Assíria (província romana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Província de Assíria
Província de Assíria
Província do(a) Império Romano

116118
Location of Assíria
Província romana da Assíria em 117 D.C.
Capital: Hatra?
Período : Antiguidade
 -  Conquistado por Trajano 116
 -  Abandonada por Adriano 118
Mapa com a província de Assíria.

Assíria ou Província de Assíria foi uma das três províncias (Armênia, Mesopotâmia e Assíria) criada pelo imperador romano Trajano[1][2] em 116 d.c., após uma campanha militar bem sucedida contra o Império Parta, no atual Iraque.[3]

Historia[editar | editar código-fonte]

Apesar da vitória militar de Roma, a província de Trajano desde o início não correram bem. Em 116, um Príncipe Parto chamado Santruce, iniciou uma insurreição armada nas novas províncias romanas. Durante a revolta, as guarnições romanas da Assíria e da Mesopotâmia foram expulsos de seus postos, e um general romano foi morto quando seu exército tentaram em vão conter a rebelião.[4]

Quando Trajano morreu em 117, seu sucessor, Adriano, decidiu abandonar as conquistas de Trajano no leste. Adriano entendia que o Império estava muito extenso, e acreditava ser conveniente retrair as fronteiras do império, tonando-as assim mais defensáveis.[5] Portanto, Adriano evacuou as três províncias conquistadas no leste por Trajano em 118.[6]

A retirada de Adriano da Assíria em 118 não marcou o fim do domínio romano na região. Uma segunda campanha contra Partia foi lançada 161-165 sob o comando de Lúcio Vero, o exército romano foi capaz de reconquistar os territórios a leste do Eufrates.[7] Roma travou outra guerra contra os partos no 197-8 sob o comando do imperador Septímio Severo. Depois de sua bem-sucedida campanha, Severo instituiu duas novas províncias, Osroena (no reino Neoassírio, centrado em Edessa) e Mesopotâmia (o territórios anexados por Trajano em 114-117). Severus também colocou duas legiões romanas nas novas províncias para torná-las estáveis e para prevenir ataques dos Partos.[8] A influência romana na região chegou ao fim na época do imperador Joviano em 363, que abandonou a região após a conclusão de um precipitado acordo de paz com os sassânidas e recuando para Constantinopla para consolidar seu poder político.[9]

Apesar desta atividade na região romana, nenhuma fonte fala de uma província romana da Assíria posteriormente a evacuação de Adriano em 118. Quando Septimus Severus criou as províncias de Osroene e Mesopotâmia no final do segundo século, não havia nenhuma menção de uma província romana de Assíria . Durante suas viagens com Joviano no oriente médio, o historiador romano Amiano Marcelino diz que Adiabena era anteriormente chamada de Assíria; talvez referindo-se à província de Província Assíria de Trajano. Ammianus também se refere a uma região chamada Assíria localizado entre os rios Tigre e Eufrates, mas não faz qualquer referência a uma província romana atual desse nome.[10] Assim, parece que a província da Assíria só existiu durante o reinado de Trajano, e não foi restabelecido durante ocupações romanas posteriores da região. A área geral coincidiu com a Assíria antiga no entanto, os medos, persas, gregos selêucidas, sassânidas e partos tinham nomes semelhantes para a área (Ashur, Athura, Asōristān).

Localização[editar | editar código-fonte]

Apesar de muitas fontes citam a criação de uma província chamada Assíria durante a campanha de Trajano, há algum desacordo quanto à sua localização exata.

A maioria dos especialistas dizem que foi localizado ao nordeste do rio Tigre. Mas alguns estudiosos modernos argumentam que a província de Assíria estava entre o Tigris e o Eufrates, na região central do atual Iraque, uma hipótese confirmada pelo trabalho do historiador romano do século IV, Festo.[11]

No entanto, outras fontes afirmam que a província estava localizada próximo a Arménia ao leste do Tigris, em uma região anteriormente conhecida como Adiabene,[12] onde era o neoassírio.

Referências

  1. «ASSIRIA. - Provincia dell'Impero romano.». Treccani. Consultado em 1 de Novembro de 2015. 
  2. Trajan's Parthian War and the Fourth-Century Perspective Author(s): C. S. Lightfoot Source: The Journal of Roman Studies, Vol. 80 (1990), pp. 115-126.
  3. Michael Wells, Colin (1995). The Roman Empire. [S.l.]: Harvard University Press. pp. 366 (pg 174). ISBN 9780674777705 
  4. David Magie, Roman Rule in Asia Minor to the End of the Third Century After Christ, Princeton, NJ: Princeton University Press, 1950: p. 609.
  5. Charles Freeman, The World of the Romans, New York: Oxford University Press, 1993: p. 62.
  6. The Cambridge Ancient History, Volume XI, London: Cambridge University Press, 1970: p. 640.
  7. The Cambridge Ancient History p. 640.
  8. Magie p. 674-5; Fergus Millar, The Roman Empire and its Neighbors, London: Weidenfeld and Nicolson, 1967: p. 211.
  9. Ammianus Marcellinus The Later Roman Empire (354-378) A shameful peace concluded by Jovian 6.7 pg.303, Penguin Classics, Translated by Walter Hamilton 1986
  10. Ammianus Marcellinus XXIII.6.20 and XXXIII.3.1, from http://www.tertullian.org/fathers/ammianus_23_book23.htm
  11. C.S. Lightfoot, "Trajan's Parthian War and the Fourth-Century Perspective," The Journal of Roman Studies, Volume 80, (1990), p. 121-122.
  12. Lightfoot p. 121; Magie p. 608.