Gêrmia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Gêrmia (em latim: Germia) foi uma cidade greco-romana situada na Anatólia Central, na província romana tardia da Galácia Secunda.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Do reinado do imperador Justiniano (r. 527–565), que dirigia-se para a cidade para banhar-se nas termas locais, Gêrmia ficou conhecida como Miriângelos (em grego: Μυριάνγελοι; transl.: Myriángeloi , lit. "Miríada de Anjos") devido seu celebrado santuário dedicado a São Miguel Arcanjo e os santos Anjos. As ruínas do santuário bizantino, bem como os restos das termas e da pousada erigidas por Justiniano, estão localizadas na vila de Gümüşkonak, formalmente conhecida como Yörme, 8 quilômetros ao sul de Günyüzü, na província de Esquiceir.[2][3]

Sé episcopal[editar | editar código-fonte]

No século VI, o geógrafo Hiérocles mencionou Gêrmia como um bispado. Desde aproximada 650 ela foi uma arquidiocese autônoma, um estatuto por ela mantido no século IX e também sob os imperadores Leão VI, o Sábio (r. 886–912), Constantino VII Porfirogênito (r. 913–959) e Aleixo I Comneno (r. 1081–1118). Tornou-se uma sé metropolitana autocéfala pelo tempo de Miguel VIII Paleólogo (r. 1259–1282), Andrônico II (r. 1282–1328) e Andrônico III (r. 1328–1341), mas desapareceu logo depois.[2] É atualmente listada dentre as sés titulares da Igreja Católica.[1]

Referências

  1. a b Vaticano 2013, p. 902.
  2. a b «Germia» (em inglês). Consultado em 26 de abril de 2014 
  3. Mango 1986, p. 117-132.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Mango, Cyril (1986). «The Pilgrimage Centre of St. Michael at Germia». Jahrbuch der Österreichischen Byzantinistik. 36: 117-32