Síria (província romana)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Síria Prima)
Provincia Syria
επαρχία
Província Síria
Província do(a) Império Romano
 
 
 
64 a.C.135


Província da Síria em 117
Capital Antioquia

Período Antiguidade Tardia
64 a.C. Conquista da Cele-Síria por Pompeu
135 Incorporada pela Síria Palestina

Síria foi uma das primeiras províncias romanas, incorporadas à República Romana em 64 a.C. por Pompeu durante a Terceira Guerra Mitridática, logo após a derrota do rei da Armênia Tigranes, o Grande.[1]

A Síria romana foi reorganizada administrativa muitas vezes depois disso. Depois da Revolta de Barcoquebas em 135, a província da Síria foi fundida com a Judeia para formar a Síria Palestina. Diocleciano subordinou-a à recém-criada Diocese do Oriente da Prefeitura pretoriana do Oriente e ela foi dividida em duas novamente em 415, além de ter fornecido território para a criação de duas outras províncias vizinhas. A região finalmente sucumbiu à conquista muçulmana da Síria na década de 630.

Principado[editar | editar código-fonte]

O exército da Síria contava com três legiões do exército romano, encarregadas de defender a fronteira com o Império Parta. No século I, foram estas legiões que apoiaram o golpe de Vespasiano. Elas estavam diretamente envolvidas na Grande revolta judaica de 66-70 Em 66, Céstio Galo, o legado imperial na Síria, chamou o exército da Síria, centrado na XII Fulminata, reforçado por tropas auxiliares, para restaurar a ordem e esmagar a revolta. A legião, porém, foi emboscada e destruída por rebeldes judeus na Batalha de Bete-Horom, um resultado que chocou a liderança romana.

O exército sírio voltaria a se envolver nos assuntos da Judeia durante a Revolta da Barcoquebas de 132-136.

Em 244, Roma foi governada por um sírio de Shahba chamado Marco Júlio Filipo, geralmente conhecido como Filipe, o Árabe, o trigésimo-terceiro imperador romano e o que estava reinando nas celebrações do milênio de Roma.

Anos seguintes[editar | editar código-fonte]

Síria Palestina[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Síria Palestina

Nos estertores finais da Revolta de Barcoquebas, a província da Síria foi expandida para incluir a praticamente despopulada Judeia e foi rebatizada de Síria Palestina. A partir do final do século II, o senado romano passou a contar com diversos sírios notáveis, incluindo Cláudio Pompeiano e Avídio Cássio.

Logo depois de 193, durante o reinado da dinastia Severa, de origem síria, a Síria Palestina foi quebrada em duas: a Cele-Síria no norte e a Síria Fenícia (ou "Fenícia") no sul. A província teve importância crucial durante a crise do terceiro século e, entre 260 e 273, juntou-se ao renegado Império de Palmira.

Diocleciano[editar | editar código-fonte]

Mais informações: Eufratense

Depois das reformas administrativas de Diocleciano (r. 284–305), a Cele-Síria foi subordinada pela Diocese do Oriente.[2] Em algum momento entre 330 e 350 (provavelmente c. 341), a província de Eufratense foi criada a partir do território da Cele-Síria ao longo da margem ocidental do rio Eufrates e do antigo Reino de Comagena, com capital em Hierápolis Bambice.[3]

Síria durante o Império Bizantino[editar | editar código-fonte]

Provincia Syria Prima
Provincia Syria Salutaris
Síria Prima
Síria Salutaris
Província do(a) Império Romano
 
Depois de 415– anos 630


As duas províncias da Síria (e também a Eufratense) neste mapa da Diocese do Oriente c. 400
Capital Antioquia (Prima)
Apameia (Salutar)

Período Antiguidade Tardia
Depois de 415 Divisão da Síria Palestina
528 Justiniano cria a Teodória com território das duas províncias
anos 630 Conquista muçulmana da Síria
Mais informações: Teodória

Depois de c. 415, a Cele-Síria foi novamente dividida, desta vez entre a Síria Prima (ou Síria I), com capital em Antioquia, e Síria Secunda (Síria II), chamada também de Síria Salutar, com capital em Apameia no Orontes. Em 528, Justiniano finalmente formou a pequena província costeira de Teodória - uma homenagem à sua esposa Teodora - a partir do território litorâneo das duas províncias.[2]

A região permaneceu sendo uma das mais importantes províncias do Império Bizantino. Ela foi ocupada pelo Império Sassânida entre 609 e 628 durante a guerra entre os dois impérios que resultou na reconquista por Heráclio. Porém, ela foi irremediavelmente perdida durante a conquista muçulmana da Síria depois da Batalha de Jarmuque e da Batalha da Ponte de Ferro, que resultou na queda de Antioquia.[2]

Sés episcopais[editar | editar código-fonte]

As sés episcopais da província e que aparecem no Anuário Pontifício como sés titulares são[4]:

*Sés da província de Teodória, mas cujos bispos metropolitanos continuaram nas províncias sírias.

Governadores[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Between Rome and Jerusalem: 300 years of Roman-Judaean relations By Martin Sicker. [S.l.]: Books.google.co.uk 
  2. a b c Kazhdan, Alexander (Ed.) (1991). Oxford Dictionary of Byzantium. [S.l.]: Oxford University Press. p. 1999. ISBN 978-0-19-504652-6 
  3. Kazhdan, Alexander (Ed.) (1991). Oxford Dictionary of Byzantium. [S.l.]: Oxford University Press. p. 748. ISBN 978-0-19-504652-6 
  4. Annuario Pontificio 2013 (Libreria Editrice Vaticana 2013 ISBN 978-88-209-9070-1), "Sedi titolari", pp. 819-1013

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Bagnall, R., J. Drinkwater, A. Esmonde-Cleary, W. Harris, R. Knapp, S. Mitchell, S. Parker, C. Wells, J. Wilkes, R. Talbert, M. E. Downs, M. Joann McDaniel, B. Z. Lund, T. Elliott, S. Gillies. «Places: 981550 (Syria)». Pleiades. Consultado em 8 de março de 2012