Hormônio da paratireoide

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde maio de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.


Introdução[editar | editar código-fonte]

O hormônio da paratireoide (PTH ou paratormônio) é um hormônio secretado pelas glândulas paratireoides. Ele atua aumentando a concentração de cálcio no sangue, ao passo que a calcitonina (um hormônio produzido pelas células parafoliculares da tireoide) atua diminuindo a concentração de cálcio.

O hormônio da paratireoide aumenta a absorção de vitamina D e a síntese de 1,25(OH)2 Vitamina D; e absorção intestinal de cálcio, o que se traduz num incremento rápido e sustentado da quantidade de cálcio no sangue. Também tem influência na concentração sanguínea de fosfato, aumentando a excreção renal deste íon pela diminuição da sua reabsorção nos túbulos renais.

O paratormônio estimula a atividade osteolítica (destruidora do cristal do osso) dos osteoclastos e a osteólise osteocítica (reabsorção de cálcio e fosfato em osso ainda não mineralizado); aumenta a absorção renal de cálcio; aumenta a absorção de vitamina D e a síntese de 1,25(OH)2 Vitamina D; e absorção intestinal de cálcio, o que se traduz num incremento rápido e sustentado da quantidade de cálcio no sangue.

Também tem influência na concentração sanguínea de fosfato, aumentando a excreção renal deste íon pela diminuição da sua absorção nos túbulos renais e isso pode ser fatal.

Metabolismo e modo de ação[editar | editar código-fonte]

O PTH é secretado pelas células principais das glândulas paratiroides. A sua síntese inicia-se nos ribossomas, sendo traduzida na forma de Pré-proPTH. O fragmento pré permite o transporte e co-tradução para o RER, onde sofre proteólise e é removida a sequência final. A proPTH é posteriormente transportada para o complexo de Golgi da paratiroide onde ocorre a formação final da PTH. Esta tem, então, 3 destinos possíveis: armazenamento, degradação ou secreção imediata.

Síntese, secreção e metabolismo[editar | editar código-fonte]

A biossíntese de PTH e a sua subsequente degradação são reguladas pela concentração sérica de Ca2+ e pelos níveis de calcitriol, a vitamina D activa.

A diminuição do Ca2+ sérico resulta num aumento do mRNA da PTH e, consequentemente, num aumento da síntese de PTH. Além disso, a síntese de PTH é também condicionada pelos níveis de calcitriol, já que este, quando em níveis elevados, pode ligar-se a um receptor que inibe a transcrição do gene da PTH. Uma vez que a produção de calcitriol é promovida pela 1α-hidroxilase, enzima dependente da PTH, está evidente a presença de um feedback negativo.

A maior parte do mecanismo de proteólise da PTH ocorre na tiróide, podendo também sofrer proteólise noutros tecidos, como no fígado por acção das células de Krupffer.

A secreção é dependente da concentração sérica de Ca2+. A ligação de Ca2+ a um receptor associado a uma proteína G promoverá a libertação de Ca2+ dos locais de armazenamento e a activação da proteína cinase C, levando a um aumento da [Ca2+] intracelular, que por sua vez levará à inibição da secreção hormonal.

Ação da PTH[editar | editar código-fonte]

A PTH atua ao nível do rim, do osso e do intestino.

Os órgãos sobre os quais a PTH atua possuem células com receptores membranares da PTH associados à proteína G que estimulam a proteína cinase A, que tem ação ao nível dos canais de Ca2+ da membrana celular, e a fosfolipase C, que produz IP3 e DAG. O IP3 leva à libertação de Ca2+ do retículo endoplasmático, cujo aumento intracelular activa as cinases dependentes de Ca2+.

A PTH atua ao nível do osso, provocando o aumento da reabsorção óssea pela activação dos osteoblastos que, por sua vez, libertam citoquinas que promovem a diferenciação de percursores de osteoblastos em osteoclastos.

A PTH atua também ao nível do rim, onde aumenta a actividade da 1α-hidroxilase (responsável pela produção de calcitriol) e promove o aumento da reabsorção de Ca2+ e a diminuição da reabsorção de Pi.

A nível intestinal, como a PTH promove a formação de vitamina D ativa, vai levar ao aumento indireto da absorção de Ca2+ e Pi.

Em casos de dietas prolongadas com deficiência de Ca2+, a PTH evita a hipocalcémia à custa da degradação do osso/reabsorção óssea.

Referências

Boron, Walter F.; Boulpaep, Emile L. (2012). Medical Physiology (2e Updated Edition)