor Musical da Orquestra de Cleveland na temporada 2002/2003, com um contrato inicial de 5 anos. Em sua última temporada a frente da orquestra, seu contrato foi prolongado para mais 5 anos. Em junho de 2008, a orquestra anunciou outra extensão no contrato, assim Welser-Möest permanecerá na orquestra até a temporada de 2017/2018[8] [9] .

Em 6 de junho de 2007, o governo austríaco anunciou que Welser-Möst seria o novo Diretor Musical (Generalmusikdirektor) da Ópera Estatal de Viena, começando em setembro de 2010[10] [11] . E tornou-se membro honorário do Wiener Singverein[12] .

Welser-Möst conduziu o Concerto de Ano Novo de Viena de 2011[13] .

Ópera Estatal de Viena[editar | editar código-fonte]

Welser-Möst fez sua estreia na Ópera Estatal de Viena em 1987, substituíndo o maestro italiano Claudio Abbado, na regência de L'italiana in Algeri de Gioachino Rossini. Mais de dez anos depois, Welser-Möst retornou a companhia para conduzir Tristan und Isolde de Richard Wagner. Em dezembro de 2006 ele conduziu a nova produção de Arabella, de Richard Strauss]] em Viena e posteriormente, conduziu Der Ring des Nibelungen e Tannhäuser de Richard Wagner.

Welser-Möst começou sua temporada em Viena conduzindo a produção de Tannhäuser de Franco Zeffirelli. Em outubro de 2010, ele conduziu a nova produção de Cardillac de Paul Hindemith, seguido das novas produção de Don Giovanni e Le nozze di Figaro (Wolfgang Amadeus Mozart) e finalmente Káťa Kabanová (Leoš Janáček)[14] .

Referências

  1. Ivan Hewitt (18 August 2005). "Why all those insults made me stronger". Telegraph [S.l.: s.n.] Consult. 5 October 2008. 
  2. ""Was glauben Sie?" – Der Dirigent Franz Welser-Möst" (em German). ORF Religion. 25 February 2006. Consult. 4 September 2007. 
  3. "Der Auslandsösterreicher des Jahres 2001–Franz Welser-Möst" (PDF). ROTWEISSROT (em German). Auslandsösterreicher-Weltbund [S.l.] January 2003. Consult. 4 September 2007. 
  4. a b Lebrecht, Norman (12 February 2004). "Franz Welser-Möst — The conductor they loved to hate". La Scena Musicale [S.l.: s.n.] Consult. 4 September 2007. 
  5. Lebrecht, Norman (16 August 2000). "He might be smiling now… — Franz Welser-Möst Returns to Conduct the Proms". La Scena Musicale [S.l.: s.n.] Consult. 4 September 2007. 
  6. Naredi-Rainer, Ernst (27 June 2006). "Schwierige Annäherung an Wien". NEUE Vorarlberger Tageszeitung (em German). [S.l.: s.n.] Consult. 4 September 2007. 
  7. Nicholas Kenyon (15 March 1992). "A Young Conductor Starts at the Top". New York Times [S.l.: s.n.] Consult. 3 November 2007. 
  8. Donald Rosenberg and Zachary Lewis (6 June 2008). "Cleveland Orchestra extends Welser-Most's contract until 2018, plans staged operas". Cleveland Plain Dealer [S.l.: s.n.] Consult. 7 June 2008. 
  9. James R. Oestreich (7 June 2008). "Cleveland Orchestra Extends Music Director’s Contract". New York Times [S.l.: s.n.] Consult. 7 June 2008. 
  10. Pelinka, Nikolaus (6 June 2007). "Kulturministerin Claudia Schmied: "Dominique Meyer wird 2010 Direktor der Wiener Staatsoper"" (em German). Bundesministerium für Unterricht, Kunst und Kultur. Consult. 4 September 2007. 
  11. Westphal, Matthew (6 June 2007). "Vienna State Opera Appoints Dominique Meyer Its Next Director, with Franz Welser-Möst as Music Director". Playbill Arts [S.l.: s.n.] Consult. 16 July 2007. 
  12. Dr. Reiber. "Wiener Singverein" (Microsoft Word) (em German). Wiener Singverein. Consult. 30 August 2008. 
  13. "New Year's Concert 2011 with Franz Welser-Möst", Vienna Philharmonic, retrieved 1 Jan 2011.
  14. ""Für Eliten soll man sich nicht schämen"". Kurier [S.l.: s.n.] 6 December 2008. Consult. 9 December 2008.  [ligação inativa]