Gruta dos Moinhos Velhos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gruta dos Moinhos Velhos
Grutas de Mira Daire3.jpg
Geologia Calcária
Coordenadas 39° 32′ N 8° 42′ W
Comprimento 11 km
Descoberta 1947
Gruta dos Moinhos Velhos está localizado em: Portugal Continental
Gruta dos Moinhos Velhos
Coordenadas 39° 32' 25" N 8° 42' 15" O

A Gruta de Moinhos Velhos pertence ao conjunto de Grutas de Mira de Aire e localiza-se em Mira de Aire, no concelho de Porto de Mós, no distrito de Leiria, em Portugal.

Localização[editar | editar código-fonte]

A gruta situa-se na freguesia portuguesa de Mira de Aire "em pleno Maciço Calcário Estremenho, nos flancos da Serra D'Aire, ocupando a parte norte do Polje Mira/Minde, sulcada pela estrada nacional n.º 243 que liga o entroncamento de Torres Novas ao de S. Jorge".[1] As coordenadas WGS84 do acesso são[1] N 39º32.423' W 8º42.260'.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Parte turística da Galeria Grande

A Gruta dos Moinhos Velhos (juntamente com a Gruta da Pena e a Gruta da Contenda), faz parte de uma grande rede de galerias com mais de 11 Km de extensão, constituindo dos mais importantes sistemas subterrâneos do Maciço Calcário Estremenho. Caracteriza-se pela existência de dois coletores paragenéticos fósseis, de diâmetro aproximadamente decamétrico, com afluentes desenhando uma rede dendrítica e um conjunto de galerias semi-ativas de traçado dendrítico a norte e angulado a sul. A zona fóssil tem um desnível de 100 metros e a espessura da zona intermédia varia entre 80 metros a montante e 60 metros a jusante, circulando a água por galerias singenéticas, do quadrante norte para o quadrante sul, em direção à exsurgência da Gruta da Pena.

Podem definir-se quatro fases na evolução do sistema. A primeira é representada por galerias freáticas superficiais, de pequeno diâmetro, a segunda pelo coletor paragenético da Galeria Gémea, a terceira pela Galeria Grande e seus afluentes e a última pelas galerias ativas e semi-ativas dos andares inferiores.

Nas galerias do sistema da gruta dos Moinhos Velhos vive um escaravelho cavernícola endémico, denominado Trechus lunai e as galerias aquáticas são habitadas por crustáceos estigóbios, dos quais o mais abundante é o Proasellus lusitanicus.

Historial[editar | editar código-fonte]

A gruta foi descoberta em 27 de julho de 1947, ano em que foram realizadas as primeiras tentativas de exploração da gruta. Em 1948 alguns dos primeiros exploradores resolveram formar a Sociedade Portuguesa de Espeleologia, a primeira associação portuguesa do género. A gruta foi classificada como imóvel turístico de interesse público em 20 de Outubro de 1955, tendo aberto as suas portas ao público a 11 de Agosto de 1974. As Grutas de Mira de Aire participaram no concurso 7 Maravilhas Naturais de Portugal, promovido pela New 7 Wonders Portugal, sendo eleitas, a 11 de setembro de 2010, como uma das 7 Maravilhas Naturais de Portugal.[2][3]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Crispim, J.A. 1987. Evolução da Hidrologia Subterrânea na Gruta de Moinhos Velhos (Mira de Aire), Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências de Lisboa - Sociedade Portuguesa de Espeleologia, ALGAR - Bol. Soc. Port. Espeleologia, 1:3-8.
  • Reboleira, A.S.P.S. et al. 2011. The subterranean fauna of a subterranean hotspot - Portugal: an overview and its conservation. International Journal of Speleology 40(1): 23-7.

Referências

  1. a b «Grutas de Mira de Aire: localização». Consultado em 12 de agosto de 2014 
  2. Folheto das "Grutas de Mira de Aire".
  3. «Grutas de Mira de Aire». Município de Porto de Mós. Consultado em 13 de agosto de 2014 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mira de Aire