Diocese da Itália Suburbicária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Itália (desambiguação).
Dioecesis Italia Suburbicaria
Diocese da Itália Suburbicária
Diocese do(a) Império Romano
séc. IV–final do séc. VI

Roman Italy - AD 400.png
Itália por volta de 400
Capital Roma
Líder vigário

Período Antiguidade Tardia
séc. IV Reformas administrativas de Diocleciano
final do séc. VI Função substituída pelo prefeito urbano de Roma

A Diocese da Itália Suburbicária (em latim: Dioecesis Italia Suburbicaria - "Itália sob o domínio da cidade [de Roma]") foi uma diocese do Império Romano, criada na reforma de Diocleciano no século IV e subordinada à prefeitura pretoriana da Itália.

História[editar | editar código-fonte]

A Itália Suburbicária abrangia toda a região centro-sul da Itália e era governada pelo vigário de Roma, a mais alta autoridade civil da diocese.

Mesmo depois da queda do Império Romano do Ocidente, é possível que diocese tenha sobrevivido. Na verdade, ainda no fim do século VI e início do VII (período bizantino), são mencionados nas cartas papais prefeitos pretorianos ou vigários em Roma ou em Gênova. No entanto, é provável que o cargo tenha perdido muito de seu prestígio nesta época por causa da crescente influência dos generais, que exerciam poderes que, até as conquistas lombardas, eram exercidos por oficiais civis. Durante o domínio ostrogodo, o vigário de Roma não mais controlava Roma e passou a responder para o prefeito urbano, com sua jurisdição restrita à cidade de Roma e redondezas até 40 milhas de distância. No final do século VI, é provável que o vigário de Roma tenha passado a exercer apenas funções financeiras, perdendo todas as demais atribuições. Menos importante que o prefeito urbano, a função gradativamente desapareceu das fontes a partir daí.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ela era subdividida em dez províncias:

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Charles Diehl, Exarchat, pp. 161-165.