Henrique, o Leão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Henrique, o Leão
Estatua en la catedral de Brunswick, h. 1225-1250, que se supone que representa a Enrique el León
Nascimento 1129
Ravensburg
Morte 6 de agosto de 1195
Brunsvique
Sepultamento Catedral de Brunsvique
Cidadania Alemanha
Progenitores
Cônjuge Matilde de Inglaterra, Duquesa da Saxônia, Clemência de Zähringen
Filho(s) Otão IV do Sacro Império Romano-Germânico, Heinrich (V.) der Ältere von Braunschweig, William of Winchester, Lord of Lüneburg, Gertrudes da Baviera, Matilda of Saxony, Maud von Braunschweig, Rixa von Sachsen, Eleanor von Sachsen, Ingibiorg von Sachsen, Matilda von Sachsen, Lothaire von Sachsen, son von Sachsen
Irmão(s) Richardis de Babenberg
Ocupação governador
Título duque
DEU Schwerin COA.svg
Causa da morte illness

Henrique, o Leão (Ravensburg, 1129Brunsvique, 8 de agosto de 1195), Duque da Saxônia e da Baviera, foi um nobre medieval do século XII, cujo apelido tornou-se o símbolo do brasão de Brunsvique.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Henrique, o Leão era descendente da linhagem dos Guelfos (Welfen) e nasceu aproximadamente em 1129, na Alemanha, vindo a falecer em 8 de agosto de 1195 na cidade de Brunsvique. Aos treze anos, tornou-se regente do Ducado da Saxônia e fundou cidades como Lubeck e Munique. Foi grande conquistador e respeitado por reunificar, novamente, a Saxônia e a Baviera.

Vida privada e pública[editar | editar código-fonte]

Representação da coroação de Henrique, o Leão e da sua esposa Matilde de Inglaterra

Casou-se em primeiras núpcias com Clemência de Zähringen, de quem se separou quando iniciou manobras e golpes contra o Imperador Frederico Barbarossa, que tinha a Família dos Zähringens como vassala e fiel.

Aos 36 anos de idade, em 1168, contraiu novas núpcias com Matilde de Inglaterra, filha de Henrique II da Inglaterra e Leonor da Aquitânia.[1]

Desta maneira, uniu o Reino de Braunschweig/Luneburg e a Inglaterra. o que permitiu, séculos depois, a ascensão dos Hanôver ao trono inglês, no século XIX de onde destacamos os Reis Jorge III, Jorge IV e a Rainha Vitória.

Em 1180, por ter recusado ajuda ao Imperador Romano-Germânico Frederico Barba Ruiva na campanha da Itália, foi formalmente despojado de seus feudos e, expulso, procurou abrigo, com a mulher e os filhos na Inglaterra, governada por seu sogro Henrique II.[2]

Realizações principais[editar | editar código-fonte]

Henrique - o Leão decidiu fazer de Brunsvique - cidade a cerca de 60 quilômetros de Hanôver - sua residência oficial em 1142, construindo, assim, o castelo de Dankwarderodee estabelecendo o leão como emblema de seu brasão e poder. Em 1166, mandou esculpir uma imagem desse animal em bronze, que passou a ser símbolo da cidade ,[3] que foi colocado no centro da cidade como um símbolo.

Construiu, também, a Catedral de São Brás - com interior todo decorado por motivos bizantinos -, cujas portas são marcadas por arranhões, os quais, segundo velha lenda, teriam sido deixados por um leão que o Duque teria salvado a vida em uma de suas peregrinações.[4] Na realidade, entretanto, Henrique nunca encontrou um leão em suas andanças pela fé.[5]

Seu filho Otão IV tornou-se, em 1208, Imperador. Contudo, em 1212, foi excomungado pelo papa Inocêncio III e substituído por Frederico II.[6]

Braunschweig ficou conhecida como a Cidade do Leão, em homenagem a Henrique, O Leão e transformou-se na principal cidade da Europa Central medieval.

Seu pai, Henrique X da Baviera, foi restituído como Duque da Saxônia em 1139, depois de conflitos pelo poder, o que permitiu a Henrique assumir esse título em 1143.[7]

Refundou a cidade de Lubeck em 1159, depois de um incêndio em 1157.[8]

Referências

  1. Williamson, Paul (1998). Escultura gótica: 1140-1300. São Paulo: Cosac Naify Edições. 304 páginas 
  2. Loyn, H R (1990). Dicionário da Idade Média. [S.l.]: Jorge Zahar Editor Ltda. 370 páginas 
  3. http://www.bser.de/braunschweig/tbsenglisch.htm
  4. , Campos, Cynthia Machado (2006). A política da língua na era Vargas: proibição do falar alemão e resistências no sul do Brasil. São Paulo: Editora Unicamp,. 351 páginas 
  5. Schneider, Wolf (n.d.). De Babilônia a Brasília: a cidade como destino do homem, de Ur a Utopia. São Paulo: Editora Boa Leitura. 339 páginas 
  6. LENZENWEGER, Josef et. al. (1995). História da Igreja Católica. São Paulo: Editora = Edições Loyola. 393 páginas 
  7. Talaván, Manuel (2010). «Relações Germânico-eslavas». Intus-Legere Historia. Relaciones germano eslavas en el contextode cruzada: la cruzada venda: http://intushistoria.uai.cl/index.php/intushistoria/article/viewFile/70/56 
  8. «Lubeck | History, Facts, & Points of Interest». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 15 de dezembro de 2020 

Henrique, o Leão
Nascimento: 1129 Morte: 1195
Precedido por
Alberto, o Urso
Duque da Saxónia
1142–1180
Sucedido por
Bernardo III
Precedido por
Henrique XI
Duque da Baviera
1156–1180
Sucedido por
Otão I