Guerra húngaro-romena de 1919

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Guerra Húngaro-Romena
Parte da(o) Revoluções e intervenções na Hungria (1918–1920)
RomanianCavalryBudapest.png
Cavalaria romena em Budapeste
Local Hungria
Desfecho Vitória romena
Combatentes
República Soviética Húngara (a 1 de Agosto)
República Democrática Húngara (1-6 de Agosto)
Roménia Reino da Romênia
Líderes e comandantes
Béla Kun

Aurél Stromfeld
Ferenc Julier
Vilmos Böhm
Gyula Peidl

Roménia Ferdinand I
França Henri Berthelot
Roménia Traian Moşoiu
Roménia George Mărdărescu
Roménia Constantin Prezan
Roménia Ion Antonescu
Forças
10 000 — 80 000 10 000 — 96 000
Vítimas
4 538 mortos
~ 41 000 capturados
3 670 mortos
11.666 total

A Guerra Húngaro-Romena foi travada entre a República Soviética Húngara e o Reino da Romênia de novembro de 1918 até março de 1920, com as principais operações militares sendo concluídas em agosto de 1919.

A Guerra Húngaro-Romena de 1919 foi um resultado militar da Primeira Guerra Mundial na Europa Central - similar à Guerra Polaco-Ucraniana e a Guerra Polaco-Soviética; quando a Transilvânia proclamou sua união com a Romênia em 1 de dezembro de 1918.[1] A República Soviética da Hungria e o Reino da Romênia enfrentaram-se: ambos reivindicaram as regiões habitadas por seus grupos étnicos do dentro dos territórios perdidos da Áustria-Hungria.

No final de 1918, o último ano da Primeira Guerra Mundial, o colapso da Áustria-Hungria levou à declaração de União da Transilvânia com a Romênia. Os romenos pretendiam assegurar o sucesso de suas demandas territoriais na Conferência de Paz vindoura e auxiliar as aspirações nacionais dos romenos da Transilvânia. O conselho da coroa em Bucareste decidiu em favor de um ataque e em abril de 1919 os romenos lançaram uma poderosa ofensiva ao longo de toda a linha de demarcação húngaro-romena que foi definida de acordo com o Armistício de Belgrado de 1918. As decisões da Conferência de Paris de fazer avançar a linha de demarcação húngaro-romena eram inaceitáveis para o governo húngaro, que renunciou. Os bolcheviques tomaram o poder e pretendiam fazer valer sua promessa de proteger as fronteiras da Hungria resistir ainda mais a demanda de concessões territoriais da Entente.

Durante a guerra, o Exército Vermelho Húngaro também lutou contra as tropas da Checoslováquia, embora não simultaneamente com os romenos, e as forças iugoslavas ocuparam a Hungria até Pécs. Na primeira fase da guerra, o exército romeno avançou contra uma leve resistência [carece de fontes?] até os Cárpatos ocidentais. Na segunda fase, eles superaram o Exército Vermelho Húngaro ao chegar ao rio Tisza. Finalmente, na terceira fase, derrotaram o exército húngaro e ocuparam Budapeste (agosto de 1919), expulsando o regime comunista de Béla Kun.

Por sua fase final, mais de 120 000 soldados de ambos os lados estavam envolvidos. A dissolução da República Soviética da Hungria e a ocupação pela Romênia de partes da Hungria, incluindo a sua capital Budapeste, em agosto de 1919, pôs fim à guerra. As tropas romenas se retiraram da Hungria em março de 1920. Em junho de 1920, com o Tratado de Trianon, a filiação das regiões habitadas pela maioria romena à Romênia foi confirmada pelo direito internacional.

Mapa da guerra entre a Hungria e a Roménia em 1919
Os grupos étnicos em antigos territórios da Hungria após a Primeira Guerra Mundial

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Draganescu, Constantin (2008). «Spicuiri din razboiul Romaniei cu Ungaria din anul 1919 (in Romanian)» (PDF). Revista Document Nr3(41). Consultado em 17 de maio de 2010. Arquivado do original (PDF) em 5 de março de 2009 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]