Gonçalo Pereira, o Liberal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

D. Gonçalo Peres de Pereira, ou Gonçalo Pires de Pereira, ou simplesmente Gonçalo Pereira (- a. 1298), conhecido por “o Liberal” e por ser conde de Trastâmara[1], foi um nobre português, Rico-Homem do Reino de Portugal e Grande-Comendador da Ordem do Hospital.

Como 3.º Senhor da Honra de Pereira teve “gram casa e estado” e certo dia “estando em Pereira, deu sessenta cavallos e fidallgos que eram chegados a elle”[2].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi grão-comendador nos reinos peninsulares, desde o ano de 1268. O prestígio e o reconhecimento deste homem também se podem aferir pelo facto de, entre 1280 e 1285, por estar documentado como comendador de Limia, Toronho, Távora[3] Panóias (8.11.1314)[4] e Faia, o que significa que tinha capacidade de influência e de gestão de bens de um e de outro lado do rio Minho[5].

Tem a seu cargo terras das Coroas de Leão (comenda de Puente de Órbigo, em 1251) e Castela (comenda de Castronuño, em 1250).

Dados genealógicos[editar | editar código-fonte]

Filho de D. Pedro Rodrigues Pereira, valido do rei D. Sancho I, e de sua mulher Maria Pires Gabere ou Gravel.

Casou primeira vez com Urraca Vasques Pimentel, filha de D. Vasco Martins Pimentel e de Maria Anes de Fornelo, da qual teve um filho e duas filhas:

Casou segunda vez com Inês Lourenço Carnes-Más, filha de Lourenço Anes Carnes-Más e de sua mulher, da qual teve uma filha:

  • Estevainha Gonçalves Pereira (d. 4 de Maio de 1337), casada primeira vez com Vasco Anes de Soalhães (c. 1280 -), 2.º senhor do Morgado de Soalhães, do qual foi segunda mulher, sem geração, e casou segunda vez com João Rodrigues Pimentel (- a. 18 de Abril de 1335), senhor do Morgado de Semelhe, com geração, que instituiu o Morgado de Torres Novas por testamento de 4 de Maio de 1337, de que fez cabeça a Capela da Santíssima Trindade, que instituíra com seu marido João Rodrigues Pimentel e sogra na Igreja de São Pedro da dita vila, e chamou para administrador a seu filho Gonçalo Anes e, na falta, a sua filha Leonor Rodrigues e, na falta desta, a outra filha Maria Rodrigues.

Fora do casamento, com Marinha Vasques, teve um filho bastardo:

  • Rui Gonçalves Pereira (1280 -?) casado por três vezes, a primeira com Beringeira Nunes Barreto, a segunda com Elvira Garcia Picata e a terceira com Leonor Rodrigues de Alvelos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências