George Lincoln Rockwell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
George Lincoln Rockwell
Nascimento 9 de março de 1918
Bloomington
Morte 25 de agosto de 1967 (49 anos)
Condado de Arlington
Cidadania Estados Unidos
Progenitores
  • George Lovejoy Rockwell
Cônjuge Margrét Þóra Hallgrímsson
Alma mater
Ocupação político, oficial, piloto, jornalista, designer gráfico
Prêmios
Religião cristianismo

George Lincoln Rockwell (Bloomington, 9 de março de 1918Condado de Arlington, 25 de agosto de 1967) foi um político neonazista americano. Em 1959, ele foi exonerado da Marinha dos Estados Unidos por causa de suas visões políticas, e depois disso fundou o Partido Nazi Americano.[1][2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Rockwell negou o Holocausto e acreditava que Martin Luther King Jr. era um peão de judeus comunistas que supostamente queriam controlar a comunidade branca do país. Ele culpou os judeus pelo movimento dos direitos civis. Ele considerou Hitler como o "salvador branco do século XX".[1] Ele via os negros como uma "raça primitiva e letárgica que desejava apenas prazeres simples e uma vida de irresponsabilidade" e apoiou o reassentamento de todos os afro-americanos em um novo estado africano a ser financiado pelos governo dos Estados Unidos. Como defensor da segregação racial, ele concordou e citou muitos líderes do movimento nacionalista negro, como Elijah Muhammad e Malcolm X.[2] Nos anos posteriores, Rockwell tornou-se cada vez mais alinhado com outros grupos neonazistas, liderando o União Mundial de Nacional-Socialistas.

Em 25 de agosto de 1967, Rockwell foi baleado e morto em Arlington por John Patler, um ex-membro descontente de seu partido.[3]

Referências

  1. a b Goodrick-Clarke, Nicholas (2003). Black Sun: Aryan Cults, Esoteric Nazism, and the Politics of Identity (em inglês). Albany: NYU Press. pp. 10, 12–13 
  2. a b Marable, Manning; Felber, Garrett (2013). The Portable Malcolm X Reader: A Man Who Stands for Nothing Will Fall for Anything (em inglês). Londres: Penguin Books. pp. 166–167 
  3. Miller, Michael E. (21 de agosto de 2017). «The shadow of an assassinated American Nazi commander hangs over Charlottesville». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 21 de junho de 2021