Diocese da Itália Suburbicária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Itália (desambiguação).
Dioecesis Italia Suburbicaria
Diocese da Itália Suburbicária
Diocese do(a) Império Romano
séc. IV–final do séc. VI
Location of Itália Suburbicária
Itália por volta de 400
Capital: Roma
Governador: vigário
Período : Antiguidade Tardia
 -  Reformas administrativas de Diocleciano séc. IV
 -  Função substituída pelo prefeito urbano de Roma final do séc. VI

A Diocese da Itália Suburbicária (em latim: Dioecesis Italia Suburbicaria - "Itália sob o domínio da cidade [de Roma]") foi uma diocese do Império Romano, criada na reforma de Diocleciano no século IV e subordinada à prefeitura pretoriana da Itália.

História[editar | editar código-fonte]

A Itália Suburbicária abrangia toda a região centro-sul da Itália e era governada pelo vigário de Roma, a mais alta autoridade civil da diocese.

Mesmo depois da queda do Império Romano do Ocidente, é possível que diocese tenha sobrevivido. Na verdade, ainda no fim do século VI e início do VII (período bizantino), são mencionados nas cartas papais prefeitos pretorianos ou vigários em Roma ou em Gênova. No entanto, é provável que o cargo tenha perdido muito de seu prestígio nesta época por causa da crescente influência dos generais, que exerciam poderes que, até as conquistas lombardas, eram exercidos por oficiais civis. Durante o domínio ostrogodo, o vigário de Roma não mais controlava Roma e passou a responder para o prefeito urbano, com sua jurisdição restrita à cidade de Roma e redondezas até 40 milhas de distância. No final do século VI, é provável que o vigário de Roma tenha passado a exercer apenas funções financeiras, perdendo todas as demais atribuições. Menos importante que o prefeito urbano, a função gradativamente desapareceu das fontes a partir daí.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ela era subdividida em dez províncias:

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Charles Diehl, Exarchat, pp. 161-165.