Harald Høffding

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Harald Høffding (Copenhaguem, 11 de março de 1843Copenhaguem, 2 de julho de 1931) foi um filósofo e teólogo dinamarquês.
Nascido e educado em Copenhaguem, terminou seu doutorado em 1870, com uma tese sobre a concepção de verdade na filosofia grega antiga. Passou a lecionar na Inglaterra e na Alemanha, retornando à sua terra natal em 1880, quando foi aceito como professor na Universidade de Copenhaguem.
Grande parte de sua obra ocupa-se em tentar conciliar a filosofia transcendental alemã com a psicologia experimental inglesa. Não sendo plenamente possível essa confluência, Høffding preserva o devido espaço à dimensão moral e religiosa que escapa ao conhecimento racional. Nesse sentido, é notável o papel exercido por seu antecessor Kierkegaard, e também por autores como Pascal e Nietzsche em seu pensamento, o qual exerceria notável influência na formulação do princípio de complementaridade do físico conterrâneo Niels Bohr.[1]
Nenhuma de suas obras foi publicada no Brasil, onde apenas o artigo "O conceito de vontade" foi traduzido, precedido de uma breve apresentação.

Principais obras:

  • Esboço de uma psicologia fundada sobre a experiência, 1882.
  • Moral, 1887.
  • História da filosofia moderna, 1894.
  • O pensamento humano, 1910.
  • Bergson, 1917.
  • Filósofos contemporâneos, 1924.
  • Totalidade como categoria, 1925.
  • Relação como categoria, 1925.
  • O conceito de analogia, 1931.
  • Correspondência com E. Meyerson, 1939.
  • MOREIRA, Rui. O princípio de complementaridade no século de Bohr. Lisboa: CFCUL, 2012.