Galácia (província romana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Galácia Secunda)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Provincia Galatia
ἐπαρχία Γαλατία
Província da Galácia
Província do(a) Império Romano
 
25 a.C.–293
 


Provinciaromana-Galacia-pt.svg
Província da Galácia por volta de 120 d.C.
Capital Ancira
Período Antiguidade Clássica

Galácia era o nome de uma província do Império Romano na Anatólia (na moderna Turquia).

História da região[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Galácia

A história desta região, a partir do século III a.C., mostra que houve muitas mudanças nas fronteiras e nas afiliações políticas desta região estratégica. Parece que, por volta de 278, um grande número de celtas da Gália ou gauleses, que os gregos chamavam de Galátai (daí o nome desta região), atravessaram o Estreito do Bósforo e se estabeleceram nesta região. Trouxeram consigo suas esposas e seus filhos, e evidentemente evitavam casar-se com o povo já existente ali, perpetuando assim suas características raciais durante séculos. Eles ainda falavam sua língua gálata, de origem celta, no tempo de Jerônimo (347–420 d.C.), o qual descreveu que os gálatas de Ancira e o povo de Tréveris (localizada no que é hoje a Renânia alemã) falavam uma língua muito semelhante. Seu último rei da Galácia, Amintas, morreu em 25 a.C..

Província de Augusto[editar | editar código-fonte]

Foi durante o reinado de Amintas como títere do Império Romano, e posteriormente, que a região denominada Galácia foi ampliada para incluir partes da Licônia, da Pisídia, da Paflagônia, do Ponto e da Frígia. Com a morte de Amintas, a região organizada como uma província pelo imperador Augusto (r. 27 a.C.14 d.C.). A nova província abrangia a maior parte do antigo reino celta da Galácia e que tinha sua capital em Ancira. Ela era limitada por outras províncias romanas — em parte pela Capadócia, ao leste, pela Bitínia e Ponto, ao norte, pela Ásia ao oeste e pela Panfília, ao sul.

Foi ali que o apóstolo Paulo e outros missionários cristãos evangelizaram diversas cidades no século I, tais como Icônio, Listra e Derbe e nas quais organizaram as primeiras comunidades cristãs locais.

Paulo escreveu uma epístola às comunidades cristãs da Galácia, a Epístola aos Gálatas.

Governantes[editar | editar código-fonte]

Reformas[editar | editar código-fonte]

Provincia Galatia Prima
Provincia Galatia Secunda
ἐπαρχία Γαλατία
Província da Galácia Prima
Província da Galácia Secunda
Província do(a) Império Romano e do Império Bizantino
 
293século VII

Dioecesis Pontica 400 AD-pt.svg
As duas províncias gálatas estão indicadas neste mapa da Diocese do Ponto (c. 400)
Capital Ancira (Prima)
Pessino (Secunda)
Líder Consular (Prima)
Praeses (Secunda)

Período Antiguidade Tardia
293 Reformas de Diocleciano
século VII Adoção dos sistema temático

Durante as reformas de Diocleciano (284–304), porções no norte e sul da província foram destacadas e passaram a fazer parte das novas províncias da Paflagônia e Licônia respectivamente.

Em 398, durante o reinado de Arcádio, ela foi novamente dividida, desta vez em duas novas províncias chamadas de Galácia Prima (ou Galácia I) e Galácia Secunda (ou Galácia II, também chamada de Galácia Salutar). A Galácia Prima abrangia a região norte da antiga província, tinha Ancira como capital e era governada por um consular (consularis). A Galácia Secunda, por sua vez, abrangia a região sul e era liderada por um praeses a partir da cidade de Pessino. Ambas foram subordinadas à Diocese do Ponto, da Prefeitura pretoriana do Oriente. Elas foram brevemente reunidas novamente por Justiniano I (536–548), mas as províncias só deixaram de existir de fato quando a região foi incorporada pelo novo Tema Anatólico na segunda metade do século VII. Apesar disso, traços da antiga administração provincial ainda perduraram até pelo menos o início do século VIII.

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província da Galácia que aparecem no Anuário Pontifício como sés titulares são[1]:

Referências

  1. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013