Grão-Duque da Finlândia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasão de armas do Grão Duque da Finlândia

Grão-Duque da Finlândia (em sueco: Storfurste av Finland, em finlandês: Suomen suuriruhtinas) era um titulo usado entre 1580 e 1809 pelos Monarcas da Suécia. Entre 1809 e 1917, era o título oficial do chefe da região autônoma do Grão-Ducado da Finlândia, que era o Imperador da Rússia.

A forma anacrônica feminina do título em Inglês é normalmente Grand Princess of Finland (em sueco: Storfurstinna av Finland). As únicas mulheres a usarem o titulo foram a Rainha Christina e a Rainha Ulrika Eleonora. Alguns príncipes da Suécia também foram chamados de Grão Príncipe da Finlândia ou mais frequentemente Grão-Duque da Finlândia em sueco: Storhertig av Finland, em finlandês: Suomen suurherttua).

Era Sueca[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1580, o Rei João III da Suécia, que havia sido anteriormente (1556-1563) o Duque da Finlândia, tomou o título subsidiário de Grão Príncipe da Finlândia (em sueco: Storfurste, em finlandês: Suomen suuriruhtinas) para os Monarcas do Reino da Suécia, aparecendo pela primeira vez nos registros em 1581 (embora tenha sido usado por João III em 1577).[1] Durante esses anos, João era estava em contenda com seu vizinho do leste, o Czar Ivã, o Terrível, que possuía uma coleção de títulos subsidiários como Grão Príncipe de vários antigos principados russos e províncias. O uso de Grão Príncipe, em nome de João, era uma contramedida para indicar sua posição forte como soberano da Suécia, também um país com diversos reinos e regiões dependentes, igual ao czarismo na Rússia. Não só a Finlândia foi anexada, mas a Carélia, Íngria e a Livônia, todas elas adjacentes da fronteira entre Suécia e Rússia. Diz-se que o primeiro uso do novo título foi em uma reunião com o czar Ivan.

Durante os próximos 140 anos, o título foi usado pelos sucessores de João no trono, com exceção de Carlos IX que listou os finlandeses como uma das muitas nações sobre as quais ele era o rei durante 16071611.[2] Como o título só tinha uma natureza subsidiária, sem qualquer significado de concreto, foi usado principalmente em ocasiões muito formais, juntamente com uma longa lista de novos títulos reais. O último monarca sueco a usar o título foi a Rainha Ulrika Eleonora, que abdicou em 1720. No entanto, em 1802, o Rei Gustavo IV Adolfo deu o título a seu filho recém-nascido, o príncipe Carl Gustaf, que morreu três anos depois.

Era Russa[editar | editar código-fonte]

Durante a Guerra finlandesa entre a Suécia e a Rússia, os quatro estados que ocupavam a Finlândia (Riksdag of the Estates) reuniram-se na Dieta de Porvoo (parecido com a Dieta do Japão) em 29 de março de 1809 para jurar lealdade a Alexandre I da Rússia, que já havia anteriormente durante a guerra começado a usar o nome Grão-Duque da Finlândia à sua longa lista de títulos. Após a derrota da Suécia na guerra e com a assinatura do Tratado de Fredrikshamn em 17 de Setembro de 1809, a Finlândia tornou-se uma verdadeiro entidade autônoma do Grão-Ducado da Finlândia como parte da Rússia Imperial.

O Imperador governou a Finlândia através de seu governador e de um Senado nativo por ele nomeado. O país, no entanto, gozava de um elevado grau autonomia, até sua independência em 1917. A Finlândia foi declarada uma república independente, mas após a Guerra Civil, houve uma mal-fadada tentativa de impor uma monarquia.

Hoje, não há pretendentes ao título do Grão-Duque da Finlândia.

Referências