Gino Bechi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gino Bechi
Джино Беки (Gino Bechi).jpg
Pavarotti em performance no Stade Vélodrome
Informação geral
Nome completo Gino Bechi
Nascimento 16 de outubro de 1913
Florença
País  Itália
Data de morte 2 de fevereiro de 1993 (79 anos)
Florença, Itália
Gênero(s) Ópera
Instrumento(s) Vocal
Extensão vocal Tenor Lírico
Afiliação(ões) Giuseppe Verdi

Gino Bechi (Florença, 16 de outubro de 1913 - 2 de fevereiro de 1993) foi um barítono italiano, dos mais proeminentes da sua geração, particularmente associado ao repertório italiano, especialmente Verdi.

Vida[editar | editar código-fonte]

Bechi estudou na sua terra natal Florença com 'Raul Frazzi' e 'di Giorgio', e fez a sua estréia em Empoli, em 1936, como 'Germont' em La traviata de Giuseppe Verdi.

Cantou amplamente na Itália, aparecendo com freqüência na Ópera de Roma de 1938 a 1952, e no La Scala de 1939 a 1953 o seu maior sucesso, quando cantou o papel títular em Nabucco na sua reabertura em 1946. Foi o maior barítono dramático do seu tempo, em papéis, como Rigoletto, Count de Luna, Renato, Carlo, Amonasro, Alfio, Gérard, e também admirado como Figaro e Hamlet.

Bechi possuía uma bela voz. Foi ouvido em primeiras gravações em, Zazà,com Beniamino Gigli, com quem gravou a integral Un ballo in maschera, Aida, Andrea Chénier, e Cavalleria rusticana, de Pietro Mascagni. Gravou Il barbiere di Siviglia, e uma gravação de Nabucco, com Maria Callas. Depois da guerra, começou uma carreira internacional, aparecendo em Lisboa, Barcelona, Paris, Bruxelas, Londres, Rio de Janeiro, Buenos Aires, Chicago, e San Francisco.

Fazem parte do seu repertório, La favorita, Il trovatore, Otello, Guillaume Tell, Hamlet, Pagliacci, Tosca, etc. Em 1950 durante uma representação de Falstaff no Covent Garden de Londres, a crítica não teve palavras de elogio para o barítono. Regressou a Londres, em 1958 para cantar o Guillaume Tell de Gioachino Rossini, desta vez com grande successo.

Retirou-se de cena em 1965, leciona na Academia de Música Chigiana Siena, uma escola de formação de jovens cantores líricos em Florença. foi presidente do Concorso Internazionale di canto dedicado a Ettore Bastianini. e tornou-se diretor artístico do Teatro São Carlos, em Lisboa.

Bechi cantou Germont em versão filmada de La Traviata com Anna Moffo e Franco Bonisolli em 1968.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

  • Fuga a due voci (1943)
  • Torna a Sorrento (1945)
  • Pronto chi parla? (1946)
  • Amanti in fuga (1946)
  • Il segreto di Don Giovanni (1947)
  • Arrivederci, papà! (1948)
  • Una voce nel tuo cuore (1949)
  • Follie per l'opera (1949)
  • Signorinella (1949)
  • Soho Conspiracy (1950)
  • Ed Sullivan Show (show televisivo, 1951)
  • Aida (1953, solo in voce)
  • Canzoni a due voci (1953, solo in voce)
  • Sinfonia d'amore (film 1954) (1954)
  • La chiamavan Capinera (1957)
  • La Traviata (1967)

Videografia[editar | editar código-fonte]

  • Verdi - La traviata - Anna Moffo, Franco Bonisolli, Gino Bechi - Giuseppe Patanè (1968), VAI

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]