Macedônia romana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Macedónia romana)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Macedônia.
Provincia Macedonia
Província da Macedónia
Província do(a) Império Romano
 
 
 
146 a.C.-395
 

 

 


Provinciaromana-Macedonia-pt.svg
Província da Macedónia em 117
Capital Salonica

Período Antiguidade Clássica e Antiguidade Tardia
146 a.C. Região anexada depois da Quarta Guerra Macedônica
15 Abolida por Tibério
44 Recriada por Cláudio
395 Reformas de Diocleciano

Macedónia (pt) ou Macedônia (pt-BR) foi o nome de diversas províncias romanas na região da Macedónia, que se estendia desde o mar Adriático, no Oeste, até o mar Egeu, no Leste, e ficava ao Norte da Acaia. Embora tenha muitas planícies férteis, é principalmente uma região montanhosa. Antigamente, a Macedónia servia de elo vital entre o Leste e o Oeste. A via Egnácia, construída pelos romanos, ia desde Dirráquio (moderna Durrës, na Albânia), na costa oeste da península Balcânica, até Neápolis (atual Cavala, Grécia), na costa leste, e mais além.

História[editar | editar código-fonte]

Velho Epiro[editar | editar código-fonte]

Velho Epiro (em latim: Epirus Vetus) foi uma província do Império Romano que corresponde à região de Epiro. Sua capital[1] era Nicópolis, uma cidade fundada por Otaviano para comemorar sua vitória sobre Marco Antônio e Cleópatra em Áccio.

Ela foi extinta quando a província da Macedônia foi criada em 146 a.C.

Província da Macedónia[editar | editar código-fonte]

A Macedónia continuou a ser governada pela dinastia antigônida, até ser anexada ao Império Romano. Em 146 a.C., tornou-se província romana e incorporou o território da antiga província do Velho Epiro. Em 15 d.C., o imperador Tibério (r. 14–37) a extinguiu e anexou seu território ao da Acaia ao sul, e ao da Mésia ao norte, formando uma província imperial sob o legado da Mésia. Todavia, em 44 d.C., Cláudio (r. 41–54) devolveu a Macedônia ao Senado sob a jurisdição de um governador romano.

Cristianismo primitivo[editar | editar código-fonte]

A Macedónia foi a primeira região da Europa a ser visitada pelo apóstolo Paulo de Tarso na sua segunda viagem missionária. Enquanto Paulo estava em Trôade, no noroeste da Ásia Menor, teria tido uma visão que o mandava à Macedónia (Atos 16:8-9). Paulo, junto com Lucas, Timóteo e Silas, partiu para a Macedónia.

Depois de chegar a Neápolis, o porto da cidade de Filipos, a nordeste da Macedónia, Paulo dirigiu-se para a cidade (Atos 16:11-40). Parece que Lucas permaneceu em Filipos quando Paulo, Silas e Timóteo percorreram as cidades macedônias de Anfípolis (uns 50 quilômetros ao oeste-sudoeste de Filipos) e Apolónia (uns 50 quilômetros ao sudoeste de Anfípolis). A seguir, Paulo visitou respectivamente as cidades macedónias de Tessalônica (uns 60 quilômetros ao oeste-noroeste de Apolônia) e Bereia (uns 80 quilômetros ao oeste-sudoeste de Tessalônica). (Atos 17:1-12). O bom relatório que Timóteo trouxe, ao retornar, induziu Paulo a escrever a sua primeira carta aos tessalonicenses (I Tessalonicenses 3:6; Atos 18:5). A sua segunda carta aos tessalonicenses seguiu-se pouco depois.

No decurso da sua terceira viagem missionária, Paulo fez planos para regressar à Macedónia (I Coríntios 16:5-8; II Coríntios 1:15-16). Embora a comunidade cristã macedónia fosse pobre, era muito generosa. Os filipenses destacavam-se em especial no seu apoio dado ao ministério apostólico de Paulo (II Coríntios 11:8-9; Filipenses 4:15-17). Mesmo durante o primeiro encarceramento de Paulo em Roma, os cristãos de Filipos enviaram Epafrodito para ministrar pessoalmente o apóstolo de Paulo. Os tessalonicenses mostraram grande fé e perseverança, e, portanto, tornaram-se um exemplo para "todos os crentes na Macedónia e na Acaia" (I Tessalonicenses 1:1-8; I Tessalonicenses 4:9-10). Parece que depois de ser solto da prisão em Roma, Paulo visitou novamente a Macedónia e teria escrito dali a epístola conhecida como a I Timóteo. É possível também que a epístola a Tito talvez tenha sido escrita ali.

Reforma de Diocleciano[editar | editar código-fonte]

Provincia Macedonia Prima
Provincia Macedonia Salutaris
Provincia Epirus Vetus
Provincia Epirus Nova
Macedônia Prima
Macedônia Salutar
Velho Epiro
Novo Epiro
Província do(a) Império Romano e Império Bizantino
 
395-século VII

Macedonia ad400.png
Diocese da Macedônia em 400
Capital Salonica (Prima)
Stobi (Salutar)
Nicópolis (Velho Epiro)
Dirráquio (Novo Epiro)

Período Antiguidade Tardia
395 Reformas de Diocleciano
século VII Invasão eslava dos Bálcãs

Após as reformas de Diocleciano (r. 284–305) no final do século III, Velho Epiro foi dividida e, em algum momento do século IV, a província da Macedônia também foi dividida em Macedônia Prima ao sul e Macedônia Salutar ao norte. As quatro províncias resultantes passaram para a jurisdição da recém-criada Diocese da Macedônia[2][3], uma das três dioceses da Prefeitura pretoriana da Ilíria, criada em 318. Quando a esta foi dividida entre o Império Romano do Ocidente e o do Oriente em 319, as províncias macedônias foram incluídas na Ilíria ocidental. Quando a divisão do império se tornou permanente, em 395, a Macedônia toda passou para o controle oriental, como parte do território do futuro Império Bizantino.

As seguintes províncias foram criadas durante a reforma:

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Os ostrogodos, liderados por Teodorico, foram detidos em Nova Epiro por Sabiniano Magno[9]. Eles entraram na região em 479 e permaneceram até 482 d.C.[10]. Toda a região foi perdida durante a invasão eslava dos Bálcãs no século VII.

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província que aparecem no Anuário Pontifício como sés titulares são[11]:

Referências

  1. Grant, Michael (1990). The visible past: Greek and Roman history from archaeology 1960-1990 (em inglês). [S.l.: s.n.] 98 páginas. ISBN 0-684-19124-5 
  2. Handbook of Ancient Geography and History by Ptz Wilhelm, ISBN 1-113-19974-1,
  3. Atlas of Classical History by R. Talbert, 1989, page 175:
  4. The Loeb Editor's Notes, 28 Nova Epirus or Illyris Graeca
  5. A new classical dictionary of Greek and Roman biography, mythology, and geography: partly based upon the Dictionary of Greek and Roman biography and mythology by Sir William Smith,1851,page 392
  6. Wikisource-logo.svg "Durazzo" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês). Em domínio público.
  7. Hendry, p. 299
  8. Migrations and invasions in Greece and adjacent areas by Nicholas Geoffrey Lemprière Hammond, 1976, ISBN 0-8155-5047-2, page 54
  9. A history of the Ostrogoths by Thomas S. Burns,1991,ISBN 0-253-20600-6,page 63
  10. Epirus Vetus: The Archaeology of a Late Antique Province (Duckworth Archaeology) by William Bowden, 2003, ISBN 0-7156-3116-0, 2003, page 196
  11. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013