Genotoxicidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em genética, genotoxicidade refere-se à capacidade de alguns agentes químicos de danificar a informação genética no interior de uma célula, causando mutações ou induzindo modificações na sequência nucleotídica ou da estrutura em dupla hélice do DNA de um organismo vivo.

A genotoxicidade é frequentemente confundida com mutagenicidade, que se refere a mutações que afetam a sequência dos nucleotídeos do material genético de um organismo. As mutações podem ser causadas por erros de cópia do material durante a divisão celular, por exposição a radiação ultravioleta ou ionizante, mutagênicos químicos ou vírus.

Assim, todos os agentes mutagênicos são genotóxicos, mas nem todas as substâncias genotóxicas são mutagênicas. Uma alteração genética pode ser causa direta ou indireta de mutações do DNA. Tais alterações podem ser permanentes, quando afetam as células somáticas do organismo, e hereditárias, se afetam as células germinativas que serão transmitidas às gerações futuras. [1] As células impedem a expressão da mutação genotóxica através da reparação do ADN ou da apoptose; no entanto, os danos podem nem sempre ser fixos, levando à mutagénese.

A toxicologia genética' é a especialidade que se ocupa da identificação e do estudo da ação de qualquer agente físico, químico ou biológico que produza efeitos tóxicos e genotóxicos, sobre o material genético. O interesse da toxicologia genética concentra-se principalmente nos agentes que produzem efeitos nocivos sobre o ADN, em doses que, nos termos da toxicologia clássica, são considerados não tóxicos ou subtóxicos.

A genotoxicidade é a ação nociva que afeta a integridade de uma célula de material genético. As substâncias genotóxicas são todas as que têm afinidade para interagir com o ADN, o que não constitui necessariamente uma prova de periculosidade em relação à saúde, mas são potencialmente mutagénicos ou cancerígenos, especialmente aqueles capazes de causar uma mutação genética contribuindo para a desenvolvimento de tumores. Dentre os agentes genotóxicos, incluem-se os compostos químicos e certos tipos de radiação. Pensa-se que alguns genotóxicos como as aminas aromáticas causem mutações porque são nucleofílicos e formam fortes ligações covalentes com o ADN, o que resulta na formação de adutos ADN-aminas aromáticas, ao que não permite uma replicação exata.

O termo genotóxico começou a ser usado de uma maneira generalizada após a publicação da obra de Lars Ehrenberg i cols., em 1973, sobre a relação entre danos genéticos e o câncer: The relation of cancer induction and genetic damage. In: Evalutaion of Genetic Risks of Environmental Chemicals. Royal Swedish Academy of Sciences.

As genotoxinas afetam esperma e óvulos, e as mudanças genéticas podem passar a descendentes que nunca foram expostos à genotoxina.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • (em inglês) Environ Health Perspect 104(Suppl 6):1219-1225 (1996) - The Mechanism of Benzene-induced Leukemia: A Hypothesis and Speculations on the Causes of Leukemia
  • Ribeiro, Lúcia R.; Salvadori, Daisy Favero; Marques, Edmundo K. (org.) Mutagênese ambiental. Canoas, ULBRA, 2003 Disponível no Google Livros
  • Silva Joselli Santos. Efeitos genotóxicos em tétrades de Tradescantia pallida (Rose) D.R. Hunt var. purpurea induzidos por poluentes atmosféricos na cidade do Salvador-Ba. Monografia (TCC) Curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana – BA, 2005 PDF Dez. 2011
  • Sizenando José de Andrade Júnior, José Cleub Silva Santos Júnior, Jesiane da Luz Oliveira, Eneida de Moraes Marcílio Cerqueira e José Roberto Cardoso Meireles Micronúcleos em tetrades de Tradescantia pallida (Rose) Hunt. cv. purpurea Boom: alteracoes geneticas decorrentes de poluicao aerea urbana. –The Free Library (Science and Technology) Jul. 2008 Dez. 2011
Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.