Hospital Nossa Senhora de Pompéia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hospital Pompéia.

O Hospital Nossa Senhora de Pompéia, conhecido simplesmente como Hospital Pompéia, é uma instituição hospitalar filantrópica sem fins lucrativos de Caxias do Sul, Brasil. Tem uma longa tradição, uma abrangência regional e é uma instituição de referência em várias especialidades.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Situado na Avenida Júlio de Castilhos, foi um dos primeiros hospitais caxienses, nascido através da iniciativa de um grupo de senhoras que se havia formado com o objetivo de angariar fundos para a construção do altar-mor da Igreja Matriz. Cumprido este objetivo, mas desejando manter um trabalho comunitário, o grupo constituiu em 12 de agosto de 1913 a Associação Damas de Caridade, presidida por Ignez Parolini Thompson, que decidiu se voltar para a assistência de doentes pobres, sob a supervisão do pároco da Matriz João Meneguzzi. Inicialmente os doentes eram atendidos em suas casas, mas logo se tornou necessário organizar um hospital. Foi adquirido o Palacete Rosa e adaptado para a função. Pouco depois as Damas compraram o pequeno hospital dos médicos Cesar Merlo e Henrique Fracasso e mais duas casas, todas vizinhas ao palacete. A nova instituição foi inaugurada em 24 de junho de 1920 e posta sob a direção do médico Rômulo Carbone, muito reputado na cidade, tendo as irmãs josefinas encarregadas da parte administrativa e dos cuidados de enfermaria.[2][1] Tinha capacidade para 60 leitos, sala de operação, farmácia e consultório.[1] Pacientes pobres eram atendidos gratuitamente, e os abonados pagavam taxas módicas.[3]

Uma das primeiras Diretorias das Damas de Caridade.
O prédio novo em obras, 1940

Em 1939 foram realizadas 3.269 internações de indigentes, 30.755 consultas gratuitas, 821 cirurgias complexas, 2.191 cirurgias simples, e 375 partos. Além disso, os hospital encaminhara medicamentos e auxílio a doentes em suas residências no valor de mais de 33 contos de réis, e dera roupas para indigentes no valor de mais de 12 contos de réis. Havia também assistência espiritual, o hospital era dotado de uma capela e um capelão, 138 adultos haviam sido encaminhados para a primeira comunhão, 38 casamentos foram realizados in extremis, e 81 batizados.[4] Os serviços totais prestados a indigentes haviam alcançado um valor de mais de 119 contos.[5]

O Palacete Rosa funcionou como o bloco principal até esta altura, quando suas instalações já eram pequenas para o crescente número de atendimentos.[6] Ainda em 1939 foi decidida a construção de uma sede nova e muito mais ampla, dotada de equipamentos modernos, com projeto do renomado arquiteto Joseph Lutzemberger de Porto Alegre.[3] O prédio novo foi inaugurado com grande solenidade em 25 de dezembro de 1940, com a presença do interventor federal Osvaldo Cordeiro de Farias, o prefeito Dante Marcucci e as bênçãos do bispo de Caxias Dom José Barea.[7] Em 1949 iniciaram as obras para uma ala nova.[8] O Palacete Rosa foi usado como anexo até meados da década de 1960, quando foi demolido para dar lugar a um grande bloco moderno.[6]

Em 1969 a administração foi transferida para leigos e se iniciou um processo de profissionalização, embora mantivesse um caráter filantrópico, e as Damas se concentraram no conforto material e espiritual dos doentes e na coleta de recursos, permanecendo como entidade mantenedora.[1] Segundo o historiador Ernesto Brandalise, "só Deus sabe quanta caridade foi feita. Todas as diretorias foram incansáveis e dedicavam grande parte do dia ao hospital. [...] Graças a estas Damas temos, com o apoio da autoridade eclesiástica, este monumento que orgulha Caxias do Sul".[9]

Ao longo dos anos o hospital passou por crises financeiras, situação agravada na década de 1980 com o descredenciamento do INAMPS da maioria dos hospitais da região, deixando o Pompéia como o único a atender a população carente. Com isso o hospital passou a enfrentar vários problemas, como a superlotação, precarização dos serviços e grande endividamento. Esse contexto começou a melhorar no fim da década com a entrada de uma nova administração, a Sociedade Beneficente São Camilo, em 1988.[10] Em 1997 o hospital obteve certificação do Sistema Único de Saúde.[11]

Em 2001 foi lançado o Projeto Amigos do Pompéia, que possibilitou a captação de muitos recursos e uma sensível melhora no atendimento e nos equipamentos. Nos anos seguintes foram inaugurados uma nova unidade de pronto atendimento, que recebeu Troféu Bronze no Prêmio Qualidade - RS; um banco de olhos; o Instituto do Câncer; o Instituto de Nefrologia; uma nova UTI, uma estação de tratamento de efluentes e um programa de residência médica, além de reformas e melhorias no laboratório, na ala do SUS, no pronto-socorro e no Instituto de Diagnósticos.[1][11]

Distinções e homenagens[editar | editar código-fonte]

Em 2003 os Correios do Brasil lançaram um selo comemorando os 90 anos do hospital.[1] Em 2012 recebeu da Câmara dos Deputados o Prêmio Dr. Pinotti por seus serviços na área da saúde da mulher.[12] Em 2013, comemorando seu centenário, o Hospital Pompéia foi o centro de festividades e homenagens, o prefeito agradeceu os serviços prestados ao longo de sua trajetória,[13] recebeu o Prêmio Virvi Ramos da Câmara de Vereadores,[14] e elogios na Assembleia Legislativa[11] e na Câmara dos Deputados.[15] A presidente das Damas de Caridade recebeu a Medalha da 53ª Legislatura da Assembleia Legislativa.[11] O jornal Pioneiro publicou uma grande série de reportagens recuperando sua história e assinalando os grandes serviços prestados à população.[16] Em 2019 sua Central de Materiais e Esterilização recebeu certificação Diamante da 3M.[17] Em 2022 estava na 25ª posição no ranking dos melhores hospitais do Brasil da revista Newsweek.[18]

O hospital[editar | editar código-fonte]

Entrada do bloco antigo

O Hospital Pompéia é um centro de referência regional em emergência e atendimento de alta complexidade, hoje atendendo a uma população de 1 milhão de pessoas em 48 municípios. É credenciado como Hospital de Ensino e membro da Associação Brasileira de Hospitais Universitários e de Ensino, contando com um programa de residência médica nas áreas de medicina intensiva, oncologia clínica, clínica médica, neurocirurgia, cirurgia geral, neurocirurgia, traumatologia, ortopedia e radiologia. Também oferece cursos técnicos e estágios.[15] Em 2018 60% do seu atendimento ocorria no sistema SUS. Foi reconhecido pelo Ministério da Saúde como uma instituição estratégica para a saúde da região. Conta com 300 leitos, 13 salas cirúrgicas, três UTIs para adultos e uma neonatal. Realiza em média 180 mil atendimentos ambulatoriais, 15 mil cirurgias e 15 mil internações por ano.[1]

Realiza cirurgias cardíacas, neurológicas, traumato-ortopédicas, torácicas, bucomaxilofaciais, gastrointestinais, ginecológicas, urológicas, transplantes de rins, rins/pâncreas e de córneas, retirada de múltiplos órgãos, dentre outras. Possui um centro de diagnóstico próprio e terceirizado composto por equipamentos de alta tecnologia. O Hospital Pompéia é um Hospital Geral que atende a especialidades clínicas e cirúrgicas em:

  • Urgência/Emergência
  • Ambulatório
  • UTIs Adulto
  • UTIs Neo Pediátrica
  • Centro Cirúrgico
  • Serviços de Diagnóstico
  • Clínica de Hemodiálise
  • Obstetrícia
  • Hospital Dia
  • Unidade de internação Psiquiátrica
  • Unidades de Internação clínica e cirúrgica
  • Oncologia clínica e cirúrgica
  • Transplantes de córneas, rins e pâncreas

Além destas, o Hospital conta com setores que oferecem um diferencial no atendimento ao paciente:

  • Espanta Dodói, de atendimento infantil
  • SAC
  • Centro de Memória
  • Comissão Intra-Hospitalar de Transplantes
  • Escola de Educação Profissional em Saúde
  • Programa de Ensino e Desenvolvimento aos funcionários
  • Terapia Familiar
  • Escritório da Qualidade e Programa de Humanização e Desenvolvimento.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Hospital Nossa Senhora de Pompéia

Referências

  1. a b c d e f g Britz, Ana Júlia Sachet. "Pio Sodalício das Damas de Caridade dos Hospital Pompeia de Caxias do Sul". Laboratório de Políticas Públicas, Ações Coletivas e Saúde — UFRGS, s/d.
  2. Brum, Eliane de. "100 anos do Hospital Pompéia: a história das Damas de Caridade". Pioneiro, 09/05/2013
  3. a b "Construção do Novo Hospital N. S. de Pompeia". A Época, 26/03/1939, p. 2
  4. "Hospital N. S. de Pompeia". A Época, 10/12/1939, p. 2
  5. "Hospital de Caridade N. S. de Pompeia". A Época, 07/01/1940, p. 3
  6. a b Lopes, Rodrigo. "Memória: palacete das Damas de Caridade em 1947". Pioneiro, 09/04/2018
  7. "Solenemente inaugurado o Novo Hospital Nossa Senhora de Pompéia". A Época, 01/01/1941, p. 8
  8. "Novos e importantes melhoramentos no Hospital Nossa Senhora de Pompéia". Pioneiro, 30/04/1949, p. 1
  9. Brandalise, Ernesto A. Paróquia Santa Teresa - Cem Anos de Fé e História (1884 - 1984). EDUCS, 1985
  10. "100 anos do Hospital Pompéia: conheça a trajetória do administrador Hugo Pan". Pioneiro, 15/07/2013
  11. a b c d "Marisa Formolo homenageia os 100 anos do Hospital Pompéia em Grande Expediente". Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul, 2013
  12. "Pompéia é um dos três hospitais do país a receber prêmio por serviços da saúde da mulher". Rádio Caxias, 29/05/2012
  13. "Hospital Pompéia: Prefeito participa da entrega das reformas da Unidade de Internação do SUS". Prefeitura de Caxias do Sul, 12/08/2013
  14. "Prêmio Virvi Ramos homenageia 100 anos do Hospital Pompéia". Rádio Caxias, 13/06/2013
  15. a b "Homenagem aos 100 anos do Hospital Pompéia, de Caxias do Sul, RS". Câmara dos Deputados, 02/09/2013
  16. "Jornal Pioneiro publica série especial em comemoração aos 100 anos do Hospital Pompéia". Grupo RBS, 03/05/2013
  17. "Setor do Hospital Pompéia recebe premiação internacional". Rádio Caxias, 10/10/2019
  18. Cooper, Nancy. "World's Best Hospitals 2022". Newsweek, 2022

Ligações externas[editar | editar código-fonte]