Gulab jamun

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gulab jamun servidos com sorvete de baunilha.

Gulab jamun, ou gulaab jamun, é um doce feito a partir de leite em pó, muito popular nos países do sul Asiático, em particular na Índia, Sri Lanka, Nepal (onde é conhecido como lal mohan), Paquistão e Bangladesh.[1] Também é comum em Mauritius e nos países caribenhos de Trinidad e Tobago, Guiana, Suriname e Jamaica.[2]

Ele é feito principalmente a partir de leite em pó, tradicionalmente, a partir de leite recém-coalhado. Muitas vezes é enfeitado com nozes como amêndoas.

Preparação[editar | editar código-fonte]

Na Índia, o leite em pó é preparado por aquecimento do leite em fogo baixo por um longo tempo, até que a maioria do conteúdo de água tenha evaporado. Estes sólidos de leite, conhecidos como khoya no Subcontinente Indiano, são amassados em uma massa, às vezes com um pouco de farinha, e em seguida, enrolados na forma de pequenas bolas e fritos em baixa temperatura, de cerca de 148 °C.[3] As bolas são embebidas em xarope levamente açucarado aromatizado com cardamomo e água de rosas, kewra ou açafrão.[4]

Gulab jamun é disponível comercialmente em restaurantes sul-asiáticos, em latas ou como kits para preparação caseira.

Origem[editar | editar código-fonte]

Gulab jamun surgiu na Índia medieval, baseado em uma massa frita que invasores turcos da Ásia Central trouxeram para a Índia. [5] Uma teoria afirma que ele acidentalmente foi preparado pelo chef pessoal do imperador Mughal Shah Jahan.[6]

A palavra "gulab" deriva das palavras persas gol (flor) e āb (água), referindo-se a água de rosas usada na confeção do prato. "Jamun" ou "jaman" é a palavra Hindi-Urdu para Syzygium jambolanum, uma fruta indiana com o mesmo tamanho e formato da comida. A sobremesa Árabe luqmat al-qadi é semelhante ao gulab jamun, apesar de utilizar uma massa diferente. É possível que o luqmat al-qadi e o gulab jamun tenham derivado de um mesmo prato persa, com o xarope de água de rosas sendo a ligação comum entre os três pratos.[7]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Malik, Ambreen. «Delicious home-made gulab jamuns that make every occasion extra special!». Pakistani Tribune. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  2. Winer, Lise (16 de janeiro de 2009). Dictionary of the English/Creole of Trinidad & Tobago: On Historical Principles (em inglês). [S.l.]: McGill-Queen's Press - MQUP. ISBN 9780773576070 
  3. Moorjani, Lachu (01 de setembro de 2009). Ajanta (em inglês). [S.l.]: Gibbs Smith. ISBN 9781423613336  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. «Konkani Recipes - Gulab Jamoon». Konkani Recipes. Consultado em 20 de novembro de 2016 
  5. Krondl, Michael (01 de juno de 2014). The Donut: History, Recipes, and Lore from Boston to Berlin (em inglês). [S.l.]: Chicago Review Press. ISBN 9781613746738  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. O'Brien, Charmaine (03 de fevereiro de 2009). Flavours Of Delhi: A Food Lover's Guide (em inglês). [S.l.]: Penguin UK. ISBN 9789351182375  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Krondl, Michael (01 de janeiro de 2011). Sweet Invention: A History of Dessert (em inglês). [S.l.]: Chicago Review Press. ISBN 9781556529542  Verifique data em: |data= (ajuda)